GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO MONITORAMENTO DA OCUPAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO – UM OLHAR SOBRE A ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DE GUAIBIM

Elfany Reis do Nascimento Lopes, Gil Marcelo Reuss-Strenzel

Resumo


A análise do uso da terra é essencial para diagnosticar a apropriação da sociedade sobre os recursos naturais, auxiliar o planejamento ambiental e disciplinar o processo de uso do solo. Objetivou-se neste estudo, mapear e caracterizar o uso do solo, a cobertura vegetal e os conflitos ambientais existentes na Área de Proteção Ambiental de Guaibim, utilizando técnicas de geoprocessamento. A partir da imagem obtida, em 2009, pelo sensor acoplado ao satélite RapidEye e imagens históricas, disponíveis no Google Earth, e, importadas para o software ArcGis 10.1, realizou-se o mapeamento por interpretação visual das imagens e edição de arquivos de vetores em escala 1:10000. A interpretação foi confirmada por observações em campo, com auxílio de GPS e câmera digital, para checagem das classes de uso do solo, e registro dos conflitos ao longo do território. Foram mapeadas treze classes de uso do solo, com maior expressão da área agrícola, porém, a soma das diferentes fisionomias vegetais constitui importante destaque da vegetação da unidade de conservação. Os resultados indicaram que o crescimento imobiliário encontra-se em avanço sobre as áreas de restinga e manguezais, e os conflitos ambientais tornam os recursos naturais altamente suscetíveis às ações antrópicas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJ
ROADDRJI

PERIÓDICOS CAPES

 

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.