ENTRE REPETIR E INTERPRETAR: UM ESTUDO DA REESCRITA POR CRIANÇAS

Sabrina Leonzi D'Alessandro

Resumo


Parte-se da análise de 4 textos-fonte e 116 textos produzidos por 29 estudantes de terceiro ano do Ensino Fundamental, aos quais foi solicitada a reescrita de obras previamente lidas. Cotejando os textos-fonte e as redações infantis, nossos objetivos são: a) Analisar as transformações em relação aos textos-fonte promovidas pelas crianças; b) Investigar de que modo essas marcas configuram indícios de autoria; e c) Verificar a possiblidade de relacioná-las ao repertório cultural dos alunos. Mobilizando o conceito de memória discursiva de Pêcheux, buscamos entender como os informantes, para além de conseguirem cumprir com os requisitos concernidos na reformulação parafrástica, se implicam no que dizem, se é que o fazem. Os gestos analíticos realizados nos auxiliam a perceber que movimentos recorrentes surgem nos textos dos participantes, entre eles a supressão de trechos aflitivos da história, a demonstração de afeto pelos seus personagens e o que parece configurar uma tentativa de aproximação do texto à realidade do aluno.

 

 


Palavras-chave


Reescrita escolar, Paráfrase, Autoria

Texto completo:

PDF

Referências


BRÄKLING, Kátia Lomba. Orientações didáticas fundamentais sobre as expectativas de aprendizagem de língua portuguesa. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano). São Paulo: Secretaria da Educação, 2013. Disponível em: http://www.educacao.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/documentos/963.pdf Acesso em: 03 jun. 2017.

CAMPOS, Claudia Susana Dias Crespi de. A qualidade das narrativas infantis escritas: inferências e tergiversações. In: ENCONTRO DO CELSUL, 8., 2008, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2008. Disponível em: http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Anais/CELSUL_VIII/ling%20textual-Claudia%20Susana%20Dias%20Crespi%20de%20Campos.pdf Acesso em: 30 dez. 2017.

DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

FIAD, Raquel Salek. Episódios de reescrita em textos infantis. Estudos linguísticos, São Paulo, 38, p. 9-18, maio/ago. 2009. Disponível em: http://www.gel.org.br/estudoslinguisticos/volumes/38/EL_V38N2_01.pdf Acesso em 30 dez. 2017.

FLÔRES, Onici Claro. Quando as crianças passam a entender que dois textos querem dizer o mesmo, ainda que as palavras neles contidas sejam diferentes? Revista da Anpoll, Florianópolis, v. 1, n. 37, p. 134-144, jul./dez. 2014. Disponível em: https://revistadaanpoll.emnuvens.com.br/revista/article/view/776. Acesso em 30 dez. 2017.

FOUCAULT, Michel. (1969). O que é um autor? In: FOUCAULT, Michel .Ditos e escritos III: Estética - literatura e pintura, música e cinema. Tradução de Inês Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 264-298.

FREUD, S. (1930) O mal-estar na civilização. In: FREUD, S. Obras Completas. Volume 18. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 13-122.

FUCHS, Catherine. A paráfrase linguística – equivalência, sinonímia ou reformulação. Tradução de João Wanderley Geraldi. Cadernos de estudos linguísticos, Campinas, v. 8, n. 8, p. 129-134, 1985. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636744. Acesso em 31 dez. 2017.

GERALDI, João Wanderley. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

GRÉSILLON, Almuth; LABRAVE, Jean-Louis. Avant-propos. In: GRÉSILLON, Almuth; LABRAVE, Jean-Louis. Langages. Paris: Larousse, 1983. p. 62-69.

GRÉSILLON, Almuth. Elementos de crítica genética: como ler os manuscritos modernos. Tradução de Cristina de Campos Velho Birck. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

GUSSO, Angela Mari; DALLA-BONA, Elisa Maria. A reescrita do texto literário de alunos dos anos iniciais da escolarização. Educar em Revista, Curitiba, n. 52, p. 69-84, abr./jun. 2014. Editora UFPR. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n52/05.pdf Acesso em: 03 jun. 2017.

MARINHEIRO, Thaís Silva; BORGES, Fabiana Claudia Viana. Paráfrase e polissemia: produções textuais escritas na escola. Nucleus, Ituverava, v. 8, n. 1, p. 133-150, abr. 2011. Disponível em: http://www.nucleus.feituverava.com.br/index.php/nucleus/article/view/549. Consulta em 31/12/2017.

NÓBREGA, Maria José. Redigindo textos, assimilando a palavra do outro. Revista Veras, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 22-34, 2011. Disponível em: http://site.veracruz.edu.br/instituto/revistaveras/index.php/revistaveras/article/view/3. Acesso em 31 dez. 2017.

ORLANDI, Eni P. (1942)Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1996.

PÊCHEUX, Michel. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, Francoise; HAK, Tony. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de M. Pêcheux. Campinas: Editora da Unicamp, 1997. p. 61-105.

PÊCHEUX, Michel. (1983) Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. (org.). Papel da memória. Campinas/São Paulo: Pontes, 1999, p. 49 – 57.

POSSENTI, Sírio. Indícios de autoria. Perspectiva, Florianópolis, v. 20, n. 1, p.105-124, jan./jun. 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/viewFile/10411/9677. Acesso em 31 dez. 2017.

POSSENTI, Sírio. Notas sobre a questão da autoria. Matraga, Rio de Janeiro, v. 20, n. 32, p. 239-250, jan./jun. 2013. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/matraga/article/view/19851 Acesso em 31 dez. 2017.

XXXXXX; YYYYYYYYYYY. “Chatas, ricas e mimadas” – reescrita de textos por crianças. No prelo.

SANTOS, Janayna; CAVALCANTE, Valéria; LIRA, Jailton. O ensino da linguagem escrita no Ensino Fundamental: uma análise sobre a reescrita de contos. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO SUPERIOR: SABERES, TECNOLOGIAS E OS DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO, 3., 2015, João Pessoa. Anais... João Pessoa: UFPB, 2015. Disponível em: http://www.coipesu.com.br/upload/trabalhos/2015/12/o-ensino-da-linguagem-escrita-no-ensino-fundamental-uma-analise-sobre-a-reescrita-de-contos.pdf. Acesso em 25 out. 2017.

SÓHISTÓRIA. João-de-barro. Disponível em: http://www.sohistoria.com.br/lendasemitos/joaodebarro/ Acesso em 03out. 2018.

TOLKIEN, John Ronald Reuel. O senhor dos anéis. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

URIBE, Veronica. (Org.). Contos de assombração. São Paulo: Editora Ática, 1999.

VILA, Martinho. A rainha da bateria. Ilustrações de Marcelo D’Salete. São Paulo: Lazuli infantil, 2009.




 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.


                                         INDEXADORES

       
 
 
  
 
   
 
 
                                          BUSCADORES 
                                  


                                                      
                                           
                                              MÉTRICAS 
 
GOOGLE ACADÊMICO: https://scholar.google.com.br/citations?hl=pt-BR&user=BbrMvUMAAAAJ