Um Estudo Sobre Liderança Transformacional Feminina Numa Multinacional de Acumuladores Brasileira

Maria de Fátima dos Santos, Cleysson Ricardo Jordão Braga Dias, Luiza Cristina Jordão Braga Vilaça da Rocha

Resumo


Este estudo objetiva analisar empiricamente a liderança feminina no modelo transformacional, pela percepção de colaboradores que atuam num departamento de uma multinacional liderado por uma mulher. A empresa é conhecida no Brasil pela produção de acumuladores e atuação no exterior. Sendo assim, a partir da identificação de comportamentos que tornam possível a mensuração da liderança transformacional (Podsakoff, Mackenzie, Moorman, & Fetter, 1990), utilizou-se de um questionário para coletar dados sobre a importância dada pelos colaboradores a comportamentos que a líder deveria exercer no contexto organizacional. Os dados foram analisados estatisticamente e apontaram para resultados que podem contribuir para eficácia da liderança feminina neste estilo de organização. Na apresentação descritiva dos dados, foi possível concluir que os sete comportamentos indicados no modelo utilizado no estudo parecem adequados à expectativa dos colaboradores, sendo vistos com um grau de importância considerável.


Palavras-chave


Liderança; Liderança Feminina; Liderança Transformacional; Multinacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Adriano, B. M. (2015). Liderança em uma instituição de ensino superior: um estudo interpretativo (Dissertação de Mestrado). Universidade do Vale do Itajaí, Administração, Biguaçu, SC, Brasil.

Avolio, B. J., & Bass, M. B. (2004). Multifactor leadership questionnaire: Manual and sampler set (3rd ed.). Nebraska: Mind Garden.

Bass, B. M. (1998). Transformational leadership: industry, military, and educational impact. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum.

Bass, B. M., & Bass R. (2008). The Bass Handbook of Leadership: theory, research, and managerial applications. New York: Free Press.

Bergamini, C, W. (1994). Liderança: Administração do Sentido. São Paulo: Atlas.

Bergamini, C, W. (2008). Psicologia aplicada à administração de empresas: psicologia do comportamento organizacional. São Paulo: Atlas.

Brant, P. S. (2012). A relação entre líderes e membros (LMX), estilos de Liderança e seus impactos na Satisfação no trabalho (Dissertação de Mestrado). Universidade FUMEC, Programa de Pós Graduação em Administração, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Burns, J. M. (2010). Leadership. New York: Harpercollins Publichers.

Coelho, A. F. M. S. (2014). Liderança Feminina: O impacto dos estereótipos de gênero no acesso das mulheres aos cargos de liderança de topo (Dissertação de Mestrado). Universidade Católica Portuguesa, Lisboa, Portugal.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Cox, T. (1994). Cultural diversity in organizations: Theory, research, and practice. San Francisco: Berrett Koehler.

Dinh, J. E., Lord, R. G., Gardner, W. L., Meuser, J. D., Liden, R. C., & Hu, J. (2014). Leadership theory and research in the new millennium: current theoretical trends and changing perspectives. The Leadership Quarterly, 25, 36-62. Recuperado de https://www-sciencedirect-com.ez19.periodicos.capes.gov.br/science/article/pii/S1048984313001203.

Eagly, A., Joahnnesen-Schimdt, M., & Van Engen, M. (2003). Transformational, transactional and laissez-faire leadership styles: a meta-analyses comparing women and men. Psychological Bulletin, 129(4), 569-591.

Eloi, C. B. G., Claro J. A. C., & Costa, L. V. (2016). A passagem do bastão para herdeiras: o caso de uma empresa da região do grande ABC Paulista em fase de preparação para a sucessão familiar. Revista da Micro e Pequena Empresa FACCAMP, 10(3), 15-32.

Flik, U. (2013). Introdução a Metodologia de Pesquisa: um guia para iniciantes. Porto Alegre: Pensa.

Fischer, H. (2001). O primeiro sexo: como as mulheres estão a mudar o mundo. São Paulo: Presença.

Fonseca, L. H. (2013). O líder nas organizações e evolução da liderança feminina. Revista Semana Acadêmica, 1, 3-30. Recuperado de http://semanaacademica.org.br/system/files/artigos/artigocientifico-lucia_0.pdf.

