Megaempreendimentos. Fixos e fluxos em sintonia?

Maria do Carmo de Albuquerque Braga, Marny Pessoa de Araújo

Resumo


Este artigo objetiva evidenciar o descompasso entre os processos de planejamento e gestão urbanos, em Pernambuco, em função dos grandes investimentos econômicos promovidos pelo Governo do Estado, induzindo o surgimento de megaempreendimentos imobiliários, sob a justificativa do desenvolvimento para a Região Metropolitana do Recife. Com isso, propõe-se refletir sobre o tema planejamento x gestão, abordando o conceito megaempreendimento que tem sido trabalhado pela academia, mas que vem sendo utilizado pela mídia como bairro planejado ou cidade planejada. Assim, o artigo terá como base os seguintes procedimentos metodológicos: (1) apresentar a contextualização do tema em função do que vem ocorrendo, em termos de investimentos governamentais, em Pernambuco, como Cidade da Copa e Polo Farmacoquímico; (2) resgatar, de forma breve, conceitos e teorias de autores relativos ao processo de planejamento; (3) apresentar os últimos empreendimentos imobiliários anunciados pela mídia, que estão sendo e/ou serão implantados na região, tendo a maioria como apelo a sustentabilidade, com base em um desenvolvimento equilibrado. Por fim, discute-se a evidência do descompasso identificado, induzindo-se a uma reflexão sobre uma forma de planejar espaços urbanos para a região, com implicações para sua gestão.

Palavras-chave


Planejamento; Gestão; Megaempreendimentos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

  

Dialnet

 

 

 

 

Revista MOVIMENTOS SOCIAIS E DINÂMICAS ESPACIAIS

Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Telefone: +55 (81)2126-7372; E-mail: revistamsde@gmail.com

Recife - Pernambuco - Brasil

 

 Licença Creative Commons

 A Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais foi licenciada com uma Licença Creative Commons