Foucault e Borges: historicidades em comunidades fantástico-metafísicas

Breno Anderson Souza de Miranda

Resumo


Há em Foucault e Borges uma potenciação da práxis política da palavra fantástica e monstruosa, que compõe mundos metafísicos permeados também de historicidades, realismos cruéis e engrenagens de poder. A palavra fantástica (utópica e política) não se limita a projetos conciliadores que vão ao encontro de alguma poética disciplinada do belo ou do horror. O sentimento de “manter juntos” é por vezes até distópico; o riso ( conceito caro a Foucault) dos encontros em comunidade (física e epistemológica) acompanha um aparente mal-estar.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. O ensaio como forma. In: _____. Notas de Literatura I. Trad. Jorge de Almeida. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, p. 15-45, 2003.

ARENDT, Hannah. Conferencias sobre la filosofía política de Kant. Trad. Carmen Corral.

Buenos Aires: Paidós, 2003.

BENAVIDES, Manuel. Borges y la metafísica. Cuadernos Hispanoamericanos, n. 505-507, julio-septiembre 1992, Madrid, p. 247-268.

BORGES, Jorge Luis. A penúltima versão da realidade. In: ______. Discussão. Obras completas. v. 1. Trad. Josely Vianna Baptista. São Paulo: Globo, 2001, p. 209-213.

BORGES, Jorge Luis. Utopia de um homem que está cansado. In: ______. Livro de areia. Obras Completas, v. III. Trad. Lígia Morrone Averbuck. São Paulo: Editora Globo, p. 59-64, 1999.

BORGES, Jorge Luis; GUERRERO, Margarita. Os Elói e os Morlocks. In: ______. O livro dos seres imaginários. Tradução Carmen Vera Cirne Lima. Porto Alegre; Rio de Janeiro: Globo, 1985, p. 199.

BOSI, Alfredo. O tempo e os tempos. In: NOVAES, Adauto (org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 19-33.

COLOMBANI, María Cecília. Monstruos, crímenes y otros: construyendo el topos de la degeneración. Aletria, Belo Horizonte, n. 3, v. 20, p. 85-101, 2010.

COSTA LIMA, Luiz. Um estranho no ninho: Kant e a consideração da mímesis. In: ______. Mímesis: desafio ao pensamento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000, p. 45-60.

DE CERTEAU, Michel. The black sun of language: Foucault. In: ______. Heterologies: discourse on the other. Translated by Brian Massumi. Minneapolis; London: University of Minnesota Press, 1986 (a), p. 171-184.

DE CERTEAU, Michel. The laugh of Michel Foucault. In: ______. Heterologies: discourse on the other. Translated by Brian Massumi. Minneapolis; London: University of Minnesota Press, 1986 (b), p. 193-198.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O plano de imanência. In: ______. O que é a filosofia?. Tradução de Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, p. 83-109, 2007 (b).

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Geo-filosofia. In: ______. O que é a filosofia?. Tradução de Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, p. 113-146, 2007 (a).

FOUCAULT, Michel. Linguagem e literatura. In: MACHADO, Roberto. Focault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005, p. 137-174.

FOUCAULT, Michel. Prefácio. In: ______. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. Martins Fontes: São Paulo, p. IX-XXII, 2007 (a).

FOUCAULT, Michel. Las Meninas. In: ______. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2007 (c), p. 3-21.

FOUCAULT, Michel. Os limites da representação. In: ______. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2007 (d), p. 297-342.

FOUCAULT, Michel. A formação dos objetos. In: ______. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 45-55, 2007 (b).

FOUCAULT, Michel. O que é a crítica? [Crítica e Aufklärung]. Qu'est-ce que la critique? Critique et Aufklärung. Bulletin de la Société française de philosophie, vol. 82, nº 2, p. 35 - 63, avr/juin 1990 (Conferência proferida em 27 de maio de 1978). Tradução Gabriela Lafetá Borges. Texto disponível em: . Acesso em 10 de Agosto de 2009.

HARTOG, François. A arte da narrativa histórica. In: BOUTIER, Jean; JULIA, Dominique. (orgs.). Passados Recompostos: campos e canteiros da história. Tradução Marcella Mortara e Anamaria Skinner. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Editora FGV, 1998, p. 193-202.

MACHADO, Roberto. A morte. In: ______. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, p. 53-84, 2005.

MACHADO, Roberto. Uma arqueologia do saber. In: ______. Foucault: a ciência e o saber. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, p. 111-142, 2006.

MELLO E SOUZA, Laura de. O novo mundo entre Deus e o Diabo. In: ______. O Diabo e a Terra de Santa Cruz. São Paulo: Companhia das Letras, 1986, p. 21-85.

MIRANDA, Breno Anderson Souza de. As rosas de R(R)osas. Exílio, utopia e imaginação urbana nas “margens”. Facundo e Borges. Dissertação (Mestrado em História). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2007.

POMIAN, Krzysztof. A história das estruturas. In: LE GOFF, Jacques; CHARTIER, Roger; REVEL, Jacques (orgs.). A nova história. Coimbra: Almedina, 1990, p. 183-208.

SAHLINS, Marshall. Esperando Foucault, ainda. Tradução Marcela Coelho de Souza e Eduardo Viveiros de Castro. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

SANTIAGO, Silviano. A ameaça do lobisomem. In: ______. O cosmopolitismo do pobre: crítica literária e crítica cultural. Belo Horizonte: Editora UFMG, p. 213-231, 2004.

THOMPSON, Kevin. Historicity and transcendentality: Foucault, Cavaillès, and the phenomenology of the concept. History and Theory, Wesleyan University, n. 47, p. 1-18, 2008.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i12p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional