A LUTA PELO DIREITO A CIDADE: REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO LOTEAMENTO QUARTA-FEIRA EM CUIABÁ-MT.

Guslene Tertuliana Ribeiro, Cornélio Silvano Vilarinho Neto

Resumo


O trabalho traz uma reflexão sobre os estudos urbanos e se pautará pelas discussões teóricas sobre o processo de regularização fundiária e no âmbito dos conceitos sobre ocupações irregulares. Neste sentido temos como ponto de partida, discutir as questões pertinentes à luta e resistência pelo espaço urbano, ou seja, pela moradia e a informalidade urbana partindo do loteamento Quarta Feira em Cuiabá - Mato Grosso. A origem do loteamento é resultado de uma ocupação irregular em área privada da cidade que teve inicio partir da década de 1970, quando ocorreu o primeiro movimento de ocupação da área, o processo de formação do loteamento sempre esteve atrelado à resistência pela moradia. A localidade do Quarta Feira não possui todo seu o perímetro regularizado, embora o loteamento seja uma das ocupações mais antigas da cidade de Cuiabá. Essas condições de moradia permite ampla discussão sobre a propriedade privada e a sua utilização, bem como, abre-se a discussão acerca da falta de políticas públicas voltadas para a regularização fundiária em Cuiabá. Este artigo tem como objetivo compreender o processo de ocupação do loteamento Quarta Feira. Palavras-chave: ocupação irregular, regularização fundiária, loteamento Quarta-Feira.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJ
ROADDRJI

PERIÓDICOS CAPES

 

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.