A Voz do Vício: As atitudes de jovens fumantes e não-fumantes quanto ao endosso do consumo de cigarros em videoclipes

Elielson Oliveira Damascena, Kamila Freitas De Arruda

Resumo


Esta pesquisa busca analisar as atitudes apresentadas por jovens frente à inserção de cigarros em videoclipes. Trata-se de uma pesquisa de cunho descritivo-exploratório, que procura suas respostas a partir da relação direta e interativa com o pesquisado, a partir de entrevistas individuais, de modo a entender o fenômeno sob a perspectiva do entrevistado. Foram apresentados dois clipes entre os mais visualizados da Billboard e a análise de dados foi feita a partir da técnica análise de conteúdo. Ao fim da pesquisa, nota-se que (1) jovens fumantes são mais liberais que os não-fumantes em relação à exibição do cigarro em videoclipes; (2) o marketing é bem sucedido ao passo que ver outras pessoas fumando influencia fumantes a continuar no hábito; (3) amigos, família e status influenciam tanto quanto ver outra pessoa fumar e; (4) o uso de endossantes nesse tipo de merchandising é bem sucedido para quem admira os artistas.


Palavras-chave


Merchan music, Atitude do consumidor, Cigarro, You Tube, Endossantes.

Texto completo:

PDF

Referências


ACT. Aliança de Controle do Tabagismo. (2007). Brasil gasta R$ 21bi com tratamento de doenças relacionadas ao tabaco. Recuperado de: .

ACT. Aliança de Controle do Tabagismo. (2011). Porque a indústria do tabaco deve ressarcir os gastos do SUS no tratamento de doenças tabaco-relacionadas.. Recuperado de: .

Araújo, A. J. (2010). Tabagismo na adolescência: Por que os jovens ainda fumam? Jornal Brasileiro de Pneumologia, 36(6).

Bauer, M. W., Gaskell, G. (2015). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático. 13ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Borges, M. T. T; Barbosa, R. H. S (2009, junho/julho). As marcas de gênero no fumar feminino: uma aproximação sociológica do tabagismo em mulheres. Ciência & Saúde Coletiva, 2(14). 1129-1139.

Brasil. Lei n. 12.546, de 14 de dezembro de 2011 (2011, 14 de dezembro). Recuperado de: .

Brasil. Lei n. 9.294, de 15 de julho de 1996 (1996, 15 de julho). Recuperado de: .

Cardoso, P. R & Gomes, N. & Freitas, E. S. L. (2010, março). O papel da música nos anúncios publicitários de televisão: uso estratégico e impacto no consumidor. Comunicação, mídia e consumo, 18(7), 11-35.

Coelho, P. F. C., (2015, julho/setembro). A pesquisa tranformativa do consumidor: Reflexões e diretrizes para pesquisadores brasileiros. E&G Economia e Gestão, 40(15), 4-27.

Conceição, A. et al (2014). Merchan Music- A arte de vender através da música: Uma análise do videoclipe Live it Up da cantora Jennifer Lopez. In: INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. 16., João Pessoa, PB.

Creswell, J. W (2007). Projeto de pesquisa: Método qualitativo, quantitativo e misto. (2ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Filho, G. G. & Caprino, M. P (2006). A propaganda de cigarro: Eterno conflito entre público e privado. In: UNESCOM – Congresso Multidisciplinar de Comunicação para o Desenvolvimento Regional. 2006, São Bernardo do Campo – SP. Brasil.

Katz, D (1960). The functional approach to the study of attitudes. Public Opinion Quarterly, 24(2), 163-204.

Lindstrom, M. (2009). A lógica do consumo: Verdades e mentiras sobre por que compramos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Lipovetsky, G. (2000, junho/dezembro) Sedução, publicidade e pós-modernidade. Revista FAMECOS, 12, 7-13.

Lovison, A. M. & Petroll, M. de La M. (2011, junho). Ética na publicidade e propaganda: A visão do executivo de agências de comunicação do Rio Grande do Sul. Cadernos EBAPE.BR, 9(2), 333–359.

Marconi, M. De A. & Lakatos (2007). Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Mick, D. G. (2006) Meaning and mattering thougt trasformative consumer research. Advanced in Consumer Research, 33.

Mirra, A. P. et al. (2013, março). Evidências científicas sobre o tabagismo para subsídio ao poder judiciário. Associação Médica Brasileira–Projeto Diretrizes.

Mooij, M. K. (2011). Consumer behavior end culture: Consequences for global marketing and advertising. 2ª ed. Londres: SAGE Publications.

Moutinho, A. V. (2008). Publicidade, tabaco e estratégias. Actas III Jornada de Publicidade e Comunicação. Portugal: Universidade Fernando Pessoa. p. 1-7.

Muniz, E. (2004). Publicidade e propaganda: Origens histórias. Caderno Universitário, 148.

Randall, V. R. (1999). History of tobacco. Recuperado de: .

Reinaldo, M. A. S. et al. (2010). Uso de tabaco entre adolescentes: Revisão de literatura. SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, 6(2), 351-364.

Reis, A. (2012, novembro). A História do Cigarro: A evolução de um produto polêmico. Recife. Recuperado de: .

Romero, N. L. & Centellas, F. C. (2008). New stages, new narrative forms: The web 2.0 and audiovisual language. Recuperado de: .

Romero, L. C. & Silva, V. L. da C. (2011). 23 anos de controle do tabaco no Brasil: A atualidade do programa nacional de combate ao fumo de 1988. Revista Brasileira de Cancerologia, 57(3), 305-314.

Santos, A. M. & Grossi, P. K. (2007, julho/dezembro). Infância comprada: hábitos de consumo na sociedade contemporânea. Textos & Contextos, 2(6), 443-454.

Sasaki, S. (2010). Smoking fetish: Representações femininas nas propagandas de cigarro (1940-1960). Diásporas, diversidade, deslocamentos. Recuperado de:

Serapioni, M. (2000). Métodos qualitativos e quantitativos na pesquisa social em saúde: Algumas estratégias para a integração. Ciência & Saúde Coletiva, 1(05).

Silva, J. M. da. (2015). O discurso na fumaça: As estratégias publicitárias utilizadas em videoclipes de música pop para incentivar o consumo de cigarros. Um estudo na perspectiva transformativa do consumidor. (Monografia Graduação em Administração) – Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, PE.

Shimp, T. A. (2009). Comunicação integrada de marketing: Propaganda e promoção. 7ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Soares, T. (2012). Videoclipe: O elogio da desarmonia. Ed. Marca de Fantasia. Série Periscópio 22. João Pessoa-PB.

Soares, T. (2008). O videoclipe como performance da canção: Apontamentos para uma análise midiática. In: INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 10., São Luis, MA. Anais. São Luis.

Solomon, M. R. (2002). O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 5ª ed., Porto Alegre: Bookman.

Think With Google. (2015). Intimidade dos brasileiros com o YouTube. Recuperado de: .

Vergara, R. & Aquino, M. (2003, junho) Ascensão e queda do Tabaco. Superinteressante, 189ª ed.

Zanetti, D. & Belo, R. (2012, setembro/dezembro). Da TV para a Web 2.0: Os novos usos do videoclipe. Contemporânea - Revista Comunicação e Cultura, Bahia, 03(10). p. 777-793.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 CBR - Consumer Behavior Review - ISSN 2526-7884

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License