Shoah: tempo, arquivo, canção

Gustavo Silveira Ribeiro

Resumo


O artigo analisa a presença de três canções no filme Shoah, de Claude Lanzmann, de modo a explicitar como, a partir desses fragmentos poéticos, é possível reconsiderar a questão do arquivo e da memória, conceitos-chave do projeto estético e político do diretor.


Texto completo:

PDF

Referências


BEAUVOIR, Simone. A memória do horror. In: Shoah. São Paulo: Brasiliense, 1987; p. 7-15.

CARPEAUX, Otto Maria. Uma nova história da música. Rio de Janeiro: Editorial Alhambra, 1977.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo. Trad. Cláudia Rego Morais. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2001.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Montage-image or Lie-image. In: Images in spite of all. Tr. Shane B. Lillis. Chicago: University of Chicago Press, 2008; p. 120-150.

FRIEDMAN, Elizabeth. The anti-archive? Claude Lanzmann’s Shoah and the dilemmas of holocaust representation. In: English language notes. Boulder: University of Colorado, 2007; p. 111-121 (vol. 45)

LANZMANN, Claude. Shoah. 548’. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2013 (DVD).

LANZMANN, Claude. Shoah. Vozes e faces do Holocausto. Trad. Maria Lúcia Machado. São Paulo: Brasiliense, 1987.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i12p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional