Inclusão da Criança com Deficiência Visual em Serviços de Ensino sob a Perspectiva da Pesquisa Transformativa do Consumidor

Pedro Coelho, Nelsio Abreu

Resumo


Esta pesquisa teve por objetivo analisar o papel de docentes no processo inclusivo de alunos deficientes visuais do ensino fundamental. Para tanto, procedeu-se um estudo qualitativo, onde os dados foram coletados por meio de entrevistas narrativas com 16 alunos deficientes visuais do ensino fundamental e de entrevistas em profundidade com cinco responsáveis desses alunos e seis gestores e professores de uma ONG que lida com deficientes visuais.Os resultados apontam que os professoressão atores que podem promover a inclusão dos alunos, através do estímulo à integração dos alunos com os demais colegas e da adaptação das ferramentas de ensino. Contudo, os docentes podem estimular a adoção práticas exclusivas, ignorando a presença de tais alunos em sala de aula ou manifestando a sua descrença no potencial de aprendizado das crianças.


Palavras-chave


Pesquisa Transformativa do Consumidor, Inclusão escolar, Deficiência visual, Ensino Fundamental.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, M. L. T., & Duarte, E. (2004). A percepção dos alunos com deficiência sobre a sua inclusão nas aulas de Educação Física escolar: um estudo de caso. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 28(2), 329-338.

Amaro, L., Meira, P., Camargo, S., Slongo, L., & Machado, M. (2008). Em que posso ajudar? O varejo e os portadores de deficiência visual. Negócios e Talentos, 5.

ACR. Association For Consumer Research. (2017). Transformative Consumer Research. Recuperado em 11 janeiro, 2017, de http://www.acrwebsite.org/web/tcr/transformative-consumer-research.aspx.

Baker, S., Holland, J., & Kaufman-Scarborough, C. (2007b). How consumers with disabilities perceive “welcome” in retail servicescapes: A critical incident study. Journal of Services Marketing, 21(3), 160-173.

Baker, S., Stephens, D., & Hill, R. (2001). Marketplace experiences of consumers with visual impairments: Beyond the Americans with disabilities act. Journal of Public Policy & Marketing, 20(2).

Barbosa, O. T. (2014). Estímulos táteis no ambiente de varejo: investigando a experiência de consumo de indivíduos com deficiência visual na perspectiva transformativa do consumidor. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Barbosa-Lima, M. C., & Gonçalves, C. O. (2014). O ensino não formal e a formação de um professor de física para deficientes visuais. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 16(2).

Castaman, A. S. (2006). Percursos e discursos de normalização na educação especial. Revista Divisa, 4, 23-30.

Censo Escolar de 2015. (2015). INEP, Brasília. Recuperado 11 junho, 2016, de http://portal.inep.gov.br/censo-escolar.

Childers, T., Kaufman-Scarborough, C. (2009). Expanding opportunities for online shoppers with disabilities. Journal of Business Research, 62(5), 572-578.

Coelho, P. F. C. (2015). A Pesquisa Transformativa do Consumidor: reflexões e diretrizes para pesquisadores brasileiros. E&G Economia e Gestão, 15(40).

Coelho, P., Orsini, A., & Abreu, N. (2016). Os encontros de serviço de deficientes visuais em Instituições de Ensino Superior. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 10(2), p. 65-79, 2016.

Costa, L.G., Neves, M. C., & Barone, D. (2007). O ensino de Física para deficientes visuais a partir de uma perspectiva fenomenológica. Ciência e Educação, 2(2), p. 143-153, 2007.

Creswell, J. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Dall’acqua, M. (2002). Intervenção no ambiente escolar: estimulação visual de uma criança com visão subnormal ou baixa visão. São Paulo: Editora UNESP.

Damascena, E., & Farias, S. (2013). Os elementos sensoriais em supermercados: um estudo junto a pessoas com deficiência visual na perspectiva da pesquisa transformativa do consumidor. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 37.

Davis, B., & Pechmann, C. (2011). Introduction to the special issue on transformative consumer research for the journal of research for consumers. Journal of Research for Consumers, 19.

Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. (2001). Brasília: MEC/SEESP.

Faria, M. (2015). A eterna criança e as barreiras do ter: consumo de pessoas com Síndrome de Down e suas famílias. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Faria, M., & Motta, P. (2012). Pessoas com deficiência visual: Barreiras para o turismo de lazer. Revista Turismo em Análise, 23, 691-717.

Faria, M., Silva, J., & Ferreira, J. (2012). The visually impaired and consumption in restaurants. International Journal of Contemporary Hospitality Management, 24(3).

Fernandes, S. H.. (2011). Relações entre o “visto” e o “sabido”: As representações de formas tridimensionais feitas por alunos cegos. Revista Iberoamericana de Educação Matemática, 26,137-151.

Ferreira, J. R. (2006). Educação especial, inclusão e política educacional: notas brasileiras. In: RODRIGUES, D. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. 1. ed. São Paulo: Summus, 1, 85-113.

Figueiredo, R. M., & Kato, O. M. (2015). Estudos nacionais sobre o ensino para cegos: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Educação Especial, 21(4), 477-488.

Fiorini, M. L., Deliberato, D., & Manzini, E. J. (2013). Estratégias de ensino para alunos deficientes visuais: A proposta curricular do estado de São Paulo. Motriz: Revista de Educação Física, 19(1), 62-73.

