A produção escrita de texto dissertativo-argumentativo em livros didáticos: um estudo comparativo

Marcos Rogério Martins Costa, Mariana Viel, Maria Inês Batista Campos

Resumo


No ensino médio, a disciplina Língua Portuguesa tradicionalmente vem sendo articulada – e ratificada pelos livros didáticos (doravante LDs) – em três frentes, a saber: literatura, gramática e produção textual. Dessas três vertentes, selecionamos a produção textual. Dentro desse campo de estudo, o objeto  de nosso debate é o ensino da argumentação por meio da produção escrita. Para tanto, dois LDs aprovados pelo Programa Nacional de Livro Didático 2012 (PNLD, 2012) constituem o nosso corpus, a saber: Português linguagens, de Cereja e Magalhães (2010), e Tantas linguagens, de Campos e Assumpção (2012). A partir dessas obras, emparelhamos e comparamos os capítulos que introduzem o tema da argumentação e seus gêneros e tipologias textuais. Por meio desse cotejo,  confirmamos nosso objetivo que é constatar como está sendo ensinado o objeto de ensino argumentação nos livros didáticos aprovados pelo PNLD 2012 (BRASIL, 2011), para, com isso, fazermos um exame, mesmo que não exaustivo, da realidade didática brasileira no concernente à produção textual.

Texto completo:

PDF

Referências


BAGNO, M. O preconceito linguístico. O que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 1999.

BATISTA, A. A. G. Um objeto variável e instável: textos, impressos e livros didáticos. In: ABREU, M. (Org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras: ALB; São Paulo: Fapesp, 2000.

BRAIT, B.; ROJO, R. Gêneros: artimanhas do texto e do discurso. São Paulo: Escolas Associadas, 2003.

BRASIL. Guia de livros didáticos: PNLD 2012. Língua Portuguesa. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2011.

CAMPOS, M. I.; ASSUMPÇÃO, N. Tantas linguagens. Língua Portuguesa: literatura, produção de textos e gramática. vol. 3. São Paulo: Scipione, 2012.

CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C. Português linguagens. Literatura, produção de texto, gramática. São Paulo: Saraiva, 2010.

FARACO, A.; CASTRO, Por uma teoria lingüística que fundamente o ensino de língua materna (ou de como apenas um pouquinho de gramática nem sempre é bom). Educar em Revista. vol. 15. 1999. p. 1-9. Disponível em: . Acesso em: 21/11/2012.

KOCH, I. V. Parâmetros curriculares nacionais, lingüística textual e ensino de línguas. Revista do GELNE. Vol. 4, n. 1, 2002. Disponível em: < http://www.gelne.ufc. br/revista_ano4_no1_02.pdf >. Acesso em: 31/10/2012.

KOCH, I. V.; VILELA, M. Gramática da língua portuguesa: gramática da palavra, gramática da frase, gramática do texto/discurso. Coimbra: Almedina, 2001.

KOCH, I. V. A coesão textual. 4. ed. São Paulo: Contexto, 1991.

OLIVEIRA, J. B. A.; GUIMARÃES, S. D. P.; MOMÉNY, H. M. B. A política do livro didático. São Paulo: Summus; Campinas: Ed. da Universidade Estadual de Campinas, 1994.

PLATÃO; F.; FIORIN, J. L. Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1996.

SAUSSURE, F. de. Curso de linguística geral. Tradução por Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blinkstein. 3. ed. São Paulo: Cultrix, 1971.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Os gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i12p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional