Gênero, arte e educação: resistências e novas paisagens do possível

Luciana Gruppelli Loponte

Resumo


O artigo revisita alguns argumentos sobre a relação entre gênero, imagens e arte, especialmente no que se refere às representações de imagens femininas no campo das artes visuais no ocidente e a perpetuação da naturalização da violência sexual e da submissão do corpo da mulher a certo olhar contemplativo masculino. A discussão apresentada é atravessada pelos acontecimentos de 2017 no Brasil, quando a exposição “Queermuseu: cartografias da diferença na arte brasileira” foi subitamente encerrada, e atualizada em 2020 quando, em meio a uma das maiores pandemias do século, os índices de violência contra mulheres aumentam vertiginosamente. Que imagens são necessárias para o nosso tempo? Quais as ressonâncias necessárias desse debate no campo da arte e da educação? Este texto inscreve-se nesse propósito, pretendendo agregar mais argumentos para a urgência do debate, necessariamente coletivo.


Texto completo:

PDF

Referências


ALIAGA, Juan Vicente. Orden fálico: 66androcentrismo e violencia de género en las prácticas artísticas del siglo XX. Madrid: Akal, 2010.

BARROS, Roberta. Elogio ao toque ou como falar de arte feminista à brasileira. Rio de Janeiro: Editora do autor, 2016.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019, p. 313-321.

COUTINHO, Andrea Senra; LOPONTE, Luciana Gruppelli. Artes visuais e feminismos: implicações pedagógicas. Revista Estudos Feministas (UFSC. Impresso), v. 23, p. 181-190, 2015.

CULT – Revista Brasileira de Cultura. Dossiê Arte sob coerção: moralismo privado no espaço público. São Paulo, n. 230, dez. 2017.

CYPRIANO, Fabio. Arte acovardada. Bravo! - panorama. São Paulo: Bravo Editorial: São Paulo, 2018. p. 75-91.

DIAS, Taís Ritter. Ensino de arte e feminismos: urdiduras entre relações de poder e resistências. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2017.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

HUERTA, Ricard. Transeducar: arte, docencia y derechos LGBT. Barcelona, Madrid: Egales, 2016.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. A invenção da "ideologia de gênero": a emergência de um cenário político-discursivo e a elaboração de uma retórica reacionária antigênero. Rev. psicol. polít., São Paulo , v. 18, n. 43, p. 449-502, dez. 2018 . Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2018000300004&lng=pt&nrm=iso . acessos em 24 set. 2020

KLEIN, Naomi. Não basta dizer não: resistir à nova política de choque e conquistar o mundo do qual precisamos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Artes visuais, feminismos, gênero e educação: discursos silenciados. Universitas Humanistica, v. 79, p. 143-163, 2015.

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Gênero, visualidade e arte: temas contemporâneos para educação. In: ICLE, Gilberto (org.). Pedagogia da arte: entre-lugares da criação. Porto Alegre: UFRGS, 2010. p. 149-163.

LOPONTE, Luciana Gruppelli. Gênero, educação e docência nas artes visuais. Educação & Realidade, n. 30, v. 2, p. 243 – 259, jul/dez 2005.

MARTINEZ, Pablo. De qué otra cosa podríamos hablar...hoy? IN: AZNAR, Yayo, MARTÍNEZ, Pablo (eds). Arte actual: lecturas para un espectador inquieto. Madrid: Centro de Arte Dos de Mayo, 2012.

MAYAYO, Patricia. Historias de mujeres, historias del arte. Madrid: Catedra, 2003.

NERI, Louise, HERKENHOFF, Paulo (orgs.). Adriana Varejão. São Paulo: O autor, 2001.

POLLOCK, Griselda. A modernidade e os espaços de feminilidade. In: MACEDO, Ana Gabriela, RAYNER, Francesca. Gênero, cultura visual e performance: antologia crítica. Húmus/Universidade do Minho: Famalicão, 2011.

POLLOCK, Griselda. Vision and difference: feminism, femininity and the histories of art. London: Routledge, 1988.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

SCHWARCZ, Lilia. A obra de Adriana Varejão e nossa 'Cena de Interior', NEXO, set. 2017. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/colunistas/2017/A-obra-de-Adriana-Varej%C3%A3o-e-nossa-Cena-de-Interior

SELECT, Revista de Arte e Cultura Contemporânea, São Paulo, n. 38, mar/abr/mai 2018.

VELOSO, Juliana de Lima. Fendas: pensar corpo, gênero e sexualidade com arte e educação. Dissertação de mestrado em educação. UFRGS, 2019.




DOI: https://doi.org/10.52583/cartema.v8i8.248458

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: