Um estudo laboratorial sobre as variantes platina e bonaerense dos fonemas /y/ e /ʎ/ do castelhano e as realizações do português brasileiro dos fonemas /ʃ/ e /ʒ/

Vicente Masip, José Alberto Miranda Poza

Resumo


O presente artigo apresenta os resultados da pesquisa, de análogo título,que foi realizada de julho de 2014 a junho de 2016, mediante a análise das realizações fonéticas dos fonemas portugueses /ʃ/ e /ʒ/ e dos fonemas espanhóis /y/ fricativo, palatal sonoro e /ʎ/ lateral, palatal, sonoro, segundo a variante platina, que levaram à formulação da seguinte hipótese: “Há mais convergências articulatórias e acústicas do que divergências entre as realizações fonéticas dos fonemas portugueses /ʃ/ e /ʒ/ e as realizações fonéticas dos fonemas espanhóis /y/ e /ʎ/, segundo a variante platina e a variante bonaerense”. A partir do estudo laboratorial realizado no PRAAT, embasados na classificação acústica de Jackobson & Halle (1973), foram coletados dados mediante o registro de produções de falantes de língua portuguesa residentes em Pernambuco, e de falantes de língua espanhola, oriundos das regiões onde se usam as variantes descritas: a platina (Argentina, Paraguai, Uruguai) e a bonaerense (Buenos Aires). Após análise e contraste dos dados coletados, consideramos demonstrada a hipótese formulada no início do presente artigo, abrindo o caminho para novas considerações referentes à descrição dos sistemas fonológicos castelhano e português.


Palavras-chave


Variante platina. Variante bonaerense. Fonética acústica. Linguística contrastiva.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i19p23-45



 

Qualis (CAPES): B1 (Quadriênio 2013-2016)

Diretórios:


Indexadores:

 JURN: Get the research you need, free

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

 

 

Institucional