A ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA SUA RELAÇÃO COM O LETRAMENTO E A CULTURA DIGITAL

Daniel Cardoso Alves

Resumo


Sob o entendimento de letramento como prática social situada e de que o ensino da Geografia perpassa, prioritariamente, por uma concepção plural e ampliada do termo linguagem,  que o conecta aos novos campos de estudo e às novas perspectivas sobre letramento e seus componentes, este artigo objetiva problematizar a concepção de alfabetização cartográfica na sua relação com a cultura digital como forma de se repensar as reconfigurações pelas quais passa o processo de ensino e de aprendizagem da Cartografia e dos seus recursos elementares, em especial o mapa temático. Para compreendermos um tipo específico de leitura, a cartográfica, nos ancoramos em teóricos que possibilitaram a aproximação das discussões sobre linguagem cartográfica com a perspectiva histórico-cultural e geográfica assumida pelos estudos sobre letramento multimodal e o seu papel na abordagem dos multiletramentos. A pesquisa, nesse sentido, se caracteriza como uma revisão de literatura. Concluímos defendendo que a Gramática do Design Visual (GDV) tem muito a contribuir para a compreensão do processo de letramento a partir dos recursos próprios da ciência geográfica, como no caso dos mapas temáticos, que se constituem, na concepção de Moreira (2007), como o repertório mais conspícuo de representação e leitura do mundo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJ
ROADDRJI

PERIÓDICOS CAPES

 

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.