ENCOSTAS URBANAS COMO UNIDADES DE GESTÃO E PLANEJAMENTO, A PARTIR DO ESTUDO DE ÁREAS A SUDOESTE DA CIDADE DO RECIFE - PE

Osvaldo Girão, Antonio Carlos de Barros Corrêa, Antonio José Teixeira Guerra

Resumo


O planejamento urbano voltado para apropriação de novos espaços, e mesmo a reorganização dos já ocupados, faz-se de grande utilidade para a implementação de formas de ocupação viáveis do ponto de vista da manutenção do equilíbrio ambiental físico sobre o perímetro de expansão das cidades. Para tanto, a geomorfologia do sítio urbano deve constituir-se em um dos principais fatores na orientação do processo de ocupação. Desta forma, a grande demanda por espaços nas cidades, e a conseqüente falta de planejamento e organização para novas ocupações por parte do poder público, justifica a premente necessidade por estudos de cunho geomorfológicos dentro do cenário urbano. O entendimento das características morfológicas e dos processos morfogenéticos, além de análises acerca da vulnerabilidade das áreas urbanas face aos eventos naturais (disritmias pluviométricas, enchentes, deslizamentos etc.) constitui-se em subsídio fundamental à compreensão da dinâmica dos componentes do sistema ambiental físico de um espaço urbano. A caracterização e avaliação dos processos subaéreos em áreas de encostas revestem-se, assim, de grande importância ao delineamento de políticas de ocupação nas áreas de expansão urbana, tendo na compreensão dos processos morfodinâmicos e suas interações com outros fatores influenciadores do equilíbrio dinâmico ambiental, um relevante aspecto para o planejamento do uso do solo urbano e mitigação de situações indesejáveis já instaladas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJLATINDEX
ROADDRJI
PERIÓDICOS CAPES