O conceito de romance e o romance na história

Pedro Dolabela Chagas, Mariana Okimoto

Resumo


A condição não anacrônica da aplicação do termo “romance” a obras anteriores à formulação moderna do conceito, conforme sugerido pela hipótese da sua poligênese. O conceito de romance como um “esquema mental” que aglutina princípios estruturais trans-históricos, subjacentes tanto à variedade das obras quanto às variações individuais e contextuais no uso do termo. Definição daqueles princípios estruturais: ficcionalidade, escrita narrativa em prosa, remissão à vida prosaica, marginalidade inicial na cultura letrada. A vaguidade e flexibilidade do conceito como condições para a adaptabilidade histórica do gênero.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i18p20-41

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional