Sustentabilidade Econômica em Empresas de Agronegócio da Região Integrada de Desenvolvimento Econômico Polo Petrolina/PE e Juazeiro/BA

Antonio Cavalcante Trindade, Waléria Guerreiro Lima

Resumo


A importância de se identificar formas de mensuração da sustentabilidade organizacional é essencial para a sobrevivência das empresas. Este artigo tem por objetivo identificar o nível de sustentabilidade econômica existente nas empresas do nicho do agronegócio da RIDE através de um modelo de avaliação da sustentabilidade das práticas de processos das competências organizacionais com critérios de eco eficiência e com os preceitos de uma economia equilibrada. A coleta dos dados foi através de um questionário estruturado validado pelo Alfa de Cronbach, cujo construto são as competências organizacionais (Competência Central, chave e de suporte), em quarenta e quatro empresas e buscando extrair o índice de sustentabilidade econômico dessas empresas. Foi observado que 36% das empresas são sustentáveis de nível 5, com sustentabilidade organizacional sinérgica e que só 11% das empresas atingiram o nível mais alto da sustentabilidade, ou seja, o nível 6 – sustentabilidade holística. Portanto, apesar das dificuldades ligadas ao segmento do agronegócio e intrínsecas da região do semiárido do nordestino, observa-se que agires das empresas têm gerado uma sustentabilidade consciente, demonstrando reflexos positivos da gestão das empresas.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, F. O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002. 208 p

ARAÚJO, C. Custos: um desafio para a gestão no agronegócio. Mackenzie Agrobusiness, p. 28 – 33, 2016.

BARBIERI, J. C. CAJAZEIRA, J. E. R. Responsabilidade social empresarial e empresa sustentável: da teoria à prática. São Paulo: Atlas, 2009

BRAGA, M. Tempo de Agir. São Paulo: Revista HSM Management. Edição Especial Sustentabilidade. Julho, 2011

BRASIL - MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO. Ministério da Integração Nacional. Secretaria de Desenvolvimento Regional, 2013. Disponível em Acesso em: 20 outubro 2017.

BROWN, Darrell; DILLARD, Jesse Dillard; MARSHALL, R. Scott. Triple bottom line: a business metaphor for a social construct. Universitat Autònoma de Barcelona. Departament d'Economia de l'Empresa, 2006

CLARO, Priscila B.O; CLARO, Danny P. Entendendo o conceito de sustentabilidade nas empresas, Revista Adm. São Paulo, dez.2008

DUTRA, J. S. (2008) Competências: Conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas.

DYLLICK, T.; HOCKERTS, K. Beyond the business case for corporate sustainability. Business Strategy and the Environment, v. 11, p. 130-141, 2002.

ELKINGTON, J. Cannibals with Forks - The Tipple Bottom Line of 21st Century Business. Capstone, 1999

Elkington, J. (2004). Enter the triple bottom line. In A. Henriques and J. Richardson (Eds.) The Triple Bottom Line, Does It All Add Up? Assessing the Sustainability of Business and CSR, London: Earthscan Publications Ltd.

FLEURY, Afonso. FLEURY, Maria Tereza Leme. Competência e Aprendizagem Organizacional. In: Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria Brasileira. – São Paulo: Atlas, 2008.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa (3a ed., J. E. Costa, Trad.). São Paulo: Artmed. 2009

Gliem, Joseph A. Gliem, Rosemary R Cronbach’s Calculating, Interpreting, and Reporting Cronbach's Alpha ... Midwest Research to Practice Conference in Adult, Continuing, and Community Education 2003

HELLER, Barbara, COSTA, Fátima. Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável nas entrelinhas do agronegócio: Globo Rural Especial. Líbero – São Paulo – v. 16, n. 32, p. 81-90, jul./dez. de 2013

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário Juazeiro BA e Petrolina PE, 2006

KRAJNC, D.; GLAVIC, P. A model for integrated assessment of sustainable development. Resources, Conservation and Recycling, v. 43, n. 2, 2005.

