Curiosa e suntuosa estrutura: O Barroco de pretos e pardos nas vilas açucareiras de Pernambuco nos séculos XVII e XVIII

Kalina Vanderlei Silva

Resumo


Resumo: Este artigo explora o diálogo cultural entre afro-descendentes e imaginário barroco nos núcleos urbanos da Capitania de Pernambuco nos séculos XVII e XVIII. O imaginário barroco, aqui compreendido como conjunto de representações elaborado pela nobreza ibérica em torno dos valores que garantiam o status quo na sociedade estamental, uma vez transplantado para a América portuguesa pela elite açucareira foi marcante também em instituições de pretos e pardos, como as irmandades leigas. Para o presente estudo consideramos o papel dominante dos valores barrocos nos núcleos urbanos açucareiros, assim como a mestiçagem cultural promovida por africanos e descendentes. Analisamos fontes coloniais manuscritas e impressas a partir de um olhar derivado da História Cultural da Sociedade.

Palavras-Chaves: Barroco, Mestiçagem, Colonização.

 

Abstract: This paper analyses the dialogue between Afro-Americans and Baroque culture in Pernambuco colonial urban centers.  The Baroque culture – taken into consideration as a representation system as conceived by the Iberian nobles who integrated, in America, the sugar elite – played a hegemonic role in institutions such as the Catholic brotherhoods, including the Afro-American ones. Those institutions, however, were also subject to a typical colonial condition, the hybridism. Considering those facts, this paper studies manuscripts and printed documents from the 17th and 18th centuries, using theoretical insights form the Cultural History to process the data.

Keywords: Pernambuco, Baroque, Hybridism.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ângela Mendes de. O Gosto do Pecado – Casamento e Sexualidade nos Manuais de Confessores dos Séculos XVI e XVII. Rio de Janeiro: Rocco. 1993.

ALVAREZ, Fernando Bouza. Portugal no Tempo dos Filipes: Política, Cultura, Representações (1580-1668). Lisboa: Cosmos. 2000.

ARAÚJO, Emanuel. O Teatro dos Vícios: transgressão e transigência na sociedade urbana colonial. Rio de Janeiro: Ed. Unb/José Olympio, 1993.

ARAÚJO, Rita de Cássia. A redenção dos pardos: a festa de São Gonçalo Garcia no Recife, em 1745. In: JANCSÓ, Istvan & KANTOR, Iris (orgs.). Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa. Vol. 1São Paulo: Edusp; Imprensa Oficial, 2001, p. 419-444.

ASSIS, Virgínia Almoêdo de. Pretos e Brancos - A Serviço de Uma Ideologia de Dominação (Caso das Irmandades do Recife). 1988. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

BEBIANO, Rui. Literatura Militar da Restauração. Penélope, Lisboa, n 9/10, 1993, pp 8398.

BEZERRA, Janaína Santos. Pardos na Cor & Impuros no Sangue: etnia, sociabilidades e lutas por inclusão social no espaço urbano pernambucano do XVIII. Mestrado em História – UFRPE. Recife, 2010.

DE LA FLOR, Fernando R. Pasiones Frías: secreto y disimulación en el Barroco hispano. Madrid: Marcial Pons, 2005.

DEL PRIORE, Mary; VENÂNCIO, Renato Pinto. Ancestrais: uma introdução à História da África Atlântica. Rio de Janeiro, Elsevier. 2004.

DIAS, Andrea Simone Barreto. Pardos do Livramento: O Caso da Homenagem À São Gonçalo Garcia. Anais do II Encontro Internacional de História Colonial. Mneme – Revista de Humanidades. UFRN. Caicó (RN), v. 9. n. 24, Set/out. 2008.

FRANÇA, Eduardo D’Oliveira. Portugal na Época da Restauração. São Paulo, Hucitec, 1997. FURTADO, Júnia Ferreira. Desfilar: a Procissão Barroca. Revista Brasileira de História – ANPUH. São Paulo, v. 17, n. 33, p. 251-279, 1997.

MARAVALL, José Antonio. A Cultura do Barroco: análise de uma estrutura histórica. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial. 1997.

