O Movimento Negro e as Revoluções de 1968: uma análise da relação e ressignificação do negro e o histórico do movimento no Brasil

Mariana Morena Pereira

Resumo


As Revoluções de 1968 foram um divisor de águas na forma como os movimentos sociais se organizam e se mobilizam ao redor de todo o mundo. O surgimento de novas tecnologias promoveu a difusão de táticas de mobilização e pautas contestatórias. Nesse sentido, a partir de 1968, se dá início um processo de revolução não só no ambiente social e institucional, mas também nos modelos cognitivos dos indivíduos. O movimento negro nos Estados Unidos, em especial, possui papel primordial na difusão de táticas contestatórias na sociedade estadunidense em resposta ao sistema de segregação institucionalizada. O presente artigo tem como objetivo analisar o papel que o movimento negro dos EUA iniciado em 1968 teve no Brasil. Observa-se que, apesar de tardio, os protestos sociais chegam ao Brasil e transformam profundamente a comunidade negra e a forma como esta se enxerga na sociedade, possibilitando mudanças estruturais do Estado brasileiro no que tange o reconhecimento de estruturas discriminatórias e na promoção de políticas públicas para a população afrodescendente.  


Palavras-chave


Movimento Negro; Revoluções de 1968; Movimentos Sociais; Brasil

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

          

         

    

 

 

 

 

REVISTA MOVIMENTOS SOCIAIS E DINÂMICAS ESPACIAIS (ISSN: 2238-8052)

Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente

Departamento de Ciências Geográficas, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Cidade Universitária, Av. Prof. Moraes Rego, n. 1235, CEP: 50670-901, Recife, Pernambuco, Brasil

Tel.: +55 (81)2126-7369

E-mail: revistamsde@gmail.com

 

 Licença Creative Commons

 A Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais foi licenciada com uma Licença Creative Commons