As Perspectivas de Carreira Observadas sob a Ótica dos Talentos da Geração “Z”

Antonio Cavalcante Trindade, Adla Thailly Gomes Guimarães

Resumo


O presente estudo tem o objetivo de conhecer as perspectivas da geração z em relação à construção da carreira profissional no mercado de trabalho, levando em consideração as variáveis mais relevantes do perfil comportamental desses indivíduos. Com uma metodologia descritiva, através de um questionário estruturado, a pesquisa foi realizada na FACAPE com 125 estudantes dos cursos de graduação oferecidos pela instituição, que possuem idade de 17 a 23 anos e fazem parte da geração z. Essa pesquisa apontou que as atuais gerações se diferenciam das demais devido à atenção deliberada à tecnologia e ao uso desta ferramenta como meio principal para o desempenho das atividades. Esse diferencial deve ser percebido pelas organizações de modo a viabilizem um ambiente potencializador desse repertório de novidades em favorecimento da carreira destes profissionais, a melhoria dos resultados com gestão, gerando efeitos produtivos na relação entre a organização e colaboradores.


Palavras-chave


Geração Z; Carreira profissional; Gestão de pessoas.

Texto completo:

PDF

Referências


Balassiano, M., & Costa, I. S. A. (2006). Gestão de Carreiras: dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas.

Bastos, A. V. B. (1997). A escolha e o comprometimento com a carreira: estudo entre profissionais e estudantes de administração. Revista da Administração, 32(3),12.

Bjorkquist, D. C., & Lewis, T. (1994). A model for training research from the worker ́s perspective. Human Resource Development Quarterly, 5 (2), 111-130 In Ascensão, C. (2009). Práticas de gestão de carreira, acolhimento e integração e empenho organizacional: Estudo de caso no sector do pós-venda automóvel (Dissertação de Mestrado). Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Carrara, T. M. P., Nunes, S. C., & Sarsur, A. M. (2013). Retenção de talentos de diversas gerações em um mesmo contexto organizacional. In Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração ENANPAD 2011, Brasília.

Chanlat, J. F. (1995). Quais carreiras e para qual sociedade? Revista de Administração de Empresas, 35(6), 67-75.

Cavazotte, F. S. C. N., Lemos, A. H. C, & Viana, M. D. A. (2012). Novas gerações no mercado de trabalho: expectativas renovadas ou antigos ideais? Cadernos EBAPE.BR, 10(1),162–180. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cadernosebape/article/viewFile/5251/3985.

Conger, J. (1998). Quem é a geração X? HSM Management, 11, 128-138.

Cordeiro, H. T. D. (2012). Perfis de carreira da geração Y (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-07112012-201941/pt-br.php.

Dutra, J. S. (1996). Administração de carreira: uma proposta para repensar a gestão de pessoas. Sao Paulo: Atlas.

Dutra, J. S. (2002). Gestão de pessoas: modelos, processos tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas.

Forquin, J-C. (2003). Relações entre gerações e processos educativos: transmissões e transformações. Anais do Congresso Internacional Co-Educação de Gerações, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://www.sescsp.org.br/sesc/images/upload/conferencias/83.rtf.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projeto de pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Hall, D. T., & Moss, J. E. (1999). The new protean career contract: Helping organizations and employees adapt. Organizational dynamics, 26(3), 22-37.

Higgins, M. C., & Thomas, D. A. (2001). Constellations and careers: toward undestanding the effects of multiple developmental relationships. Journal of Organizational Behavior, 22, 223-247.

Kilimnik, Z. M., Sant’anna, A. S., Oliveira, L., & Barros, D. (2011). Evolução das âncoras de carreira, imagens e trajetórias de carreiras: um estudo com profissionais de administração. In Kilimnik, Z. (org) (2013). Transformações e transições nas carreiras: estudos nacionais e internacionais sobre o tema. Rio de Janeiro: Qualitymark. In Ribeiro, R. P. D. (2013). Carreiras proteanas e sem fronteira e as âncoras de carreira: percepções e escolhas profissionais de empregados de hospital privado de Belo Horizonte, BH, Brasil. Recuperado de http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/Administracao_RibeiroRP_1.pdf.

Leal, J. S. (2013). As práticas de gestão de carreiras e o comprometimento organizacional: um estudo com trabalhadores residentes em Portugal (Dissertação de Mestrado). Universidade de Lisboa, Portugal.

