ARTETERAPIA-EDUCAÇÃO: TECENDO SENTIDOS ENTRE VIVÊNCIA E REENCANTAMENTO

Maira Bruce Valença, Flávio H. A. Brayner, Ana Márcia Luna Monteiro

Resumo


Resumo: Esta pesquisa buscou tecer um diálogo entre a metodologia teórico-vivencial observada e analisada em uma das turmas de uma Formação em Arteterapia no Recife, a “Formação em Arteterapia e Linguagens Corporais da Traços-PE” e a ideia de reencantamento da educação, a fim de perceber a importância de um fazer significativo e afetivo em sala de aula para a efetiva incorporação dos saberes pelos estudantes. Para isso, foram considerados o registro, em relatórios de monitoria, das vivências ocorridas na turma analisada, que aconteceu entre 2014 a 2016, assim como os depoimentos destas alunas e das coordenadoras, também professoras da formação e supervisoras dos processos de estágio da turma. A abordagem epistemológica da pesquisa se pauta na teoria da complexidade, tendo em vista que a própria Arteterapia é um campo transdisciplinar, um campo que “tece junto” teorias e áreas do saber para compor sua práxis.

Texto completo:

PDF

Referências


ARALDI, Lilian Cordeiro. Vivência em Arteterapia. In: Revista Imagens da Transformação. Vol.12. Rio de Janeiro: Pomar, 2006.ASSMANN, Hugo. Reencantar a Educação: rumo à sociedade aprendente. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

BYINGTON, Carlos Amadeu B. Pedagogia Simbólica: a construção amorosa do conhecimento de ser. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1996.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)