Funções Retóricas de Atenuadores em Artigos científicos: uma análise comparativa

Gerenice Ribeiro de Oliveira Cortes

Resumo


Resumo: Este estudo se propõe a investigar as funções retóricas de atenuadores (hedges) na construção do ethos do escritor no discurso científico, estabelecendo-se a comparação do uso desses recursos retóricos entre diferentes disciplinas. O corpus consiste das seções de Discussão/Conclusão de oito artigos científicos, (dois de Sociologia, dois de História, dois da área da Saúde, um de Biologia e um de Fitopatologia). Como ferramenta metodológica, foi utilizado o método de análise lexical/programa STABLEX, desenvolvido por Camlong (1996). Os resultados sugerem a existência de variações no uso quantiqualitativo das categorias de atenuadores entre as disciplinas, evidenciando diferenciadas formas de argumentação no discurso científico.

Palavras-chave: atenuadores; discurso científico; ethos; stablex.

 

Abstract: This paper aims to investigate  hedge’s rhetorical functions in the construction of the writer’s ethos in scientific discourse, establishing the comparison of the use of those rhetorical recourses among distinct disciplines. The corpus consists of the Discussion/Conclusion sections of eight Research Articles (two of Sociology, two of History, two of Health Studies, one of Biology, and one of Fitopatology). The lexical analysis method/STABLEX - software developed by Camlong (1996) - was used as methodological tool. The results suggest the existence of variations in the quantitative-qualitative use of hedge’s categories among subject areas, becoming evident the different ways of argumentation in scientific discourse.

Key-words: hedges; scientific discourse; ethos; stablex.


Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, B; QIN, J; LANCASTER, F.W. 1994. Persuasive Communities: A Longitudinal Analysis of References in the Philosofical Transactions of the Royal Society -1665-1990. In: Social Studies of Science, vol. 24 (1994), pp. 279-310.

AMOSSY, Ruth. 2005. Da noção retórica de ethos à análise do discurso. In: AMOSSY, R. (org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto.

BAKHTIN, M. (Voloshinov, V.N. -1929). 1992. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.

______. 2000. Os gêneros do discurso. In: Bakhtin, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes.

BALOCCO, Anna E. 2004. Gênero e Identidade: Um Estudo de Caso. Disponível em http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/cd/Port/19.pdf. Acesso em 13 de setembro de 2007.

BAZERMAN, C. 2007. Escrita, Gênero e Interação Social.. Judith C. Hoffnagel, Ângela Paiva Dionísio (orgs.). São Paulo: Cortez.

______. 2006. Gênero, Agência e Escrita. Judith C. Hoffnagel, Ângela Paiva Dionísio (orgs.). São Paulo: Cortez.

______. 2005 Gêneros Textuais, Tipificação e Interação. Ângela Paiva Dionísio, Judith Chambliss Hoffnagel (orgs). São Paulo: Cortez.

______. 1988 Shaping Written Knowledge: The Genre and Activity of the Experimental Article in Science. WAC Clearinghouse Landmark Publications in Writing Studies. Disponível em: http://wac.colostate.edu/books/bazerman_shaping/Acesso em 15/05/2007.

CAMLONG, André. Méthode d'analyse lexicale textuelle et discursive. Paris, C.R.I.C. & OPHRYS, 1996.

CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. 2004. Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto.

CHERRY, Roger D. 1998. Ethos Versus Persona: Self-Representation in Written Discourse. Written Communication, n.15, p. 384-410.

CORACINI, M. J. 1991. Um fazer persuasivo: o discurso subjetivo da ciência. Campinas-SP: Pontes.

CROMPTON, P. 1997. Hedging in Academic Writing: Some Theoretical Problems. English for Specific Purposes, v. 16, n. 4.

CURNICK, L. 1999. The use and distribution of hedges in scientific discourse: using modals as models. The ESPecialist, v. 2, n.1, p.01-28.

DIMARCO, C. & MERCER, R. 2004. Hedging in Scientific Articles as a Means of classifying Citations.Disponível em: http://ai.uwaterloo.ca/cdimarco/pdf/publications/AAAISymp2004.pdf. Acesso em 20 de dez. 2007.

EGGS, E. Ethos aristotélico, convicção e pragmática moderna. 2005. In: AMOSSY, R. (org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto.

GONZÁLEZ, O. B. 2002. Hedging en el Discurso Científico. ANAIS do XIII Encuentro de SONAPLES. Universidad de Los Lagos. Disponível em www.sonaples.cl/docs/acta11.doc. Acesso em 12/01/2008.

HOLMES, Richard. 1997. Genre Analysis, and the Social Sciences: An Investigation of the Structure of Research Article Discussion Sections in Three Disciplines. Englhish for Specific Purposes, Vol. 16, N. 4, pp.321-337.

HYLAND, K. 1999. Academic Attribuition: Citation and the Construction of Disciplinary Knowledge. Applied Linguistics 20(3), pp. 341-367.

______. 1998. Hedging in Scientific Research Articles. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company.

______. 1996. Writing Without Conviction? Hedging in Science Research Articles. Applied Linguistics, v. 17, n. 4., p.433-454.

______. 1995. The Author in the Text: Hedging Scientific Writing. Hong Kong Papers In Linguitic and Linguage Teaching, 18. Disponível em: http://www.eric.ed.gov/ERICDocs/data/ericdocs2sql/content_storage_01/0000019b/80/14/4e/3b.pdf. Acesso em 05/01/2008.

KELLY, G. J. & BAZERMAN, C. 2003. How Students Argue Scientific Claims: A Rhetoric-Semantic Analysis. In: Applied Linguistics, Vol. 24, N. 1, pp.28-55.

MALUFE, J. R. 1992. A retórica da ciência: uma leitura de Goffman. São Paulo: EDUC.

MARCUSCHI, L.A. 2002. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: Angela P. Dionísio, Anna R. Machado e Maria A. Bezerra. Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna.

MARINKOVICH, Juana e BENITEZ, R. 2000. Aproximaciones al análisis intertextual del discurso científico. Revista Signos, 2000, v. 33, n. 48, p. 117-128.

MILLER, Carolyn R. 1994. Rhetorical Community: The Cultural Basis of Genre. In: Aviva Freedman & Peter Medway. Genre and New Rhetoric. London, Taylor & Francis, p.67-78.

______.1984. Genre as social action. Quarterly Journal of Speech 70, p. 151-167.

PERELMAN, C. & OLBRECHTS-TYTECA, L. 2005. Tratado de argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes.

REZENDE, P. & HEMAIS, B.. 2004. Análise comparativa de artigos científicos da área de saúde. In: The Especialist, vol. 25, n. 2, p. 131-152.

ROSA, Margareth. 1992. Marcadores de Atenuação. São Paulo: Contexto.

SALAGER-MEYER, F. 1994. Hedges and textual communicative function in medical english written discourse. English for Specific Purposes, v. 13, n.2, p.149-170.

SOUZA, Marli G. C. 2005. Interface do texto e a informática.Recife: Ed. Universitária da UFPE.

SWALES, J. 1990.Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i05p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional