Governança Corporativa na Percepção dos Investidores Recifenses

Isabela Cristina Galdino Isidério, Maria Do Carmo Oliveira André Neta, Nut Leão Rampazzo

Resumo


O objetivo deste trabalho é mostrar como a prática da governança corporativa nas empresas de capital aberto auxilia os pequenos acionistas a escolherem onde investir. Para tanto, foram abordados pontos como conflitos de agência, a participação dos conselhos de administração, fiscal e da auditoria independente na aplicabilidade da boa governança, além das recomendações da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e da lei das Sociedades Anônimas (S/A). Assim, surge a discussão sobre como a governança corporativa ajuda o investidor individual na escolha das melhores opções de empresas de capital aberto para se tornar um acionista. Para atingir a proposta da pesquisa de caráter quantitativa e exploratória foi realizado um questionário com os acionistas individuais do estado de Pernambuco para identificar como o conhecimento sobre governança corporativa auxilia esses investidores individuais. Os principais resultados mostraram o elevado grau de importância que os investidores dão ao acesso às informações sobre os objetivos e resultados da entidade, a transparência nos negócios, a equidade no tratamento dado pela empresa ao acionista, bem como a prestação de contas. Com isso, conclui-se que a governança corporativa nas empresas de capital aberto e o atendimento de seus princípios básicos influenciam a percepção dos investidores sobre a empresa.


Palavras-chave


Governança Corporativa; Pequeno Investidor; Finanças.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, A., & Rossetti, J. P. (2011). Governança Corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências (5a ed.) São Paulo: Atlas.

Assis, M. (2016). Ganho de transparência. Recuperado de .

Brasil, Bolsa e Balcão. (2016). Histórico pessoas físicas. Recuperado de .

Lei n. 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Recuperado de .

Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2001. Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Recuperado de .

Carvalho, A. G. (2002). Governança corporativa no Brasil em perspectiva. Revista de Administração, 37(3), 19-32.

Chiavenato, I. (2008). Administração para administradores e não administradores: a gestão de negócios ao alcance de todos. São Paulo: Saraiva.

Comissão de Valores Mobiliários. (2002). Recomendações da CVM sobre governança corporativa. Recuperado de .

Comissão de Valores Mobiliários. Auditores independentes. (n.d.). Recuperado de .

Corporação Financeira Internacional. (2009). Guia Prático de Governança Corporativa. Experiências do Círculo de Companhias da América Latina. Recuperado de .

Fontainha, F., Hartmann, I., Corrêa, A. M. M, Alves, C., & Pitasse, K. (2014). Metodologia da Pesquisa. Fundação Getúlio Vargas, Direito, Rio de Janeiro. Recuperado de .

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Curso de especialização em comunidades virtuais de aprendizagem: informática educativa, Universidade Estadual do Ceará, CE, Brasil. Recuperado de .

Garcia, F. A. (2005). Governança corporativa (Trabalho de Conclusão de Curso). Graduação em Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Lobo, J. (2006). Governança Corporativa - VII - Princípio da Transparência. Recuperado de .

Hitt, M. A., Ireland, R. D., & Hoskisson, R. E. (2008). Administração Estratégica: competitividade e globalização (2a ed.). São Paulo: Cengage Learning.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2015). Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa (5a ed.). São Paulo: IBGC Código.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (n.d.). Princípios que geram valor de longo prazo. Recuperado de .

Instituto dos Auditores Independentes do Brasil. (2006). Auditoria registro de uma profissão. Recuperado de .

Machado, C. C. B. (2010). Governança Corporativa: preceitos dispostos na legislação angolana aplicada às sociedades abertas (Trabalho de Conclusão de Curso). Ciências Contábeis, Universidade do Extremo Sul Catarinense – Unesc, Criciúma, Santa Catarina, SC, Brasil.

Mapurunga, P. V. R., Ponte, V. M. R., & Oliveira, M. C. (2015). Determinantes das práticas de governança corporativa: um estudo nas empresas registradas na CVM. Advances in Scientific and Applied Accounting, 8(3), 374-395.

Niclote, C. C. (2012). A influência da governança corporativa da Bovespa na percepção dos investidores (Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização). Escola de Administração, Gestão de Negócios Financeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio grande do Sul, RS, Brasil.

Ramos, G. M., & Martinez, A. L. (2006). Governança corporativa. Revista Contemporânea de Contabilidade, 3(6), 143-164.

Rodrigues, A. T. L. (2003). Governança corporativa: Quando a transparência passa a ser uma exigência global. IX convenção de contabilidade do Rio Grande do Sul.

Senhoras, E. M., Takeuchi, K. P., & Takeuchi, K. P. (2006). A Importância Estratégica da Governança Corporativa no Mercado de Capitais: Um Estudo Internacional Comparado. Anais do III Seget – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Resende, RJ, Brasil.

Souza, C. R. (2014). Governança Corporativa: análise de gestão da responsabilidade socioambiental em empresa multinacional italiana do segmento de pneus (Trabalho de Conclusão de Curso). Curso de Ciências Contábeis, Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC, Criciúma, Santa Catarina, SC, Brasil.

Vieira, S. F. A., Cintra, R. F., Yamazaki, K. F., Costa, B. K., & Cassol, A. (2015). A importância e a adoção das práticas de governança corporativa a luz do princípio da transparência: um estudo de caso em uma empresa do setor de não tecidos. Revista Perspectiva, Erechim, 39(146) 137-149.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.