O Mito de Θεύϑ [Theuth]: Estudos Mitopoiéticos do Diálogo Platônico de Phædrus 274c-275b

David Pessoa de Lira

Resumo


Resumo: Geoffrey Kirk, Walter Berkert, Maria Helena da Rocha Pereira defendem que o mito (μῦϑος) pertence a uma classe mais geral de um conto tradicional e se constitui um fenômeno da linguagem. Segundo Severino Croatto: “O mito é o relato de um acontecimento originário, no qual os Deuses agem e cuja finalidade é dar sentido a uma realidade significativa”. Pressupõe que o fato básico do mito está na sua transmissão e preservação da oralidade à escrita, desenvolvendo-se no nível cronológico e histórico-social. Enquanto linguagem (λόγος), ele pertence à categoria do sentido e submetido à ordem literária; enquanto ficção ou composição, sua ênfase está no emprego do significante e na elaboração da poíesis. Embora ele seja um conto de estória não-factual, é comunicacional e submetido à hermenêutica como discurso (λόγος).  A filosofia não encerra senão um problema da linguagem acerca do μῦϑος e do λόγος. Através da História da Filosofia Antiga, a composição, como incide nos escritos platônicos, é retomada e renovada semelhante a um processo para incutir o próprio verídico. Pereira salienta que se trata de “uma das grandes surpresas da capacidade mitopoiética dos Gregos”. O presente artigo objetiva apresentar, através da análise mitopoiética de Phædrus 274c-275b, como Platão, por meio de Sócrates, utilizou da ficção dos elementos essenciais do mito de Θεύϑ para dar sentido à realidade significativa.

Palavras-chave: Mitopoiética; mito; Phædrus; μῦϑος e λόγος.

 

Abstract: Geoffrey Kirk, Walter Berkert, Maria Helena da Rocha Pereira defend that the myth (μῦϑος) belongs to the more general class of traditional tale and is a phenomenon of the language. According to Severino Croatto: “The myth is the report of an original event, in which the Gods act and whose purpose is to give sense to a significant reality”. One assumes that the basic fact of the myth is in its transmission and preservation from the orality to the writing, being developed in the chronological and social-historical level. As language (λόγος), it belongs to the category of the sense and subjected to the literary order; as fiction or composition, its emphasis is in the use of the significant and in the elaboration of the poíesis. Though it is a story of non-factual story, as speech (λόγος), it is comunicacional and subjected to the hermeneutics. The philosophy does solve except a problem of the language about μῦϑος and λόγος. Through the History of the Ancient Philosophy, as it happens in the Platonic writings, the composition is retaken and renewed as a process to instil the true thing itself. Pereira points out that it deals with “one of the great surprises of the mythopoietic capacity of the Greek”. This article aims to present, through the mythopoietic analysis of Phædrus 274c-275b, how Plato, by Socrates, used the fiction of the essential elements of the myth of Θεύϑ to give give sense to the significant reality.

Key words: Mitopoietics; myth; Phædrus; μῦϑος e λόγος.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRÃO, Bernadette Siqueira (Org.). História da Filosofia. São Paulo: Nova Cultural. 2004. 480p.

ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática Latina: curso único e completo. 30 ed. atual. com suplementos e respostas. São Paulo: Saraiva, 2011. 656p.

ATHENAEUS. The Learned Banqueters: books 3.106e-5. Edited and Translated by S. Douglas Olson. Cambridge (MA); London: Harvard University Press, 2006. v. 2. 582p.

BOYLAN, Patrick. Thoth, The Hermes of Egypt: A Study of Some Aspects of Theological Thought in Ancient Egypt. London: Oxford University Press, 1922. 215p.

BURKERT, WALTER. Structure and History in Greek Mythology and Ritual. Berkeley; Los Angeles; London: University of California Press, 1982. 226p.

CICERO, M. TULLIUS. De Natura Deorum Libri Tres. With Introduction and Commentary and edited by Joseph B. Mayor together with a new collation of several of the English mss. by J. H. Swainson. Cambridge: Cambridge University Press, 2009. v. 3. 247p. (Cambridge Library Collection).

CICERO. De Natura Deorum, Academica. With an English Translation by H. Rackham. Cambridge (MA): Harvard University Press; London: William Heinemann Ltd, 1967. v. 19. 583p. (Loeb Classical Library).

