A apropriação mercadológica da natureza na produção do espaço pelo turismo de segunda residência em Gravatá - PE

Mariana Rabêlo Valença

Resumo


Para as atividades turísticas, o espaço geográfico e toda natureza incorporada a ele, esta última enquanto raridade torna-se objeto de desejo e consumo. Nas últimas décadas, o município de Gravatá-PE vem passando por grandes transformações no seu espaço para atender às atividades turísticas e a existência de segundas residências, em que pessoas se dirigem em busca do descanso e lazer, numa relação mais próxima a natureza, realizando o seu trabalho nessa sociedade de classes. Sendo assim, este trabalho discute a questão da apropriação mercadológica da natureza na produção espacial através do mercado imobiliário, que atende o turismo de segunda residência. Em Gravatá, a produção espacial relaciona-se a fetichização do seu espaço através da ideia de Suíça Pernambucana, que possibilita a divulgação de seus atributos e da comercialização de seus empreendimentos, processo evidenciado pela publicidade que anuncia a experiência de viver na natureza, como atrativo de consumidores. Paga-se caro para estar perto da natureza, reafirmando uma tendência de fuga dos grandes centros urbanos em busca de qualidade de vida.

 


Palavras-chave


Natureza; Mercadoria; Turismo; Segunda residência

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

  

Dialnet

 

 

 

 

Revista MOVIMENTOS SOCIAIS E DINÂMICAS ESPACIAIS

Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Telefone: +55 (81)2126-7372; E-mail: revistamsde@gmail.com

Recife - Pernambuco - Brasil

 

 Licença Creative Commons

 A Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais foi licenciada com uma Licença Creative Commons