Consumo Colaborativo: Um caminho para o desenvolvimento sustentável?

Uiara Gonçalves de Menezes

Resumo


Dentre as várias propostas para se reduzir os impactos negativos causados pelo homem ao planeta tem se destacado, recentemente, o consumo colaborativo. Este, pode ser definido como um modelo de negócios mediado pelas tecnologias de informação e comunicação que se baseia na colaboração de fornecedores e consumidores (De Menezes, 2016). Partindo desse contexto, este estudo se propôs a identificar, empiricamente, a relação existente entre consumo colaborativo e desenvolvimento sustentável a partir das seguintes ênfases: necessidades humanas, preservação dos recursos e orientação cultural de valor. Para isso foi estudado um caso de uma comunidade virtual de troca de tempo (Bliive). Foram coletados dados de usuários, de um dos gestores e do próprio site do Bliive. Os resultados encontrados permitem observar apenas uma certa relação entre os temas, pois o Bliive não contemplou todas as dimensões do desenvolvimento sustentável (necessidades humanas, preservação do meio ambiente e a preocupação com o futuro). Isso se deu em função dos aspectos ambientais necessários para promover alterações dos padrões de consumo não serem contemplados nos resultados. O destaque é dado para a dimensão dos aspectos sociais relacionados à satisfação das necessidades humanas, tais como participação, afeição, entendimento, proteção, identidade, liberdade e criação, e, por fim, a orientação para a coletividade foi destacada.


Palavras-chave


Desenvolvimento sustentável; Consumo colaborativo; Troca de tempo

Texto completo:

PDF

Referências


Albinsson, P. A., & Perera, Y. (2012). Alternative marketplaces in the 21st century: building community through sharing events. Journal of Consumer Behaviour, 11, 303-315.

Albinsson, P. A., Wolf, M., & Kopf, D. (2010). Anti- consumption in East Germany: Consumer resistance to hyperconsumption. Journal of Consumer Behaviour, 9(6), 412-425.

Belk, R. W. (2007). Why not share rather than own? American Academy of Political and Social Science, 611(126).

_____.(2010). Sharing. Journal of Consumer Research, 36, 715-734.

_____.(2014) You are what you can access: Sharing and collaborative consumption online. Journal of Business Research, 67, 1595-1600.

Black, I. R., & Cherrier, H. (2010). Anti-consumption as part of living a sustainable lifestyle: daily practices, contextual motivations and subjective values. Journal of Consumer Behaviour, 9(6), 437-453.

Bliive. Recuperado em 14 maio 2016 de http://bliive.com.br.

Bolis, I., Morioka, S. N., & Sznelwar, L. I. (2014). When sustainable development risks losing its meaning: Delimiting the concept with a comprehensive literature review and a conceptual model. Journal of Cleaner Production, 83, 7-20.

Botsman, R., & Rogers, R. (2011). O que é meu é seu: como o consumo colaborativo vai mudar o nosso mundo. Porto Alegre: Bookman.

Brasil. Lei Nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Recuperado em 12 abril, 2018 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007- 2010/2010/Lei/L12305.htm

DeMenezes, U. G. (2016). Desenvolvimento sustentável e economia colaborativa: um estudo de múltiplos casos no Brasil. Tese de Doutoramento não publicada, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Drexhage, J., & Murphy, D. (2010). Sustainable development: from Brundtland to Rio 2012. International Institute for Sustainable Development (IISD). United Nations Headquarters, New York.

Earley, C., & Gibson, C.B. (1998). Taking stock in our progress on individualism-collectivism: 100 years of solidarity and community. Journal of Management, 24(3), 265-304.

Hamari, J., Sjöklint, M., & Ukkonen, A. (2016). The sharing economy: Why people participate in collaborative consumption. Journal of the Association for Information Science and Technology, 67(9), 2047-2059.

Hopwood, B., Mellor, M., & O’brien, G. (2005). Sustainable development: mapping different approaches. Sustainable Development, 13, 38-52. IBICT. Instituto Brasileiro De Informação em Ciência e Tecnologia. Recuperado em 11 abril, 2018 de

http://www.ibict.br/inclusao-social-e- popularizacao-da-ciencia/avaliacao-do-ciclo-de- vida-de-produtos-e-sistemas- produtivos/apresentacao/?searchterm=ciclo%20d e%20vida%20do%20produto.

Jansson, J., Marell, A, & Nordlund, A. (2010). Green consumer behavior: determinants of curtailment and eco-innovation adoption. Journal of Consumer Marketing, 27(4), 358-370.

Kayo, E. K., Kimura, H., Martin, D. M. L., & Nakamura, W. T. (2006). Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. Revista de Administração Contemporânea, 10(3), 73-90.

Leff, E. (2001). Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis RJ: RJ, Vozes/PNUMA.

Max-Neef, M. (1992). Development and Human Needs. In: Ekins, P., & Max-Neef, M. (Eds). Real Life Economics: understanding wealth creation. London: Routledge, 197-213.

Mebratu, D. (1998). Sustainability and sustainable development: historical and conceptual review. Environment Impact Asses Review, 18, 493-520.

Olson, M. (1965). The logic of collective action: public goods and the theory of groups. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Ozanne, L. K., & Ballantine, P. W. (2010). Sharing as a form of anti-consumption? An examination of toy library users. Journal of Consumer Behaviour, 9, 485-498.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Recuperado em 10 abril, 2018 de http://www.pnud.org.br/ODS12.aspx

Sparks, P., & Shepherd, R. (1992). Self-identity and the theory of planned behavior: assessing a role of identification with “green consumerism”. Social Psychology Quarterly, 55(4), 388-399.

Stokes, K., Clarence, E., Anderson, L., & Rinne, A. (2014). Making sense of the UK collaborative economy. Recuperado em Acesso em 8 de April, 2015, de

https://www.nesta.org.uk/sites/default/files/maki ng_sense_of_the_uk_collaborative_economy_14

.pdf .

Thompson, S. C. G., & Barton, M. A. (1994). Ecocentric and anthropocentric attitudes toward the environment. Journal of Environmental Psychology, 14, 149-157.

WCED. (2018). Report of the World Commission on Environment and Development: Our Common Future. Recuperado em 10 abril, 2018 de http://www.un-documents.net/wced-ocf.htm


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 CBR - Consumer Behavior Review - ISSN 2526-7884

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License