FEMINILIDADE: UM PERFIL CULTURAL

Aida Novelino

Resumo


As imagens de mulher mudam (assim como as mulheres) a cada
época, seguindo os movimentos e os ritmos do tecido social. Parece, no
entanto, que a crença na existência do "eterno feminino" -herdeira das
perspectivas filosóficas essencialistas- é bastante resistente à mudança,
mantendo-se como parte integrante do arsenal de concepções acerca das
mulheres e da sua história nos mais diversos períodos. Difundida,
apregoada e interiorizada por homens e mulheres, a idéia de uma natureza
feminina, diferenciada, imutável e responsável pelos traços que a
caracterizam, percorre os séculos. Embora recentes em termos históricos,
os ideais modernos de feminilidade se apresentan1 para nós como reflexos
naturais e automáticos das especificidades biológicas; debita-se, em
última instância, aos estrógenos e ao aparelho reprodutivo a
responsabilidade por modos de sentir, pensar e agir femininos. Convivese,
ainda, com antigas convicções que localizam na anatomia a origem
dos traços componentes da feminilidade; acredita-se, enfim, que tudo que
diz respeito à mulher pode e deve ser explicado pelas particularidades do
seu corpo.


Texto completo:

PDF


 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.


                                         INDEXADORES

       
 
 
  
 
   
 
 
                                          BUSCADORES 
                                  


                                                      
                                           
                                              MÉTRICAS 
 
GOOGLE ACADÊMICO: https://scholar.google.com.br/citations?hl=pt-BR&user=BbrMvUMAAAAJ