Concepção de discurso e de poder em algumas passagens dos livros alfa e gama da Retórica de Aristóteles

Vicente Masip Viciano, David Pessoa Lira

Resumo


Aristóteles define a retórica como a faculdade de teorizar o que é adequado em cada caso, para convencer ou persuadir mediante o discurso, uma atividade oral e escrita composta de exórdio, exposição, persuasão e epílogo, que detém um poder intrínseco, baseado na verdade e na sua demonstração mediante entimemas1, máximas e exemplos, e um poder extrínseco, resultado de uma conjunto rico e complexo de componentes situacionais, entre os quais é preciso destacar o talante2 do orador, a sua capacidade de captar o tipo de auditório que o escuta, de suscitar e de conduzir paixões, assim como uma série de estratégias, entre as quais sobressaem a claridade da expressão, a seleção de palavras, o uso de metáforas, epítetos ou diminutivos, a correção, o ritmo, a construção das frases e a elegância, ou seja, tudo aquilo que colaborar para que a verdade se imponha e triunfe sobre falsos silogismos, aporias e falácias.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i24p346%20-%20364



 

Qualis (CAPES): B1 (Quadriênio 2013-2016)

Diretórios:


Indexadores:

 JURN: Get the research you need, free

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

 

 

Institucional