Gardner, W. L., Lowe, K. B., Moss, T. W., Mahoney, K. T., & Cogliser, C. C. (2010). Scholarly leadership of the study of leadership: a review of The Leadership Quarterly’s second decade, 2000-2009. The Leadership Quarterly, 21(6), 922-958. Recuperado de http://sciencedirect.com/.

Gomes, A. F. (2005). O outro no trabalho: mulher e gestão. Revista de Gestão da USP, 12, 3, 1-9. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/rege/article/view/36522/0.

Hair, J. F., Jr., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Kanan, L. A. (2010). Poder e liderança de mulheres nas organizações de trabalho. Revista Organizações & Sociedade, 17(53), 243-257.

Kark, R. (2004). The transformational leader: who is (s)he? A feminist perspective. Journal of Organizational Change Management, 17(2), 160-176.

Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman.

Malhotra, N. K. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada (6a ed.). Porto Alegre: Bookman, 2012.

Mandelli, L. (2010). Liderança Feminina. Recuperado de http://mandelli.com.br/wp-content/uploads/2010/12/lideranca-feminina-livia-mandelli.pdf /.

Martins, L. M. D. (2014). Liderança Feminina: Um olhar sobre os desafios da mulher no papel de liderança nas organizações (Trabalho de Conclusão de Curso). Faculdade Borges de Mendonça, Curso de Administração, Florianópolis, SC, Brasil.

Maximiano, A. C. A. (2002). Teoria geral da Administração: da revolução urbana a revolução digital. São Paulo: Atlas.

Maximiano, A. C. A. (2007). Teoria geral da administração. São Paulo: Atlas.

Mcshane, S. L., & Von Glinnow, M. A. (2014). Comportamento organizacional. Porto Alegre: AMGH.

Motta, P. R. (2004). Gestão contemporânea: a ciência e a arte de ser dirigente. Rio de Janeiro: Record.

Munhoz, G. S. (2000). Quais as contribuições que o estilo feminino de liderança traz para as organizações empreendedoras? In Anais do Encontro Nacional de Empreendedorismo. Maringá EGEPE. Maringá, 164-176. Recuperado de http://nippromove.hospedagemdesites.ws/anais_simposio/arquivos_up/documentos/artigos/9ccca89d882fd221a05b11f011369396.pdf/v.

Nogueira, E. C. O. R., & Kubo, E. K. M. (2013). Sentidos do exercício da liderança por mulheres executivas brasileiras. Revista de Gestão e Secretariado, 4(2), 114–133.

Podsakoff, P., Mackenzie, S., Moorman, R., & Fetter, R. (1990). Transformational leader behaviors and their effects on followers’ trust in leader, satisfaction, and organizational citizenship behavior. Leadership Quarterly, 1(2), 107-142.

Rego, A., & Cunha, M. A. (2003). A essência da liderança, mudança x resultados x integridade: teoria, prática, aplicações e exercícios de autoavaliação. Lisboa: RH Editores.

Rezende, H. (2010). A Liderança Transformacional e Transacional e as suas Influências nos Comportamentos de Cidadania Organizacional (Dissertação de mestrado). Instituto Universitário de Lisboa, Curso de Gestão dos Serviços de Saúde, Lisboa, Portugal.

Robbins, S. P. (2004). Comportamento organizacional. NJ: Prentice Hall.

Rodrigues, E. (2004). Conseguindo resultados através de pessoas. São Paulo: Negócio BB.

Vergara, S. C. (2009). Projeto e relatório de pesquisa em administração (11a ed.). São Paulo: Atlas, 2009.

Vergara, S. C. (2012). Gestão de pessoas. São Paulo: Atlas.

Yin, R. K. (2009). Case study research: Design and Methods. United States of America: Sage Publications.

Wagner, J. A., III, & Hollenbeck, J. R. (2006). Comportamento organizacional: Criando vantagem competitiva. São Paulo: Saraiva.

Wiza, M., & Hlanganipai, N. (2014). The impact of leadership styles on employee organizational commitment in higher learning institute. Mediterranean Journal of Social Sciences, 5, 135-143.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.