AS PAISAGENS DO MEDO DAS ARMAS NUCLEARES NA CULTURA MIDIÁTICA ESTADUNIDENSE E JAPONESA

Mário Marcello Neto

Resumo


O medo é algo volátil, inesperado, invisível e as suas reações a ele são da mais pura subjetividade possível. No
entanto, o medo não deixa de ser algo que pode ser controlado, construído e manipulado. Este trabalho pretende
discutir como as paisagens do medo (TUAN, 2005) são construídas pela cultura da mídia (KELLNER,2001)
estadunidense e japonesa, no que diz respeito as armas nucleares. Essas paisagens do medo das armas nucleares
são objeto de estudo neste artigo, uma vez que estas desvelam algo peculiar que o medo das armas nucleares
gera nas populações humanas, que se divide no dilema entre: a extinção da humanidade e o perigo da radiação. A
partir de um estudo pormenorizado do mangá “Gen – pés-descalços” de Keiji Nakazawa (sobrevivente da bomba
atômica de Hiroshima) é possível traçar uma reflexão a respeito da construção de topofobias e topocídios a partir
de elementos paisagísticos que não se diferem tanto de uma paisagem de guerra, mas se constituem
essencialmente diferentes como lugares a partir da presença da radiação ou do medo da extinção de suas vidas
pelas armas nucleares.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJ
ROADDRJI

PERIÓDICOS CAPES

 

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.