Franco, J. R. et al. (2007). Orientação educacional às famílias com deficiência visual. In: MANZINI, E. J. (Org.). Inclusão de alunos com deficiência na escola: os desafios continuam. Marília: ABPEE/FAPESP.

Gaskell, G. (2002). Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Rio de Janeiro: Vozes, 64-89.

Gorni, D. (2007). Ensino fundamental de nove anos: estamos preparados para implantá-lo? Ensaio: Avaliação das Políticas Públicas Educacionais, 15(54), 67-80.

Jovchelovich, S., & Bauer, M. (2002). Entrevista Narrativa. In: Bauer MW, Gaskell G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Kaufman-Scarborough, C., & Childers, T. (2009). Understanding markets as online public places: insights from consumers with visual impairments. Journal of Public Policy & Marketing, 28(1), 16–28.

Laplane, A. L.; Caiado, K. R. (2012). Uma década de educação especial. In: Debora Cristina Jeffrey; Luis Enrique Aguilar. (Org.). Política educacional brasileira. 1 ed. Campinas: Mercado de Letras, 1, 119-142.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, 20 dezembro de 1996. Recuperado 11 julho, 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm

Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Recuperado em 10 setembro, 2015, dehttp://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ _Ato2015-2018 /2015/Lei /L13146.htm

Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Recuperado em 10 setembro, 2015, dehttp://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ _Ato2015-2018 /2015/Lei /L13146.htm

Leite, M. (2013). Educação inclusiva na percepção de professores dos anos iniciais do ensino fundamental: um estudo de caso em escola pública estadual de Minas Gerais. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 37.

Lippe, E., Alves, F., & Camargo, E. (2012). Análise do processo inclusivo em uma escola estadual no município de Bauru: a voz de um aluno com deficiência visual. Revista Ensaio, 14(2), 81-94.

Mantoan, M. (2002). Ensinando a turma toda. Pátio: Revista Pedagógica, 20, 18-23.

Mick, D., Pettigrew, S., Pechmann, C., & Ozanne, J. (2012). Origins, qualities, and envisionments of Transformative Consumer Research. In: Mick, D.., Pettigrew, S.

Pechmann, C., & Ozanne, J. (2012). Transformative consumer research for personal and collective well being: reviews and frontiers. NY: Routledge.

Oliveira, A. A. (2006). Flexibilizações e adequações Curriculares para Atendimento às Necessidades Educacionais Especiais. SINOP-MT: CEACD/UNEMAT; Editora UNEMAT.

Oliveira, R. P. (2007). Da universalização do ensino fundamental ao desafio da qualidade: Uma análise histórica. Educação & Sociedade, Campinas, 28(100), 661- 690.

Petkus, E. (2010). Incorporating transformative consumer research into the consumer behavior course experience. Journal of Marketing Education, 32(3) 292-299.

Pinheiro, M., Pena da Silva, E., & Rodrigues, L. (2008). O ir e vir dos deficientes visuais: barreiras arquitetônicas e acadêmicas na UFMT. Inclusão Social, 3(1), 48-65.

Pinto, M. & Freitas, R. (2013). O que os olhos não veem o coração não sente? Investigando experiências de compra por deficientes visuais no varejo de roupas. REGE – Revista de Gestão, 20(3), 387-405.

Pinto, M. et al. (2016). TCR: reflexões, diretrizes e uma análise do campo no Brasil. RIMAR – Revista Interdisciplinar de Marketing, 6(2), 54-66.

Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. (2008). Brasília: MEC/SEESP.

Razuck, R. C., & Guimarães, L.B. (2014). O desafio de ensinar modelos atômicos a alunos cegos e o processo de formação de professores. Revista de Educação Especial, 27(48), 141-154.

Regiani, A. M. & Mol, G. S. (2013). Inclusão de uma aluna cega em um curso de licenciatura em Química. Ciências & Educação (Bauru), 19(1), 123-134.

Rosa, F. M. & Baraldi, I. M. (2015). O uso de narrativas (auto)biográficas como uma possibilidade de pesquisa da prática de professores acerca da Educação (Matemática) Inclusiva. Bolema, 29(53), 936-954.

Santos, L. & Vieira, L. (2006). Agora seu filho entra mais cedo na escola: A criança de seis anos no ensino fundamental em Minas Gerais. Educação & Sociedade, 27(96), 775-796.

Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: adaptações curriculares. Brasília: MEC/SEF/SEESP.

Sigolo, S. R., & Oliveira, A. M. (2008). Relação família-escola e o processo de inclusão escolar-subsídios para orientação família. In: MENDES, E.G.; ALMEIDA, M. A.; HAYASHI, M. C. P. I. (Org.). Temas em Educação Especial: conhecimentos para fundamentar a prática. Araraquara, SP: Junqueira & Marin; Brasília, DF: CAPES-PROESP.

Viralonga, C. A., & Caiado, K. R. M. (2013). Processos de escolarização de pessoas com deficiência visual. Revista Brasileira de Educação Especial, 19(1), 61-78.

Vygotski, L. S. (1997). Obras escogidas V: Fundamentos de defectologia. Madrid: Gráfica Rogar.

Zucherato, B., & Freitas, M. I. (2011). A construção de gráficos táteis para alunos deficientes visuais. Ciência em Extensão, 7(1), 24-41.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 CBR - Consumer Behavior Review - ISSN 2526-7884

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License