IDENTIFICAÇÃO DE MANGUE, SALGADO E APICUM ATRAVÉS DA INTERPRETAÇÃO VISUAL DE IMAGENS LANDSAT: EVOLUÇÃO MULTITEMPORAL DA PLANÍCIE FLUVIOMARINHA DO RIO COREAÚ/CE

Liliana Maria Mota de Oliveira

Resumo


As imagens do satélite Landsat são ótimos produtos de Sensoriamento Remoto e sua interpretação visual é ferramenta a ser considerada na identificação dos ambientes componentes da planície fluviomarinha. O objetivo deste artigo é realizar mapeamentos temporais da planície fluviomarinha do rio Coreaú, uma área que abrange os municípios de Camocim e Granja, localizados na costa oeste do estado do Ceará pertencente ao nordeste do Brasil, quantificando os ambientes de interesse, quais sejam: mangue, salgado, apicum, salinas e carcinicultura, além das áreas ocupadas por água, realizando um comparativo entre esses mapeamentos. Utilizaram-se imagens dos satélites Landsat 5 e 8, para os anos 2000, 2008 e 2016, as quais passaram pelas etapas do Processamento Digital de Imagens para serem utilizadas nos levantamentos propostos, realizados com o software ArcGIS, versão 10. Na comparação entre os três mapeamentos se obteve um saldo positivo de mangue de 140,30ha, um saldo negativo de salgado de 80,20ha e um saldo negativo de 334,81ha de apicum. Registrou-se ainda um salto na ocupação da área mais externa da planície pela atividade de carcinicultura, que entre os anos 2008 e 2016 quase dobrou o quantitativo de área ocupada por esta atividade.



Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJ
ROADDRJI

PERIÓDICOS CAPES

 

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.