AFROCENTRICIDADE E EDUCAÇÃO: UM LEGADO EPISTÊMICO PARA AS PESQUISAS EDUCACIONAIS

Cledson Severino de Lima, Maria da Conceição dos Reis, Delma Josefa da Silva

Resumo


Introdução: A Lei nº 10.639/2003, que complementou a Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional é o reconhecimento do Estado Brasileiro das lutas históricas do movimento social negro por educação. Tornou obrigatório que no currículo nacional, de escolas públicas e privadas, fossem incluídos conteúdos referentes às experiências sócio-política econômica e cultural africana e afro-brasileira. Buscando compreender os impactos dessa lei na vida dos estudantes negros e negras a partir de um olhar afrocentrado, estamos desenvolvendo uma pesquisa em nível de Mestrado, no Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE/UFPE, que procura identificar como a teoria da afrocentricidade se faz presente na história de vida de estudantes negras e negros na educação. Para o texto, ora exibido, o objetivo é apresentar o estado da arte de pesquisas em programas de pós-graduação em educação, a partir da Teoria da Afrocentricidade. Buscamos responder a seguinte questão: Em que medida a Teoria da Afrocentricidade está presente nas pesquisas em educação? O pensamento africano ocupa centralidade no nosso aporte teórico e nos referenciamos em Asante (2009), que apresenta a Teoria da Afrocentricidade como proposta epistêmica que procura encarar quaisquer fenômenos através de uma devida localização, promovendo a agência dos povos africanos em prol da liberdade humana. Conforme Asante (2009), toda a produção que não atende aos interesses eurocêntricos é marginalizada. Não menos importante é sublinhar que não se deve considerar afrocentricidade, necessariamente, sinônimo da assunção de alguns costumes africanos. “Pode-se praticar os usos e costumes africanos sem por isso ser afrocêntrico” (Idem, p.94). Portanto esta abordagem reconhece as pessoas negras enquanto sujeitos epistêmicos. Os resultados apontam a ínfima presença da Teoria da Afrocentricidade nos estudos que abordam a educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ASANTE, Molefi. Afrocentricidade como um novo paradigma In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. Tradução Carlos Alberto Medeiros. São Paulo: Selo Negro, 2009.

BENEDICTO, Ricardo Matheus. Afrocentricidade, Educação e Poder: Uma crítica Afrocêntrica ao Eurocêntrismo no Pensamento Educacional Brasileiro. Tese (doutorado) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. Tradução Carlos Alberto Medeiros. São Paulo: Selo Negro, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)