Os Instrumentos de “Resistencia” da Feira Livre do Cordeiro Frente às demais Formas Comerciais na (Re)Produção Espacial

Rogério Luiz Souto Cavalcanti

Resumo


As formas, as estruturas e os processos de atuação dos agentes socioespaciais têm exigido dos cientistas humanos e sociais (geógrafos, historiadores, urbanistas, sociólogos, economistas, antropólogos, entre outros) novas formas de entender as ações destes agentes socioespaciais no tecido urbano. Diante desta perspectiva, este estudo foca a dinâmica contemporânea da Feira Livre do Cordeiro, zona Oeste da cidade do Recife-PE, como um espaço de “resistência” comercial na (re)produção do espaço urbano, tecendo uma reflexão sobre os mecanismos de atuação dos feirantes diante das transformações e requalificações dos mercados “modernos” (hiper e supermercados) na economia capitalista globalizada sob a lógica do capital (comercial, financeiro, imobiliário, industrial etc.) no espaço intraurbano recifense. A metodologia utilizada para a reflexão a seguir foi amparada em leituras teórica acerca das feiras livres na lógica capitalista, como a aproximação do objeto de pesquisa por meio de trabalhos de campo com o intuito de interagir e compreender as formas de “resistir” dos feirantes na frente às demais formas comerciais, especialmente os supermercados.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

  

Dialnet

 

 

 

 

Revista MOVIMENTOS SOCIAIS E DINÂMICAS ESPACIAIS

Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Telefone: +55 (81)2126-7372; E-mail: revistamsde@gmail.com

Recife - Pernambuco - Brasil

 

 Licença Creative Commons

 A Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais foi licenciada com uma Licença Creative Commons