JUVENTUDES: PRÁTICAS FORMATIVAS NO ESPAÇO ESCOLAR

Leilane Bezerra da Silva

Resumo


Introdução: Esta pesquisa objetiva identificar se o cotidiano na sala de aula tem favorecido ou limitado a formação dos jovens, perceber a expressão do modo de ser jovem e observar se as práticas curriculares na sala de aula possibilitam ou se afastam da condição da identidade juvenil. O interesse pela temática surgiu a partir da participação no grupo de pesquisa sobre Juventude, Trabalho e Educação, vinculado ao Programa Observatório da Educação (OBEDUC). E da experiência na disciplina eletiva homônima.

Texto completo:

PDF

Referências


CARRANO, P. Identidades culturais e escolas: arenas de conflitos e possibilidades, 2008. In: Sujeito, cultura e contemporaneidade. UEPB, 2013. (Coletânea De Textos Didáticos - Módulo 3). DAYRELL,J. T., A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. In: Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100 - Especial, p. 1105-1128, out. 2007. SPOSITO, M. P. Algumas reflexões e muitas indagações sobre as relações entre juventude e escola no Brasil. ABRAMO, H. W.; Branco, P.P.M. Retratos da juventude brasileira: análises de uma pesquisa nacional. São Paulo: Instituto Cidadania; Fundação Perseu Abramo, 2005. p.87- 128. LEÃO, G.; DAYRELL, J.; REIS, J.B., Jovens olhares sobre a escola do ensino médio. In. Cad. CEDES vol.31 n.84 Campinas May/Aug. 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Semana  Pedagógica ISSN 2595-1572 (on line)