Novas Concepções de Gênero: O homem vaidoso e os tipos de consumidores metrossexuais

Aryane Ribeiro Maximo, Ramon Silva Leite

Resumo


A pressão por igualdade de gênero impulsionada pelo movimento feminista dos anos 70 levou a novos padrões comportamentais e de consumo, de mulheres e homens, fazendo emergir o termo metrossexual, um consumidor heterossexual mas muito vaidoso. Alguns autores brasileiros pesquisaram este perfil de consumo, mas nenhum deles fez uma distinção de perfil de consumo destes homens segundo a sua identidade de gênero, objetivo desta pesquisa. Foi conduzido um survey, com a obtenção de 212 questionários válidos, que foram tratados por meio da análise de Cluster, pela qual foram definidos seis perfis de homens metrossexuais. Esta análise possibilitou entender que este consumidor demonstra sua vaidade nos extremos, onde o nada vaidoso corrobora com uma visão machista dos papeis masculinos, e aquele que busca pela beleza utópica amplia as concepções de identidade de gênero.

Palavras-chave


Consumo de gênero, Homem vaidoso, Tipos de metrossexual.

Texto completo:

PDF

Referências


Abdala, P. R. Z. (2008). Vaidade e consumo: Como a vaidade física influencia o comportamento do consumidor. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RG, Brasil.

Arruda, A. (2000). Feminismo, genero e representações sociais. Textos de história, 8(1/2), 113-138.

Bastos, R. E. (2005). A influencia feminina no consumo masculino de cosméticos. Faculdade Ibmec, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Baudrillard, J. (2003). A sociedade de consumo. Lisboa: Edições.

Bodart, C. N. (out-dez de 2014). Vaidade masculine na modernidade. Revista Posição, 1(3), 24-27.

Bourdieu, P. (2012). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: Feminismo e subversão (R. Aguiar, Trad.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Castro, F. N. C (2011). A aparência como arma social: Um estudo exploratório sobre o comportamento de consumo masculino de produtos de cuidados pessoais. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Cecchetto, F. R. (2004). Violência e Estilo de Masculinidade. Rio de Janeiro: FGV.

Ceotto, E. C. (2013). De John Wayne a David Beckham - ressignificações das masculinidades: Um estudo em representações sociais. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Espirito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Cheng, F. S., Ooi, C. S., & Ting, D. H. (2010, february). Factors affecting consumption behavior of metrosexual: Toward Male Grooming Products. International Review of Business Research Papers, 6, 574-590.

Coelho, P. F. C. (2015). A pesquisa transformativa do consumidor: Reflexões e diretrizes para pesquisadores brasileiros. Revista Economia e Gestão, 15(40), p. 4-27.

Connell, R. (2012). Masculinity research and global change. MSC - Masculinities and Social Change, 1(1).

Constantinople, A. (1973). Masculinity-femininity: An exception to a famous dictum. Psychological Bulletin, 80, 389-407.

Deaux, K. (1985). Sex and gender. Annual Review of Psychology, 36, 49-81.

Ferreira, M. C. (1999). Identidade de gênero e atitudes sobre a mulher. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 15 (3), 249-255.

Ferreira, V. (2001). O jeito masculino de consumir. Revista Distribuição, 9(103), 30-32.

Fischer, E., & Arnold, S. J. (1990). More than a labor of love: Gender roles and christmas gift shopping. Journal of Consumer Research, 17, 333-345.

Flocker, M. (2004). O metrossexual - guia de estilo: um manual para o homem moderno. São Paulo: Planeta.

Fonseca, M. J., & Rossi, C. A. (1998). O estudo do envolvimento com o produto em comportamento do consumidor: Fundamentos teóricos e preposição de uma escala para aplicação no Brasil. Anais do EnANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Garboggini, F. B. (2008). O metrossexual: um homem do terceiro tipo In: Maria Ines Ghilardi-Lucena e Francisco de Oliveira. (Org.). Representações do masculino: mídia, literatura e sociedade (1ª ed). Campinas: Alinea, 01, 77-92.

Garcia, W. (2004). O Corpo contemporâneo: A Imagem do metrossexual no Brasil. MEMME, Revista de Humanidades, 5(11).

Garcia, W. (2011). O metrossexual no Brasil: Estudos contemporaneos. São Paulo: Factash.

Gikovate, F. (1987). Vício dos vícios: Um estudo sobre a vaidade humana. São Paulo: MG Editores Associados.

Goldenberg, M. (2000). O macho em crise: Um Tema de debate dentro e fora da academia. In: ____ (org). Os novos desejos: das academias de musculação às agências de encontros. Rio de Janeiro: Record.

Gouveia, T. M. (2006). Os homens e seus carrinhos... de compras: um estudo sobre o comportamento do consumidor masculino no supermercado. (Dissertação de Mestrado). Faculdade Ibmec, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Gouveia, T. M., Dalto, E. J. (2009, janeiro à abril). Os homens e seus carrinhos... de compras: um estudo sobre o comportamento do consumidor masculino no supermercado. READ, 15 (1).

Jain, A. K.; Murty, M. N.; Flynn, P. J. (1999, september). Data clustering: a review. ACM computing surveys. New York, 31(3), 265-323.

Kacen, J. J. (2000). Girrrl power and boyyy nature: the past, present, and paradisal future of consumer gender identity. Marketing Intelligence e Planning, 18(6), 345-355.

Kahle, L., Kennedy, P. (1989). Using the list of values (LOV) to understand consumers. The Journal of Consumer Marketing, 6(3), 5-12.

Laraia, R. D. (2002). Cultura, um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Louro, G. L. (1999). Pedagogias da sexualidade. In: Louro, G. L. (Org.). O corpo educado: Pedagodias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.

McCracken, G. (jan/mar de 2007). Cultura e consumo: Uma explicação teórica da estrutura e do movimento do significado cultural dos bens de consumo. Revista de Administração de Empresas, 47(1), 99-115.

Mcgregor, S., Goldsmith, E. (1998). Expanding our understanding of quality of life, standard of living, and well-being. Journal of Family and Consumer Sciences, 90(2), 2-6.

Michael-Weber, J., Villebonne, J. C. (2002). Canadian and French men’s consumption of cosmetics: a comparison of their attitudes and motivations. Journal of Fashion Marketing, 6(4), 396-407.

Mick, D. G.; Pettigrew, C.; Pechmann, J.; L. Ozanne(eds.). (2012). Transformative consumer research for personal and collective well-being. New York: Routledge.

Mittall, B., Holbrook, M., Beatty, S. (2008). Consumer behavior: how humans think, feel and act in the marketplace. Cincinatti: OH: Open Mantis.

Neri, R. F., Tarquini, J. R. (2011, julho). Todos querem ser David Beckham – O “Novo Homem” é fruto da mídia ou da sociedade? Anais do Intercom - XXII Prêmio Expocom 2015, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Nobusada, D., Vieira, E., Silva Leite, J., Xavier, M. C., Rafare, M. R., Carneiro, M. M. (2011, julho). O homem metrossexual e o seu comportamento de compra de cosméticos. Anais do ENFAGEN, Uberlandia, MG, Brasil.

Oliveira, M. A. (2008). O homem no espelho: Uma busca de comprensão da identidade metrossexual. (Dissertação de Mestrado). Faculdade Boa Viagem, Recife, PE, Brasil.

Oliveira, M. A., Leão, A. L. (2011). A constituição da identidade metrossexual pelo consumo. Revista de Negócios, 16(1), 87-111.

Oliveira Junior, E. B. (2012). Masculinidades em cena: O mode de ser e de pensar o metrossexual a partir das telenovelas. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.

Ozanne, J.; Mick, D.; Pechmann, C.; Pettigrew, S. (2015). Transformative consumer research. Wiley Encyclopedia of Management, 9, p. 1–4.

Palan, K. M. (2002). Gender identity in consumer behaviour research: a literature review and research agenda. Academy of Marketing Science Review, 20(10), 1-26.

Pinho, O. (2004). Qual é a identidade do homem negro? In: Democracia Viva, p. 22.

Pinto, M. R.; Batinga, G. L.; Ássimos, B. M.; Almeida, G. T. (2016). Transformative Consumer Research: Reflexões, diretrizes e uma análise do Campo no Brasil. RIMAR – Revista Interdisciplinar de Marketing, 6(2), p. 54-66.

Rocha, E. (2002). Cenas do consumo: Notas, idéias e reflexões. Revista Semear, p. 6.

Rubin, G. (1984). Thinking sex: Notes for a radical theory of the politics of sexuality. In: Abelove, H.; Barale, M.; Halperin, D. (ed.) The lesbian and gay studies reader. Nova York, Routledge.

Scott, J. (1989). Gender and the politics of history. New York: Columbia University Press.

Souiden, N., Diagne, N. (2009). Canadian and French men’s consumption of cosmetics. Journal of Consumer Marketing, 26(2), 97-109.

Taschner, G. (2010). Comunicação, sociedade e imaginários do consumo. Comunicação, Mídia e Consumo, 7(20), 37-57.

Villaça, N. (2011). In: (Garcia W.) O metrossexual no Brasil: Estudos contemporâneos. São Paulo: Factash.

Woodward, K. (2000). Identidade e diferença: Uma introdução teórica e conceitual. In: Silva, T. T. (org). Identidade e diferença: A perspectiva dos estudos culturais.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 CBR - Consumer Behavior Review - ISSN 2526-7884

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License