MELLO, José Antônio Gonsalves de. Alguns Aditamentos e Correções. In: COSTA. Anais Pernambucanos. Recife: Governo do Estado de Pernambuco. 1983. 10 vols. Vol. X. Pp. CDXC-DXVI.

MESGRAVIS, Laima. Os Aspectos Estamentais da Estrutura Social do Brasil Colônia. Estudos Econômicos. São Paulo. 13 (especial): 799-812. 1983.

MILLER, Joseph C. A Economia Política do Tráfico Angolano de Escravos no Século XVIII. In PANTOJA, Selma; SARAIVA, Flávio José. Angola e Brasil nas Rotas do Atlântico Sul. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1999. Pp. 11-67.

PEREIRA, José Neilton. Além das Formas, a Bem dos Rostos: faces mestiças da produção cultural barroca recifense (1701-1789). Mestrado em História – UFRPE. Recife, 2009.

REIS, João José. A Morte é uma Festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo, Companhia das Letras. 1991

REIS, João José. Identidade e Diversidade Étnicas nas Irmandades Negras no Tempo da Escravidão. Tempo. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1996, p. 7-33.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Fidalgos e Filantropos: a Santa Casa de Misericórdia da Bahia, 1550-1755. Brasília: Ed. da UNB, 1981.

SAMPAIO, Juliana da Cunha. Irmãs do Rosário de Santo Antônio: Gênero, Cotidiano e Sociabilidade em Recife (1750-1800). Mestrado em História – UFRPE. Recife, 2009.

SCARANO, Julita. Devoção e Escravidão – A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos no Distrito Diamantino do Século XVIII. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1975.

SILVA, Kalina Vanderlei. Nas Solidões Vastas e Assustadoras: a conquista do sertão de Pernambuco pelas vilas açucareiras nos séculos XVII e XVIII. Recife, CEPE. 2010.

______. Festa e Memória da Elite Açucareira no Século XVII: a ação de graças pela restauração da Capitania de Pernambuco contra os holandeses. In: OLIVEIRA, Carla Mary S.; MENEZES, Mozart Vergetti de; GONÇALVES, Regina Célia. [orgs.]. Ensaios sobre a América Portuguesa. João Pessoa, Editora Universitária da UFPB, 2009. p 67-80.

SMITH, Robert. Décadas do Rosário dos Pretos – Documentos da Irmandade. in SILVA, Leonardo Dantas (org.). Alguns Documentos para a História da Escravidão. Recife, Ed. Massangana. 1988. Pp. 93-122.

SOUZA, Mariana de Mello e. Reis Negros no Brasil Escravista: História da festa de coroação do rei do Congo. Belo Horizonte, Ed. UFMG. 2002.

TINHORÃO, José Ramos. As Festas no Brasil Colonial. São Paulo: 34. 2000.

TORRES, Cláudia Viana. Um Reinado de Negros em Um Estado de Brancos: organização de escravos urbanos em Recife no final do século XVIII e início do XIX (17741815). 1997. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Fontes Impressas e Manuscritas:

COMPROMISSO da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos da Vila do Recife. 1782; Arquivo Histórico Ultramarino (AHU–PE), Códice 1303. COUTO, Domingos Loreto. Desagravos do Brasil e Glória de Pernambuco. Recife, Fundação de Cultura Cidade do Recife. 1981.

GRACIAN, Baltasar. El Héroe (1669). Alicante, Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes, 2005. KOSTER, Henry. Viagens ao Nordeste do Brasil. Fortaleza, ABC editora. 2003. 2 vols.

LIVRO de Registro de Pagamento de foros da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos da Vila de Santo Antônio do Recife. 1764-1791. IPHAN - 5ª Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Recife.

MANUSCRITOS da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos do Recife. in SILVA, Leonardo Dantas (org.). Alguns Documentos para a História da Escravidão. Recife, Ed. Massangana. 1988. Pp. 122-197.

O PRETO Manuel Nunes da Costa governador dos pretos marcadores de caixa de açúcar. Arquivo Público Jordão Emerenciano - APEJE, Coleção Patentes Provinciais, Volume 2, folha 198.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i06p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional