ASPECTOS GEOFÍSICOS E AMBIENTAIS DO PANTANAL DA NHECOLÂNDIA

Jerusa Cristina Bazzo, Diego Antonio França de Freitas, Marx Leandro Naves Silva, Evaldo Luis Cardos, Sandra Aparecida Santos

Resumo


Reconhecido como uma das maiores extensões úmidas contínua do planeta, o Pantanal é marcado por peculiaridades, como estações de seca e cheia, solos de baixa fertilidade, dificuldade de acesso, dentre outras, que restringiram a sua ocupação e a interferência antrópica, tornando a pecuária extensiva a principal atividade econômica. Devido a grande interação entre os fatores bióticos e abióticos, tem-se como resultado uma grande heterogeneidade de paisagens dentro da planície, assim, o Pantanal pode ser dividido em onze sub-bacias hidrográficas. Dentre estas destaca-se o Pantanal da Nhecolândia, por apresentar uma fisionomia bastante típica, caracterizada por baías, salinas, campos limpos, bosques e savanas. Nesta sub-região, as formas de vegetação são fortemente influenciadas pela topografia local e pelos diferentes níveis de inundação ou alagamento, porém algumas associações vegetais destacam-se na Nhecolândia por sua contínua presença na paisagem. Os solos do pantanal da Nhecolândia são essencialmente arenosos, com textura geralmente fina, sendo que o caráter hidromórfico predomina em algumas áreas. O rio mais importante desta zona é o Taquari, que serve como marco divisório entre a Nhecolândia e o Paiaguás. Devido ser uma das principais regiões criatórias de gado do Brasil, o manejo deve basear-se nos requerimentos das espécies nativas de fauna e flora, integrados com os requerimentos dos animais exóticos e as necessidades do homem, de forma a preservar a qualidade do solo e manter a sustentabilidade do sistema.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJLATINDEX
ROADDRJI
PERIÓDICOS CAPES