CROATTO, José Severino. As Linguagens da experiência religiosa: uma introdução à fenomenologia da religião. 3. ed. Tradução de Carlos Maria Vásquez Gutiérrez. São Paulo: Paulinas, 2010. 521p.

DEFINA, Gilberto. Teoria e Prática de Análise Literária. São Paulo: Pioneira, 1975. 148p. (Manuais de estudo).

DICIONÁRIO de Latim-Português, Português-Latim. Porto: Porto, 2010. 539p., 617p.

DURANDO, Furio. A Grécia Antiga. Tradução de Carlos Nougué. Barcelona: Ediciones Folio, 2005. 288p.

ELIADE, Mircea. Tratado de História das Religiões. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010. 479p.

HOMERO. Ilíada: de Homero. Tradução de Haroldo de Campos. Introdução e organização por Trajano Vieira. 5. ed. São Paulo: Arx, 2008. 2 v.

KIRK, Geoffrey. Stephen. Myth: Its Meaning and Functions in Ancient and Other Cultures. Berkeley; Los Angeles: CUP Archive, 1970. 299p.

LIDDELL, Henry George; SCOTT, Robert. A Greek-English lexikon. Revised and Augmented by Henry Stuart Jones with the Assistance of Roderick McKenzie with the Cooperation of many scholars. With Revised Supplment. Oxford: At the Claredon Press, 1996. (2042p. + 45p. + 320p. + 31p. = 2438p.).

LIRA, David Pessoa de. O Batismo do Coração no Vaso do Conhecimento: Uma Introdução ao Hermetismo e ao Corpus Hermeticum. Recife : Editora UFPE, 2015. 360p.

MORWOOD, James; TAYLOR, John (eds.). Pocket Oxford Classical Greek Dictionary. Great-Bretain: Oxford University Press, 2002. xii, 449p.

NEVES, Maria Helena de Moura. A Vertente Grega da Gramática Tradicional: Uma Visão do Pensamento Grego sobre a Linguagem. 2.ed. rev. e atual. São Paulo: UNESP, 2005. 278p.

PEREIRA, Isidro. Dicionário Greco-Português e Português-Grego. 8. ed. Braga: Apostolado da Imprensa, 1998. 1054p.

PEREIRA, Maria Helena da Rocha. Estudos de História da Cultura Clássica: Cultura Grega. 11. ed. rev. e atual. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2012. v. 1. 720p.

PIETSCHMANN, Richard. Hermes Trismegistos: Nach in ägyptischen, griechischen und orientalischen Überlieferungen. Leipzig: Verlag von Wilhelm Engelmann, 1875. 59p.

PLATO. Euthyphro, Apology, Crito, Phaedo, Phaedrus. With an English Translation by Harold North Fowler. Introduction by W. R. M. Lamb. Cambridge (MA); London: Harvard University Press, 2005. v. 1. 583p. (Loeb Classical Library).

PLATO. Laches, Protagoras, Meno,Euthydemus.With an English Translation by W.R.M. Lamb. Cambridge (MA): Harvard University Press; London: William Heinemann Ltd, 1952. v. 4. 508p.

PLATO. Lysis, Symposium, Gorgias. Edited by W.R.M. Lamb. Cambridge (MA); London: Harvard University Press, 1925. v. 3. 536p.

RUSCONI, Carlo. Dicionário do Grego do Novo Testamento. São Paulo: Paulus, 2003. 540p.

SOUSA, Manuel Aveleza. Origem, conceito e evolução do gênero fábula. In: ESOPO. Fábulas de Esopo: em texto bilingüe Grego-Português. Tradução direto do grego, prefácio, introdução e notas de Manuel Aveleza de Sousa. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Thex, 2002. XXXI-LXII.

STEPHENS, Mitchell. The rise of the image, the fall of the word. New York; Oxford Oxford University Press, 1998. 259p.

TEXTOR, Markus. Routledge philosophy guidebook to Frege on sense and reference. London; New York: Routledge, 2011. 291p. (Routledge philosophy guidebooks).

VERNANT, Jean-Pierre. Myth and Thought among the Greeks. New York : Zone Books, 2006. 505p.

WALLIS BUDGE, E. A. (Ernest Alfred). An Egyptian Hieroglyphic Dictionary. New York: Dover Publications, 1978. 1314p.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i16p22-45

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional