Por uma descrição consiliente do romance

Pedro Dolabela Chagas

Resumo


Resumo: Discute-se o impacto potencial sobre a crítica literária e a teoria do romance de três pressupostos sobre a narrativa e a ficção vindos da psicologia evolutiva, do estudo da evolução cultural humana, das ciências cognitivas e da neurociência, quais sejam: 1) a atribuição de uma origem evolutiva para a narrativa e para a ficção, com a discussão sobre as suas possíveis vantagens adaptativas; 2) a compreensão da narrativa como uma espécie de jogo cognitivo; 3) a naturalização da teoria linguagem. Num diálogo com António Damásio, Dennis Dutton, Patrick Colm Hogan e Steven Pinker, coloca-se em prática a ideia de consiliência – de unidade do conhecimento – para a construção de uma interface com aqueles ramos da ciência contemporânea que reconheça o histórico de sucesso da teoria literária na compreensão dos seus objetos e fenômenos de interesse, agregando-lhes novas perspectivas e possibilidades de pesquisa.

Palavras-chave: Teoria da Ficção, Teoria do Romance, Evolução Humana, Cognição, Neurociência.

 

Abstract: The article debates the potential impact upon literary critique and the theory of the novel of three propositions about narrative and fiction developed by cognitive science, neuroscience, evolutionary psychology, and by the study of human cultural evolution: 1) the attribution of an evolutionary origin to narrative and fiction, with its potential adaptive benefits; 2) the understanding of narrative as a kind of cognitive game; 3) the naturalization of the theory of language. In a dialogue with António Damásio, Dennis Dutton, Patrick Colm Hogan and Steven Pinker the idea of consilience – of the unity of knowledge – is put into practice as a means to build an interface with those branches of contemporary science, while recognizing literary theory’s past achievements, but also bringing new perspectives and research possibilities to it.

Key words: Theory of Fiction, Theory of the Novel, Human Evolution, Cognition, Neuroscience.


Texto completo:

PDF

Referências


BOYD, Brian. On the origin of stories. 1. ed. Cambridge: Harvard University Press, 2009. 540p.

DAMÁSIO, António. E o cérebro criou o homem. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 440p.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006. 386p.

ECHEVARRÍA, Roberto G. Mito y archivo: Una teoría de la narrativa latinoamericana. 1. ed. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica, 2000. 283p.

DUTTON, Dennis. The art instinct. Oxford: Oxford University Press, 2009. 278p.

GOTTSCHALL, Jonathan. The storytelling animal. How stories make us human. New York: Mariner Books, 2013. 248p.

HOGAN, Patrick Colm. Cognitive science, literature and the arts. A guide for humanists. New York: Routledge, 2003. 244p.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura (2 vol.). 1. ed. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1996 e 1999a.

ISER, Wolfgang. O fictício e o imaginário. 1. ed. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1999b.

KRISTEVA, Julia. O texto do romance. Lisboa : Horizonte Universitário, 1984. 231p.

MORETTI, Franco. A alma e a harpia – reflexões sobre as metas e os métodos da historiografia literária. In: Signos e estilos da modernidade. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 11-56.

PINKER, Steven. Como a mente funciona. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. 666p.

PINKER, Steven. Do que é feito o pensamento. A língua como janela para a natureza humana. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 561p.

ZUNSHINE, Liza. Why We Read Fiction: Theory of Mind and the Novel. Columbus: Ohio State University Press, 2006. 198p.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i14p335-354

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional