REPRODUÇÃO CAMPONESA NA FRONTEIRA DA AMAZÔNIA SUL OCIDENTAL

César Gomes de Freitas, Cleilton Sampaio de Farias, Olivier François Vilpoux, Edna Maria S. Cabral

Resumo


Apresentamos algumas formas de reprodução camponesa analisando as características da produção de farinha de mandioca no município de Cruzeiro do Sul, Acre, situado na fronteira da Amazônia Sul Ocidental . Como campesinato nos apoiamos no enfoque de Marques (2008, p. 58) que o considera como uma classe social estranha e não apenas um setor da economia, uma forma de organização da produção ou um modo de vida. A coleta e a análise dos dados foram realizadas no mês de outubro de 2009. Utilizou-se o método descritivo com amostragem de pequenos produtores do Município mediante aplicação de questionário por meio de entrevistas pessoais (MALHOTRA, 2001). O questionário abordou temas qualitativos e quantitativos, por meio de perguntas estruturadas, dicotômicas, de múltipla escolha e escalonadas. Além das entrevistas com os produtores, foi realizada entrevista com a Coordenação local da Secretaria de Estado de Extensão Agro-florestal e Produção Familiar. Enfim, encontramos evidências da predominância de referências camponesas entre os valores que orientam o cultivo da mandioca, a produção de farinha e a forma de organização social e territorial estabelecida na região. Sem estes atributos não seria possível a produção de farinha de mandioca ou a venda pelo preço que é estabelecido.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJ
ROADDRJI

PERIÓDICOS CAPES

 

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.