O Clarimundo: uma "figura metaphorica" composta por João de Barros

Flávio Antônio Fernandes Reis

Resumo


No presente artigo, buscamos interpretar um juízo do conhecido historiador português quinhentista João de Barros, mencionado no prólogo da Primeira Década de Ásia, acerca da sua narrativa de juventude: “uma pintura metafórica de exércitos e vitorias humanas, nessa figura racional do Emperador Clarimundo”. Com esses termos, Barros alude à Prymeira parte da cronica do emperador Clarimundo, donde os Reys de Portugal descendem, considerada primeira narrativa de cavalaria quinhentista portuguesa, publicada por Germão de Galharde em 1522. Buscamos realizar nossa interpretação segundo as categorias verossímeis à época de composição do texto, valendo-nos, portanto, de noções retóricas, poéticas e de filosofia moral praticados no tempo.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Isabel de. Livros de cavalaria portugueses: do Renascimento ao Maneirismo, Lisboa, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, Tese de Doutoramento, cópia xerocopiada com autorização da autora, 1998.

ARISTÓTELES. Retórica. Tradução de Manuel Alexandre Júnior. Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1999.

BEJA, Frei António de. Breve doutrina e ensinança de Príncipes. Reprodução fac-similada da edição de 1525. Introdução de Mário Tavares Dias. Lisboa: Instituto de Alta Cultura, 1965

BARROS, João de. Primeira parte da cronica do emperador Clarimũdo, donde os reis de Portugal descendem. Lisboa: Germão de Galharde, 1522.

__________ Primeira Parte da Cronica do Emperador Clarimundo, donde os Reys de Portugal descendem. Lisboa, Por Antonio Alvarez, 1601.

__________ Panegíricos. Edição de M. Rodrigues Lapa. Lisboa: Sá da Costa, 1937.

__________ Dialogo de preceitos moráes cõ a prática delles, em modo de iogo. Lisboa, Per Luis Rodrigues, 1540.

__________ Decada primeira da Asia de João de Barros dos feitos que os portugueses fezerão no descobrimento e conquista dos mares e terras do Oriente, impresso em Lisboa por Jorge Rodriguez, em 1628.

BARTHES, Roland. Retórica Antiga. In: A aventura semiológica. Trad. de Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ERASMO DE ROTTERDAM. Enquiridion Manual do caballero cristiano. Madrid: Biblioteca de Autores Cristãos, 1991.

FARIA, Manuel Severim de. Discursos varios políticos por Manoel Severim de Faria Chantre, & Conego na Santa Sê de Euora. Em Euora: impressos por Manoel Carvalho, impressor da Vniversidade, 1624.

FARIA E SOUSA, Manuel de. Prólogo. In: Lusiadas de Luis de Camoens, principe de los poetas de españa etc. Madrid, Por Ivan Sanchez, 1639

HANSEN, João Adolfo. Alegoria: construção e interpretação da metáfora. São Paulo: Hedra; Ed. da UNICAMP, 2006.

__________ A sátira e o Engenho. Gregório de Matos e a Bahia do século XVII. Campinas, Editora da UNICAMP, 2004.

MUHANA, Adma. A Epopeia em Prosa seiscentista: definição de um gênero. São Paulo: UNESP, 1997.

SILVA DIAS, José Sebastião da. A política cultural da época de D. João III. Coimbra, Universidade de Coimbra, 1969, 2 tomos.

SOARES, Nair de Castro. O príncipe ideal no século XVI e a obra de Jerônimo Osório. Coimbra, Instituto Nacional de Investigação Científica, 1994.

TOMÁS DE AQUINO. La monarquia (De regno). Estudo preliminar, traducción e notas de Laureano Robles y Angel Chueca, Madrid, Tecnos, 2007.

VASCONCELOS, Jorge de. Memorial das proezas da segunda Távola Redonda por Jorge de Vasconcellos. Lisboa, Typ. do Panorama, MDCCC LXVII.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional