GUS VAN SANT E A IMAGEM-NÉVOA

Rafael Dias

Resumo


As nuvens constituem um motif poético do cineasta norte-americano Gus Van Sant. Elas instauram um cinema profundamente (climatérique) climatérico (BOUQUET; LALANNE, 2009, p.38), no qual o tempo se sobrepõe ao espaço via imagens que equivalem a uma transubstanciação do real. As digressões – que dizem respeito não somente a nuvens que cortam o céu, matéria leve, mas a outros fenômenos visíveis aos nossos olhos, como o sol ao cair no entardecer, variações da luz sobre uma estrada, a noite que cai – compõem um esforço imagético em capturar intersecções do tempo, ato levado a efeito (ou tencionado) tecnicamente a partir do uso de recursos como slowmotion, time-lapse e planos-sequências dilatados.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.