A Implementação do E-social e os seus Desafios: Um estudo de caso sob a ótica da mudança organizacional

Camilla de Souza Padilha Feitosa, Rafaela Angela Mateus Souto Maior, Histaley Lelise Maria Maurício, Rodolfo Araújo de Moraes Filho

Resumo


As organizações estão inseridas em um ambiente que exige cada vez mais flexibilidade em lidar com mudanças. No que diz respeito à implantação do Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Previdenciárias e Trabalhistas (E-Social), faz-se necessário investigar as resistências individuais e organizacionais em organizações do setor público, cuja proximidade dos prazos é mais urgente. Utilizando como base o modelo de campo de força de Kurt Lewin, este estudo objetiva analisar a implantação do E-Social em uma organização pública do estado de Pernambuco. A coleta de dados foi dividida em duas etapas: aplicação de questionários e realização de entrevista, já as análises foram feitas por meio de estatística descritiva e análise de conteúdo. Como resultados, têm-se que o processo de implementação do E-Social pode ser dividido em cinco etapas, com a existência das resistências: incerteza, falta de entendimento, hábitos, fatores econômicos, segurança, avaliações e métodos distintos, inércia grupal, inércia estrutural e foco limitado de mudança.


Palavras-chave


Administração Pública; E-Social; Mudança organizacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Bortolotti, S. L. V., Sousa, A. F., Jr., & Andrade, D. F. (2011). Resistência à mudança organizacional: Avaliação de atitudes e reações em grupos de indivíduo. Anais do VIII SEGet – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Resende: UFSC, 8.

Resolução n. 23.523, de 27 de junho de 2017. Dispõe sobre a requisição de servidores públicos pela Justiça Eleitoral. Brasília, DF. Recuperado de http://www.tse.jus.br/legislacao-tse/res/2017/RES235232017.html.

Resolução do Comitê Diretivo do E-Social n. 2, de 30 de agosto de 2016. Dispõe sobre o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial). Brasília, DF. Recuperado de https://portal.esocial.gov.br/institucional/legislacao/resolucao-do-comite-diretivo-do-esocial-no-2-de-30-de-agosto-de-2016-consolidada.

Decreto n. 8.373, de 11 de dezembro de 2014. Institui o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas – E-Social e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/decreto/d8373.htm.

Decreto n. 6.022, de 22 de janeiro de 2007. Institui o Sistema Público de Escrituração Digital – Sped. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6022.htm.

Bressan, C. L. (2004). Mudança Organizacional: uma visão gerencial. Anais do Seminário de Gestão de Negócios. Curitiba: FAE, 1. Recuperado de http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/art_cie/art_25.pdf.

Confederação Nacional da Indústria. (2017). Cartilha E-Social do Sistema Indústria. Confederação Nacional da Indústria, Brasília: SESI. Recuperado de http://www.fiepr.org.br/sindicatos/sindbor/uploadAddress/Cartilha_eSocial_web[79713].pdf

Corrêa, M. L., Dandaro, F., & Moraes, F. F. (2013). Gestão da cultura e do comportamento organizacional para o desenvolvimento regional. Revista Eletrônica “Diálogos Acadêmicos”, 5(02), 74-94.

Dalmoro, M., & Vieira, K. M. Dilemas na construção de escalas tipo Likert: O número de itens e a disposição influenciam os resultados? Revista Gestão Organizacional, 6, 161-174.

E-Social. (2018). Conheça o E-Social. Recuperado de http://portal.esocial.gov.br/institucional/conheca-o.

Filipin, R., Reichert, N. S., Brizolla, M. M. B., & Vieira, E. P. (2016). Impactos e Benefícios da Implantação do EFD Social para os Profissionais de Escritórios de Contabilidade. Revista Gestão & Planejamento, 17(2), 367-382.

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS.

Hernandez, J. M. C., & Caldas, M. P. (2001). Resistência à mudança: uma revisão crítica. Revista de Administração de Empresas, 41(2), 31-45.

Lewin, K. (1939). Field theory and experiment in social psychology: concepts and methods. American Journal of Sociology, 44(6), 868-896.

Magalhães, E., Gomes, L., & Magalhães, E. (2006). Uma análise do processo de formulação e implementação de mudança organizacional: o caso de um instituto de previdência complementar e plano de saúde. Anais do Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Resende: AEDB, 3.

Marinelli, M., Oliveira, C. A., Jr., & Pinto, M. V. (2009). Cultura e Mudança Organizacional: Abordagens, Modelos e Críticas. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, 1(2), 61-74.

Mattar, F. N. (2001). Pesquisa de marketing. Edição Compacta (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Martins, V. M. F., Munari, D. B., Tipple, A. F. V., Bezerra, A. L. Q., Leite, J. L., & Ribeiro, L. C. M. (2011). Forças impulsoras e restritivas para trabalho em equipe em um Centro de Material e Esterilização de hospital escola. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(5), 1183-1190.

Merriam, S. B. (1998). Qualitative Research and Case Study Applications in Education. San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Motta, P. R. (1997). Transformação organizacional: A teoria e a prática de inovar (1a ed.). Rio de Janeiro: Qualitymark.

Oliveira, L. H. (2005). Exemplo de cálculo de Ranking Médio para Likert. Notas de Aula. Metodologia Científica e Técnicas de Pesquisa em Administração. Mestrado em Administração e Desenvolvimento Organizacional. PPGA CNEC/FACECA: Varginha, MG, Brasil.

Price Water House Coopers. (2015). A evolução das empresas rumo ao E-Social. Recuperado de https://www.pwc.com.br/pt/publicacoes/servicos/assets/consultoria-negocios/pesquisa-esocial-2015e.pdf.

Robbins, S. P., Judge, T. A., & Sobral, F. (2010). Comportamento organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson.

Sales, J. D., & Silva, P. K. (2007). Os fatores de resistência à mudança organizacional e suas possíveis resultantes positivas: um estudo de caso na indústria de calçados Bibi no município de Cruz das Almas – BA. Anais do X Seminários em Administração, São Paulo: FEA/USP, 10.

Santos, M. S. S. (2014). Gestão da mudança organizacional: uma revisão teórica. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Stake, R. E. (1995). The art of case study research. Thousand Oaks: Sage.

Vergara, S. C. (2009). Projeto e relatório de pesquisa em administração (11a ed.). São Paulo: Atlas.

Wood, T., Jr. (2009). Mudança organizacional. São Paulo: Atlas, 344 pp.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.