(DES)MEMÓRIAS : por uma revisão feminista da História da Arte no Brasil

Ana Mae Barbosa

Resumo


As mulheres artistas foram apagadas da História da Arte do século XIX no Brasil e só a partir da Semana de Arte Moderna de 1922, que introduziu os brasileiros aos códigos modernistas é que mulheres passaram a ter visibilidade na Arte do Brasil.

Mesmo na mega exposição que teve lugar no ano 2000, "comemorativa" dos 500 anos da colonização do Brasil pelos portugueses, as mulheres foram banidas. No segmento sobre o século XIX não havia nenhuma mulher entre os quase duzentos artistas apresentados apesar de que muitas foram bem sucedidas em vida, ganhando prêmios até na Europa.

A grande produção das mulheres nas artes visuais hoje no Brasil tem paulatinamente incorporado as conquistas feministas, mas o medo de ser considerada feminista ainda ronda  mulheres artistas, historiadoras, críticas e arte/educadoras.

                                                          


Texto completo:

PDF

Referências


BIBLIOGRAFIA

A Mensageira – revista literária dedicada à mulher brasileira (1897-1900); São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, IMESP, 1987 (edição fac-similar). Vol 1 e Vol 2.

BARBOSA, Ana Mae. “Art in Brasil: several minorities”. In: FARRIS-DUFRENE, Phoebe. Voices of Color: Art and Society in the Americas; New Jersey, Humanities Press, 1997.pag 65 a 71.

__________________. “Artistas de sucesso esquecidas pela História: uma questão de política cultural”. In: La igualdad não es una utopia. Anais do Congreso Internacional e Interdisciplinar Mundos de Mujeres. Madri: Universidade Complutense e Thomson Aranzadi, 2008, pag 29 a 36.

__________________; AMARAL, Vitoria (Orgs.). Mulheres não devem ficar em silencio: Arte, Design e Educação. São Paulo, Editora Cortez: 2019.

BROUDE, Norma; GARRARD, Mary D. Feminism and Art History: questioning the litany, New York, Icon Editions/ Happer & Row, Publishers, 1982.

CHICAGO, Judy. The Dinner Party NY: The Doubleday Anchor Book, 1996.

COLLINS, Georgia; SANDELL, Renee. Women, Art and Education. Reston, Virginia: National Art Education Association, 1984.

ETIENNE, Mona; LEACOCK, Eleanor (org). Women and Colonization: Anthropological Perspectives; New York, Praeger, 1980.

FANTHAM, Elaine; PEET FOLEY, Helene; KAMPEN, Natalie Boymel; POMEROY. Sarah B.; SHAPIRO, H.ª. Women in the Classical Word; New York and Osford, Osford Univerty Press, 1994.

FARRIS-DUFRENE, Phoebe. Voices of Color: Art and Society in the Americas; New Jersey, Humanities Press, 1997.

FRUEH, Joanna and Cassandra L. Langer, Arlene Raven. New Feminist Criticism: art. Identity, action, New York, Icon Editons, 1ª ed. 1991, 1994.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Ed. Paz e Terra, 2000.

GREER, Germaine. The Obstacle Race; London, Book Club Associetes, 1980.

LEITE, Míriam Moreira (org.). A Condição Feminina no Rio de Janeiro, Século XIX: antologia de viajantes estrangeiros; São Paulo/Brasília: Editora Hucitec/EDUSP/ INL, Fundação nacional Pró-Memória, 1984 (Estudos Históricos;4).

LIPPARD, Lucy R. Get the Message? A decade of art for social change; New York, Dutton, Inc., 1984.

_______________. The Pink Glass Swan: Selected Essays on Feminist Art. New York, The New Press, 1995.

MUNRO, Eleanor. Originals: American Women Artists. New York, Simon& Schuster, 1979.

OLIVEIRA, Miriam Andrea de. Abigail de Andrade: Artista Plástica do Rio de Janeiro no século XIX. Dissertação de Mestrado UFRJ-EBA,1993.

PARKER, Rozsika; POLLOCK, Griselda. Old Mistresses: women, art and ideology; London, Routledge& Kegan Paul, 1981.

SIMIONI, Ana Paula. Profissão Artista. São Paulo: EDUSP, 2004.

BARROS, Roberta. Elogio ao toque: ou como falar de arte feminista à brasileira. Rio: Relacionarte, 2016.

SPALDING, Frances. Garden Ceremony. In: TLS,19 de Fevereiro de 1999, pag 19.

ZACCARA, Madalena (Org.). De sinhá prendada a artista visual: os caminhos da mulher artista em Pernambuco. Recife: Ed. Do Organizador, 2017.




DOI: https://doi.org/10.52583/cartema.v8i8.248801

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores: