Características biométricas e Índices de condição da ostra-do-mangue Crassostrea rhizophorae (Guilding, 1828) do estuário do rio Ipojuca, PE, Brasil

Lucas L.S. SANTANA, Carmen MEDEIROS

Resumo


Filtradores sésseis e bioacumuladores, as ostras são bons indicadores da saúde dos estuários. Alteração das características morfológicas de suas conchas e da relação peso de sua carne para o volume de sua concha, etc. refletem a qualidade do ambiente onde vivem. O presente trabalho enfoca uma avaliação das condições da ostra-de-mangue Crassostrea rhizophorae no estuário do rio Ipojuca, um dos mais poluídos do país. Para tanto 80 indivíduos de 4 áreas do estuário foram coletados em jan/2019 (pós-desova) e out/2019 (desova), pesados e mensurados. Com base nesses dados foram calculados os índices de espessamento da concha (STI1) e o índice de qualidade da norma francesa AFNOR. Resultados revelaram por um lado, a ocorrência de ostras comercialmente classificáveis como “finas” e mesmo “especiais” em termos de seu desenvolvimento e preenchimento do espaço intervalvar das mesmas. Por outro lado, baixos valores (< 4) do índice de monitoramento STI1, forte indicador de contaminação por TBTF, alerta para a necessidade de futuras investigações para confirmar essas suspeitas bem como para investigar a adequabilidade ou não das ostras do Ipojuca ao consumo humano.

Palavras-Chave: ostra-de-mangue, Crassostrea rhizophorae, biometria, índices de condição.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5914/tropocean.v48i1.247361

Apontamentos

  • Não há apontamentos.