Quem te viu, quem te vê: a memória da ditadura brasileira entre o dizer e o silêncio

Israel de Sá

Resumo


Resumo: A construção e a produção de uma história da ditadura militar no Brasil – cada qual com seu caráter singular –, por meio de diferentes abordagens, evidenciam que diferentes memórias sobre aqueles tempos são resgatadas na atualidade. A mídia, como campo discursivo que revela aspectos do sincretismo que lhe é próprio ao invocar um sem-número de linguagens na produção dos efeitos de sentido, reitera seu papel fundamental num espaço da democracia no qual “tudo se pode dizer” mas que nem tudo é dito, caracterizando, com isso, uma rede de sentidos na profusão dos silêncios. Dessa perspectiva, pretendemos tecer algumas palavras a respeito da produção de uma memória contemporânea da ditadura militar brasileira ao observar a retomada de textos publicados naquele período e reeditados hoje, além de material veiculado na mídia sobre o período. Para tanto, nos valemos dos trabalhos desenvolvidos por Michel Foucault acerca, principalmente, das relações de poder e da produção da verdade, que são permeados pela história, além de cotejar bases da Análise do discurso de linha francesa, em especial a noção de memória discursiva.

Palavras-chave: Memória discursiva, Ditadura militar brasileira, Mídia.



Abstract: The construction and the production of a history of the military dictatorship in Brazil – each one with their singular character –, through different approaches, evidence that different memories about those times are rescued nowadays. The media – as a discursive field that reveals aspects of the syncretism, invoking a multitude of languages while producing effects of meaning – reiterates its fundamental role in a space of democracy where “anything can be said”, but not all is said, characterizing, with this, a network of meanings in the profusion of silences. From this perspective, we intend to weave a few words regarding the production of a contemporary memory of the Brazilian military dictatorship, by observing the resumption of texts published during that date (and currently reissued), in addition to publicized material by the media about the period. To this end, we rely on the work of Michel Foucault, mainly regarding the relations of power and production of truth, which are permeated by History, as we collate the basis of the French Discourse Analysis, especially on the notion of discursive memory.

Key words: Discursive memory, Brazilian military dictatorship, Media.


Texto completo:

PDF

Referências


COURTINE, Jean-Jacques. Os deslizamentos do espetáculo político. In: GREGOLIN, Maria do Rosário. Discurso e mídia: a cultura do espetáculo. São Carlos, SP: Claraluz, 2003, p. 21-34.

CHINEM, Rivaldo. Imprensa alternativa: jornalismo de oposição e inovação. São Paulo: Ática, 1995.

DINGES, John. Os anos do Condor: uma década de terrorismo internacional no Cone Sul. Tradução Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, a genealogia e a história. In: ______. Microfísica do poder. Tradução Marcelo Catan. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979a, p. 15-37.

______. Verdade e poder. In: ______. Microfísica do poder. Tradução Lílian Holzmeister e Angela Loureiro de Souza. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979b, p. 1-14.

______. A ordem do discurso. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. 11. ed. São Paulo: Loyola, 2004.

______. O olho do poder. In: MOTTA, Manoel Barros da. Michel Foucault: repensar a política. (Ditos & Escritos VI). Tradução Ana Lúcia Paranhos Pessoa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010, p. 107-125.

MADUREIRA, Marcelo. Apresentação. In: JAGUAR; AUGUSTO, César (Ed.). O Pasquim: antologia 1969-1971. v.1. Rio de Janeiro: Desiderata, 2006, s/p.

NITRINI, Dácio; SEVERIANO, Mylton; CHIODI, Amancio (Ed.). Ex-: edição fac-similar completa de novembro de 1973 a dezembro de 1975. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo / Instituto Vladimir Herzog, 2010.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. A fala de muitos gumes: as formas de silêncio. In: ______. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 2.ed. Campinas, SP: Pontes, 1987, p. 263-276.

ORWELL, George. 1984. Tradução Alexandre Hubner e Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. Papel da memória. Tradução Eni Pulcinelli Orlandi. Campina: Pontes, 1999, p. 49-57.

PIOVEZANI, Carlos. Verbo, corpo e voz: dispositivos de fala pública e produção da verdade no discurso político. São Paulo: UNESP, 2009.

SÁ, Israel de. Da repressão à abertura política: processos de espetacularização do discurso político. 2011, 213f. Dissertação de Mestrado em Linguística. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2011.

VEJA. Foi suicídio?. n. 529, Editora Abril, 25 out. 1978a, p. 27-30.

VEJA. Sob o império da lei. n. 530, Editora Abril, 01 nov. 1978b, p. 24-29.

ZOPPI-FONTANA, Mónica. As imagens do invisível. In: SARGENTINI, Vanice; CURCINO, Luzmara; PIOVEZANI, Carlos (Org.). Discurso, semiologia e história. São Carlos, SP: Claraluz, 2011, p. 163-181.




DOI: https://doi.org/10.19134/eutomia-v1i09p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

Qualis (CAPES): B1-LETRAS / LINGUÍSTICA; B1-EDUCAÇÃO; B1-FILOSOFIA/TEOLOGIA:subcomissão FILOSOFIA; B1-INTERDISCIPLINAR; B3-CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS; B3-HISTÓRIA; B3-PSICOLOGIA; B5-EDUCAÇÃO FÍSICA; B5-ODONTOLOGIA; B5-SERVIÇO SOCIAL; C-ARTES / MÚSICA

Diretórios:


Indexadores:

 

Directory of Open Access Journals


Associação de revistas acadêmicas latinoamericanas de humanidades e ciências sociais

Institucional