O brincar enquanto ação de linguagem: uma análise à luz do Interacionismo Sociodiscursivo

Renata de Lourdes Costa de Menezes, Regina Celi Mendes Pereira

Resumo


Resumo: O presente estudo objetiva analisar o brincar que se estabelece no setting psicanalítico enquanto ação de linguagem. Como corpus de pesquisa, lançamos mão de um fragmento de sessão em que o brincar de uma criança ocorreu de modo não diretivo. A linguagem simbólica empregada na ação lúdica foi comparada ao sintoma e à situação pessoal, familiar e social da criança; interpretada por analogia ao texto narrativo, e analisada à luz do Interacionismo Sociodiscursivo. Reconhecido enquanto ação de linguagem, o brincar ultrapassou as fronteiras da materialidade escrita ou oralizada, abrindo possibilidades de leitura e interpretação das diferentes interações sociais situadas.

Palavras-chave: Brincar; Linguagem; Interacionismo Sociodiscursivo; Psicanálise.

 

Abstract: This study aims to analyze the symbolic play that takes place in the psychoanalytic setting as language action. The corpus used for the research consisted of a fragment of a session where a child’s play occurred in a nondirective way. The symbolic language used in the playful action was compared to the personal, family and social symptoms and situation of the child; interpreted by analogy to the narrative text, and analyzed in the perspective of Socio-discursive Interactionism theory. Recognized as language action, the symbolic play was beyond the borders of the written materiality or oral function, opening possibilities of reading and interpretation of the different situated social interactions.

Keywords: Play; Language; Socio-discursive Interactionism; Psychoanalysis.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BRONCKART, J. P. Atividades de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sociodiscursivo. São Paulo: Educ, 1999.

_____. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. São Paulo: Mercado de Letras, 2006.

_____. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008.

GOULART, C. M. T.; SPERB, T. M. Histórias de criança: as narrativas de crianças asmáticas no brincar. Psicologia: Reflexão e Crítica. Porto Alegre: Gráfica Metrópole, v. 16, n. 2, 2003, p. 355-365.

VIEIRA, A. G.; SPERB, T. M. O brinquedo simbólico como uma narrativa. Psicologia: Reflexão e Crítica. Porto Alegre: Gráfica Metrópole, v. 11, n. 2, 1998, p. 233-252.

_____. O brincar simbólico e a organização narrativa da experiência de vida na criança. Psicologia: Reflexão e Crítica. Porto Alegre: Gráfica Metrópole, v.20, n.1, 2007, p. 9-19.

VORCARO, A.; VERAS, V. O brincar como operação de escrita. Estilos da Clínica. São Paulo: LEPSI, v.13, n.24, 2008, p.24-39.

WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1975.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i14p284-295

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional