ENTRE MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS: AS SENSIBILIDADES E OS MODOS DE DIZER AS RELAÇÕES ESPACIAIS NO RECIFE DE 1817 E NOSSOS DIAS

Jéssica Dayane do Nascimento, Josineide Soares de Lima, Maria Thereza Didier de Morais

Resumo


Este trabalho é o resultado das atividades desenvolvidas pelas alunas do curso de Pedagogia, na subárea de História, sob a orientação da Professora Maria Thereza Didier de Moraes, em uma turma do 5º ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Darcy Ribeiro localizada no bairro do Cordeiro, Recife - PE, durante o segundo semestre do ano letivo de 2016, vinculado ao Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). No decorrer das atividades realizadas na escola, foi possível observarmos o enriquecimento do conhecimento histórico e desenvolvimento do pensamento crítico-reflexivo dos estudantes, que passaram a olhar a cidade de uma forma mais questionadora e se colocarem como sujeitos construtores de história.

Texto completo:

PDF

Referências


BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. In Revista Brasileira da Educação. Nº. 19. Jan/Fev/Mar/Abr. Rio de Janeiro: ANPED, 2002.

CARVALHO, Marcus J. M. de. Rumores e rebeliões: estratégias de resistência escrava no Recife, 1817-1848. Tempo, Vol. 3 - n° 6, Dezembro de 1998.

FRANÇA, Wanderson Édipo de. GENTE DO POVO EM PERNAMBUCO: da Revolução de 1817 à Confederação de 1824. Clio - Revista de pesquisa histórica - nº 33.1, maio de 2015.

SKLIAR, Carlos. Intuições do poético. Uma poética para a educação. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Número 23: nov/2014-abr/2015, p. 224-238.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)