Auditoria interna: Uma análise da implantação em uma Instituição Privada de Serviço de Saúde (Hospital)

Jessica Lopes de Macena, Cleyse Phaine Jordão, Jose Lindenberg Julião Xavier Filho

Resumo


Considerando a importância do controle para a manutenção das organizações em período de crises e turbulências econômicas, esta pesquisa tem por
objetivo descrever quais as principais dificuldades na implantação de auditoria interna. Para a realização deste estudo adotou-se o método de pesquisa estudo
de caso único, realizado numa organização hospitalar de médio porte. A escolha do caso teve por base a relevância da organização na oferta de serviços de
saúde no município de Garanhuns e região do agreste pernambucano e, como critério principal, a empresa implantou recentemente o departamento de auditoria interna. Os procedimentos de coleta de material empírico contaram com aplicação de entrevista com a auditora chefe, análise documental e anotações de campo durante a entrevista. Os resultados mostram que a auditoria interna foi motivada por reduções de glosas, indicando claramente o ímpeto econômico motivador da mudança na estrutura da organização. Como principais dificuldades foi percebida a falta de um planejamento sistemático com métricas para os trabalhos de auditoria, a falta de capacitação constante e a dificuldade em lidar com quadros funcionais antigos na instituição


Texto completo:

PDF

Referências


Allen, M. W., Ng, S. H., & Wilson, M. (2002). The functional approach to instrumental and terminal values and the value-attitude-behavior system. European Journal of Marketing, 36(1/2), 111-135.

Attie, W. (1992). Auditoria Interna. São Paulo: Atlas.

Bichanga, C. A. (2000). Gerenciamento de custos através de avaliações de cobranças e sua efetividade. Anais do Encontro Técnica- Científico de Enfermagem (ENFTEC), São Paulo, SP, Brasil, 7.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 5 Out.

Brasil. (1990). Lei n° 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 20 Set.

Fayol, H. (2009). Administração Industrial e Geral: Previsão, organização, comando, coordenação e controle. 10 ed. São Paulo: Atlas.

Flyvbjerg, B. (2011). Case study. In: Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (Eds.). The Sage handbook of qualitative research. 4 ed., p. 301-317. Thousand Oaks: Sage Publications.

Fontinele Junior, K. (2002). Administração Hospitalar. Goiânia (GO): AB Editora.

Gerenutti, E., & Prado Neto, J. A. (2012). As Dificuldades para Implantação das Boas Práticas de Fabricação (BPF) em uma Indústria de Produtos Médicos. Revista Acadêmica Oswaldo Cruz. Recuperado de http://www.revista.oswaldocruz.br/Content/ pdf/Elisa%20Gerenutti.pdf.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Goto, D. Y. N. (2001). Instrumento de auditoria técnica de conta hospitalar mensurando perdas e avaliando a qualidade da assistência. (Monografia de Especialização em Projetos assistenciais de Enfermagem). Universidade Federal do Paraná. Departamento de Enfermagem. UFPR: Curitiba/PR.

Lélis, D. L. M., & Pinheiro, L. E. T. (2012). Percepção de Auditores e Auditados sobre as Práticas de Auditoria Interna em uma Empresa do Setor Energético. Revista de Contabilidade e Finanças, 23(60), p. 212- 222.

Lorenzetti, J., Lanzoni, G. M. M., Assuiti, L. F. C., Pires, D. E. P., & Ramos, F. R. S. (2014). Gestão em Saúde no Brasil: Diálogo com Gestores Públicos e Privados. Texto e Contexto Enfermagem, 23(2), p. 417-425.

Marion, J. C. (2009). Contabilidade Básica. Atlas, 10 ed. São Paulo/SP.

Medeiros, U. V., & Andrade, J. M. V. (2007). Guia de estudo de auditoria. Apostila do curso de especialização em odontologia do trabalho. São Paulo: Faculdade de odontologia São Leopoldo Mandic, Mundi Brasil.

Mezomo, J. C. (2001). Gestão da Qualidade na saúde: Princípios Básicos. Barueri (SP): Manole.

Ministério da Saúde (DENASUS). (2004). Manual de glosas do sistema nacional de auditoria. Brasília (DF): Brasil.

pereira filho, L. T. (1999). Iniciativa Privada e Saúde. Estudos Avançados, 13(35), p. 109- 116.

Pforr, C., & Hosie, P. J. (2008). Crisis Management in Tourism. Journal of Travel & Tourism Marketing, 23, p. 249-264.

Pinho, R. C. S. (2007). Fundamentos de auditoria: auditoria contábil e outras aplicações de auditoria. São Paulo: Atlas.

Porter, M. E. (1992). Vantagem competitiva: Criando e sustentando um desempenho superior. 5 ed. Rio de Janeiro(RJ): Campus.

Robbins, S. P., Decenzo, D. A., & Wolter, R. M. (2014). A nova administração. São Paulo: Saraiva.

Rodrigues, V. A., Perroca, M. G., & Jericó, M. C. (2004). Glosas hospitalares: importância das anotações de enfermagem. Revista Arquivos de Ciências da Saúde, 11(4), p. 210-214.

Santana, G. (2000). Administração de Crises: Um novo paradigma. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (EnANPAD), Florianópolis, SC, Brasil, 24.

Santos, I. S., Ugá, M. A. D., & Porto, S. M. (2008). O mix público-privado no Sistema de Saúde Brasileiro: financiamento, oferta e utilização

de serviços de saúde. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 13(5), p. 1431- 1440.

Instituto dos Auditores Internos do Brasil (IIA). (2015). Carta Aberta à População: Manifesto. Recuperado de http://www.iiabrasil.org.br/new/valordaauditoria/manifesta.pdf.

Instituto dos Auditores Internos do Brasil (IIA). (2013). O valor da auditoria interna para as partes interessadas. Recuperado de http://www.iiabrasil.org.br/new/valordaauditoria/Valor2013.pdf.

Scaparo, A. F., & Ferraz, C. A. (2005). Auditoria em enfermagem: identificando sua concepção e métodos. Revista Brasileira de Enfermagem, 16(3), p. 302-305.

Souza, A. A., Amorim, T. L. M., Guerra, M., & Ramos, D. R. (2008). Análise dos Sistemas de Informações de hospitais da cidade de

Belo Horizonte/MG. In: Congresso Internacional de Gestão de Tecnologia e Sistemas de Informação (CONTECSI), V, 4- 6 Jun., São Paulo/SP.

Souza, N. C., Souza, A. A., & Cruz, N. G. (2011). Sistema de controle interno em organizações hospitalares. In: Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), Belo Horizonte, MG, Brasil, 31.

Trkman, P. (2010). The critical sucess factores of business process management. International Journal of Information Management, 30, p

-134.

Weick, K., E. (1987). Organizational Culture as a Source of High Reliability. California Management Review, 24(2), p. 112-127.

Wright, P., Kroll, M., & Parnell, J. (2000). Administração Estratégica: Conceitos. São Paulo: Atlas.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: Planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman.

Zimmerman, A. (2013). Hospital Evangélico de Curitiba afasta 47 funcionários da UTI. Recuperado de http://g1.globo.com/jornalhoje/

noticia/2013/02/hospital-evangelicode-curitiba-


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.