Mobilidade espacial de galerias de arte portuguesas e seus artistas nas feiras internacionais de arte

Leandro Gabriel

Resumo


A questão chave da arte contemporânea atual é a notável expansão da sua circulação e as implicações que esse desenvolvimento tem em termos culturais, sociais e económicos, comprovado por um mercado da arte global. Sabendo que muitos agentes culturais têm um conhecimento imperfeito da geografia deste mundo da arte, este artigo revela algumas rotas artísticas portuguesas, tanto de galerias de arte como de artistas. O entendimento desta geografia poderá ser a base da produção de novas dinâmicas espaciais dentro do setor cultural e artístico, projetando-se a possibilidade de uma mudança nas condições sociais e laborais dos artistas. Ilustra-se o exemplo da participação portuguesa na feira Arco’Madrid 2014. É objeto de análise os artistas que aproveitam estes eventos para fortalecer a sua carreira profissional. A base de dados geográfica foi construída com recurso a dezenas de catálogos de arte e pesquisa intensiva nos websites das múltiplas feiras de arte. A nossa argumentação baseia-se na importância que a mobilidade espacial tem como condição prévia para o desenvolvimento artístico e valorização da carreira artística.

Palavras-chave


Mobilidade espacial; artistas; galerias de arte; feiras de arte contemporânea

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

  

Dialnet

 

 

 

 

Revista MOVIMENTOS SOCIAIS E DINÂMICAS ESPACIAIS

Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Telefone: +55 (81)2126-7372; E-mail: revistamsde@gmail.com

Recife - Pernambuco - Brasil

 

 Licença Creative Commons

 A Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais foi licenciada com uma Licença Creative Commons