KROGH, G.; ROOS, J. A perspective on knowledge, competence and strategy. Personnel Review, v. 24, n. 3, p. 56-76, 1995

LABUSCHAGNE, C., Brent, A. C., & Van Erck, R. P. G. (2005). Assessing the sustainability performances of industries. Journal of Cleaner Production, 13(4), 373-385. http:// dx.doi.org/10.1016/j.jclepro.2003.10.007

LANDIM. MF Macedo, ALENCAR M. Tereza. O Agronegócio e a produção no espaço geográfico no semiárido: Petrolina (PE), na ambiência da ambivalência Rural/Urbano. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-graduação em Administração UFPI Universidade Federal do Piauí, 2012.

McCLELLAND, David C. Testing for Competence rather than Intelligence. American Psychologist, p. 1-14, jan. 1973.

MARTENS, M. L., Brones, F., & Carvalho, M. M. (2013). Lacunas e tendências na literatura de sustentabilidade no gerenciamento de projetos: uma revisão sistemática mesclando bibliometria e análise de conteúdo. Revista de Gestão e Projetos

MAGGI, B. Formação e competências para a mudança organizacional. São Paulo: EdgardBlücher, 2006

MILLS, J.; PLATTS, K.; BOURNE, M. RICHARDS, H. Competing through competences. Cambridge: Cambridge University Press, 2002

MUNCK, Luciano. Gestão da Sustentabilidade nas organizações um novo agir frente a lógica das competências. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

MUNCK Luciano, SOUZA Rafael Borim de. Responsabilidade social empresarial e sustentabilidade organizacional: a hierarquização de caminhos estratégicos para o desenvolvimento sustentável. REBRAE. Revista Brasileira de Estratégia, Curitiba, v. 2, n. 2, p. 185-202, maio/ago. 2009

OLIVEIRA, João Hélvio Righi de. M.A.I.S: Método para Avaliação de Indicadores de Sustentabilidade Organizacional. Florianópolis,2002. 217 p. Tese(Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa e Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC,2002.217 p.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The Core Competence of the Corporation. Harvard Business Review, p. 3- 15, May/June, 1990

RUAS, R., GUEDINE, T., DUTRA, J. S., BECKER, G. V., & DIAS, G. B. (2005). O conceito de competencia de A a Z: análise e vrevisão das priincipais publicações nacionais nentre 2000 e 2004. Em anais do 29º. Encontro da Associação Nacional de Pós Graduação e pesquisa em administração–EnANPAD. Brasilia: ANPAD

SANTOS, C. A. D. Pequenos negócios e desenvolvimento sustentável no Brasil. In: (ORGANIZADOR), C. A. D. S. Pequenos Negócios: Desafios e Perspectivas: Desenvolvimento Sustentável. Brasília: SEBRAE, 2010.

SAVITZ, A. W. (2006). The Triple Bottom Line: How Today’s Best-Run Companies Are Achieving Economic, Social and Environmental Success -- and How You Can Too. San Francisco: Editora John Willey & Sons.

SILVA, A. Cericatto, LIMA E.P. Carvalho, BATISTA, H. Rogê. A importância da soja para o agronegócio brasileiro: uma análise sob o enfoque da produção, emprego e exportação. APEC Associação dos Pesquisadores em economia, 2011.

SOUZA, R. B. de. O alinhamento entre sustentabilidade e competências em contexto organizacional. (2010). Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-graduação em Administração, Universidade Estadual de Maringá (UEM) / Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, 2010.

STEURER, R. et al. Corporations, stakeholders and sustainable development I: a theoretical exploration of business society relations. Journal of Business Ethics - 61: 263-281, 2005

TALIARINE, A.B. RAMOS, D.J. FAVORETTO, J.R. A importância da gestão do agronegócio brasileiro. Revista perspectiva, gestão e tecnologiav4 no. 8 2015

van MARREWIJK, M.; WERRE, M. Multiple levels of corporate sustainability. Journal of Business Ethics, New York, v. 44, p. 107-119, 2003b.

WOLFFENBÜTTEL, R. Floresta. Sustentabilidade e ação socioeconômica. A rede produtiva do plástico verde. Dissertação de (Mestrado em Sociologia) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2015).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.