Lipkin, N., & Perrymore, A. (2010). A. A geração y no trabalho. Rio de janeiro: Campus, 2010.

London, M. (2002). Organizational assistance in career development. In Feldman, D. C. (ed.), Work careers: A development perspective, San Francisco, CA: Jossey-Bass, 323-345.

Lopes, J. (2006). O fazer do trabalho científico em ciências sociais aplicadas. Recife: Ed. Universitária, UFPE.

Martins, H. T. (2001). Gestão de carreiras na era do conhecimento: abordagem conceitual e resultados de pesquisa. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Melo, L. (2014). As características que definem o emprego dos sonhos. Revista Exame. São Paulo. Recuperado de https://exame.abril.com.br/negocios/12-caracteristicas-da-empresa-dos-sonhos/.

Mendes, T. (2012). Geração Y: Forjada pelas novas tecnologias. RBA – Revista Brasileira de Administração, 91, 52-54.

Merhi, D. Q., Silva, A., Jr., Silva, P. O. M., & Silva, A. R. L. (2010). Carreiras e processo sucessório na empresa familiar: Uma Análise à Luz da Teoria Psicanalítica, In Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação em Administração, EnANPAD, 34, Rio de Janeiro.

Motta, P. R. (2006). Reflexões sobre a customização das carreiras gerencias: a Individualidade e a Competitividade Contemporâneas. In Balassiano, M., & Costa, I. Gestão de Carreiras: Dilemas e Perspectivas. Editora Atlas, São Paulo, 2006.

Peres, J. L. P. (2011). Gestão de carreiras: Uma questão de autoconhecimento. Congresso Brasileiro de Administração. São Paulo, 1-18. Recuperado de http://www.convibra.org/upload/paper/adm/adm_2621.pdf.

Prestes, M. L. M. (2003). A pesquisa e a construção do conhecimento científico: do planejamento aos textos, da escola à academia (2a ed.). São Paulo: Rêspel.

Queiroz, D. C. (2012). Estratégia de remuneração e planos de carreiras, ferramentas para o desenvolvimento do colaborador e crescimento da organização. (TCC). Universidade de Tuiuti, 2012.

Robbins, S. P., Judge, T. A., & Sobral, F. (2010). Comportamento organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro (14a ed.) São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Robbins, S. P. (2003). Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo, SP: Saraiva.

Rosa, M. V. F. P. C., & Arnoldi, M. A. G. C. (2006). A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismos para a validação dos resultados. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Schein, E. H. Career Anchors: Discovering Your Real Values. San Diego: Pfeiffer & Company, 1993. In Lopes, K. P. S. (2008). Trajetória profissional e âncoras de carreira de executivos de uma instituição bancária (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Bahia. Escola de Administração.

Silva, R. C., Freitas, C. A. F. D., Silva, M. T. G., Krakauer, P. V. C., & Marinho, B. L. (2011). Carreiras: novas ou tradicionais? Um estudo com profissionais brasileiros. In Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração ENANPAD 2011 (p. 35), Rio de Janeiro.

Stoltz, K. B., Wolff, L. A., Monroe, A. E., Mazahreh, L. G., & Farris, H. R. (2013). Adaptability in the Work Life Task: Lifestyle, Stress Coping, and Protean/Boundaryless Career Attitudes. Journal of Individual Psychology, 69(1). In Alvarenga, M. A., Bizarrias, F. S., & Freitas, A. D. G. (2013) Carreira sem fronteira e carreira proteana: O papel das atitudes de maturidade na carreira de estudantes universitários.

Oliveira, S. R., Piccinini, V. C., Bitencourt, B. M. (2012). Juventudes, gerações e trabalho: é possível falar em geração Y no Brasil? Organizações & Sociedade, 19(62), 551-558.

Tapscott, D. A hora da geração digital. Rio de Janeiro: Agir, 2010.

Trindade, R. (2010). Entrevista concedida a Fábio Turci. São Paulo, 15 nov. In Turci, F. Gerações apresentam diferentes perspectivas e metas profissionais. Jornal O Globo. São Paulo. Recuperado de http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2010/11/geracoes-apresentam-diferentes-perspectivas-e-metas profissionais.html.

Tulgan, B. O que todo jovem talento precisa aprender. Rio de Janeiro: Sextante, 2017.

Vilela, A., Jr., & Demajorovic, J. (Orgs.). (2006). Modelos e ferramentas de gestão ambiental: desafios e perspectivas para as organizações. São Paulo, SP: SENAC.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.