UM QUILOMBO EM MOVIMENTO: TERRITORIALIDADE E ATUAÇÃO POLÍTICA DA COMUNIDADE DO ROSA, MACAPÁ (AP)

David Junior de Souza Silva, Eguimar Felício Chaveiro

Resumo


Este artigo tem como objetivo a abordagem da territorialidade da comunidade remanescente quilombola do Rosa, localizada na zona rural da cidade de Macapá, estado do Amapá. A problemática está na análise da transformação da territorialidade do Rosa iniciada no seu processo de autoidentificação como comunidade remanescente quilombola. A metodologia de pesquisa consiste em etnografia junto à comunidade, realizada ao longo de 2017. O conceito recrutado para subsidiar a análise é o de territorialidade, tal como desenvolvido por Alex Ratts. A transformação identitária vivida pelo grupo no processo de reconhecimento como quilombola implica constitutivamente uma alteração na territorialidade. A razão de ser desta territorialidade é a garantia efetiva da cidadania étnica da comunidade. Como resultados identificamos que na territorialidade do Rosa há alianças de caráter político propriamente dito, de caráter festivo-emotivo-identitário, de caráter material-econômico. A formação destas alianças dá condição de possibilidade para ações políticas de maior envergadura, maior força e maior impacto político.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJ
ROADDRJI

PERIÓDICOS CAPES

 

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.