Abandono de Consumo: Mudanças nos significados de consumo de café na onda dos cafés especiais

Victor Galindo de Mello, Jheine Oliveira Bessa Franco, Olga Maria Coutinho Pépece

Resumo


A relação do Brasil com o café é antiga e significante. O país vem presenciando uma mudança de perfil do consumidor que passou a apreciar cafés de maior valor agregado. Diante desta mudança, este estudo buscou compreender o consumo de cafés especiais por meio do processo de abandono do consumo de cafés tradicionais. Para isso, realizou-se entrevistas semiestruturadas e questões projetivas com consumidores de cafés tradicionais e especiais. Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo. Verificou-se um processo de abandono balanceado, ou seja, os consumidores buscam o café especial, mas ainda não deixam completamente de consumir o tradicional em determinadas situações. O café tradicional remete às rotinas e à família, já o especial está associado à sofisticação e às experiências com amigos. Desta forma, compreende-se a influência dos diferentes momentos de consumo na significação da bebida e identifica-se diferentes intensidades nos processos de abandono deste consumo.


Palavras-chave


Abandono de consumo; Cafés especiais; Significado de consumo

Texto completo:

PDF

Referências


ABIC. (2018a). Brasileiros conquistam título de maiores consumidores de café no mundo. http://abic.com.br/brasileiros-conquistam-titulo-de-maiores-consumidores-de-cafe-no-mundo/

ABIC. (2018b). Mercado de cafés especiais deve crescer 19% em 2018. http://abic.com.br/mercado-de-cafes-especiais-deve-crescer-19-em-2018/

ABIC. (2019). Glossário. http://abic.com.br/cafe-com/glossario/

Araujo, F. F. De, Bitar, N. P., Maria, M., Souza, A. De, Baião, M. R., & Silva, T. C. P. da. (2019). Experiências de Consumo no Samba: Um estudo sobre o processo de significação da Feijoada Portelense. ALCEU, 20(38), 142–163.

Arruda, A. C., Paula, V., Minim, R., Aurélio, M., Ferreira, M., Minim, L. A., Maria, N., & Soares, C. F. (2009). Justificativas e motivações do consumo e não consumo de café. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 29(4), 754–763. https://doi.org/10.1590/S0101-20612009000400009

Bardin, L. (1979). Análise de Conteúdo. Edições.

Bitar, N. P. (2011). Baianas de Acarajé. Comida e Patrimônio no Rio de Janeiro. Editora Aeroplano.

Borges, B. J., Pepece, O. M. C., Britto, L. R. G. de, Mello, V. G. de, & Igarashi, D. C. C. (2018). As diferentes facetas do café: Um estudo sobre seu consumo e significados. Anais do XXI Semead.

Cassia, L., Fattore, M., & Paleari, S. (2006). Entrepreneurial Strategy: Emerging Businesses in Declining Industries. Edward Elgar Pub.

Chatzidakis, A., & Lee, M. S. W. (2013). Anti-Consumption as the Study of Reasons against. Journal of Macromarketing, 33(3), 190–203. https://doi.org/10.1177/0276146712462892

Clemente, L. A. G., Bánkuti, S. M. S., & Souza, J. P. de. (2017). Análise dos Recursos Estratégicos e Ativos Específicos sob a ótica da Complementariedade entre as Teorias RBV e ECT: o caso dos produtores de café certificados em Minas Gerais, Brasil. Revista Científica Expressão, 23, 1–20.

Dellagnelo, E. H. L., & Silva, R. C. da. (2004). Análise de conteúdo e sua aplicação em pesquisa na administração. In Vieira, M. M. F. & Zouain, D. M. (Orgs.) Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática (p. 97–118). FGV.

Diniz, F., & Suarez, M. C. (2018). Cultural Meanings and Consumers’ Discourses about Their Brand Abandonment. BAR - Brazilian Administration Review, 15(1), 1–22. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-76922018000100302〈=pt

Embrapa. (2015). Café é a segunda bebida mais consumida no Brasil. https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/2574254/cafe-e-a-segunda-bebida-mais-consumida-no-brasil

Euromonitor. (2017). Tendências do mercado de cafés em 2017. http://abic.com.br/src/uploads/2018/05/2017.pdf

Gaskell, G. (2002). Entrevistas individuais e grupais. In Vozes (Org.), BAUER, M. W.; GASKELL, G (ed.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som (p. 64–89).

Ger, G., & Kravets, O. (2009). Special and Ordinary Times: Tea in Motion. In Shove, E., Trentmann, F., & Wilk, R. (Eds.). Time, consumption and everyday life: practice, materiality and culture. (p. 189–202). BERG.

Goodman, D. J., & Cohen, M. (2004). From Consumption to Consumer Culture. In Goodman, D. J.; Cohen, M. Consumer culture: A Reference Handbook. ABC-CLIO.

Hogg, M. K. (1998). Anti-Constellations: Exploring the Impact of Negation on Consumption. Journal of Marketing Management, 14(1–3), 133–158. https://doi.org/10.1362/026725798784959354

Hogg, M. K., Banister, E. N., & Stephenson, C. A. (2009a). Mapping symbolic (anti-) consumption. Journal of Business Research, 62(2), 148–159. https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2008.01.022

Hogg, M. K., Banister, E. N., & Stephenson, C. A. (2009b). Mapping symbolic (anti-) consumption. Journal of Business Research, 62(2), 148–159. https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2008.01.022

Karababa, E., & Ger, G. (2011). Early Modern Ottoman Coffeehouse Culture and the Formation of the Consumer Subject. Journal of Consumer Research, 37(5), 737–760. https://doi.org/10.1086/656422

Leal, C. S. A. (2011). Entre um cafezinho e uma bica: uma análise do uso do café por consumidores cariocas e alfacinhas. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas - EBAPE.

Monteiro, R. A. da S., & Araujo, F. F. de. (2020). Produção de Sentidos na Indústria Cultural da Cerveja: Aspectos do processo discursivo nas ações de marketing de experiências. Consumer Behavior Review, 4(2), 128–145.

Morse, J. M. (2000). Determining Sample Size. Qualitative Health Research, 10(1), 3–5. https://doi.org/10.1177/104973200129118183

Nunes, M. N., Caroline, Spanhol-finocchio, C. P., Quevedo-silva, F., & Lima-filho, D. D. O. (2018). Relação entre Emoção e Alimentação de Consumidores Idosos. Consumer Behavior Review, 2(2), 56–71.

Pinto, A. de C. C. (2015). Até logo, Facebook - Um estudo do processo de abandono de um site de rede social. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Quintão, R. T., & Brito, E. P. Z. (2016). Connoisseurship consumption and market evolution: an institutional theory perspective on the growth of specialty coffee consumption in the usa. REMARK - Revista Brasileira de Marketing, 15(1), 1–15. https://doi.org/10.5585/remark.v15i1.3042

Quintão, R. T., Brito, E. P. Z., & Belk, R. W. (2017a). Comunidade de consumo de apreciação e sua dinâmica. Revista Brasileira de Gestao de Negocios, 19(63), 48–64. https://doi.org/10.7819/rbgn.v0i0.2982

Quintão, R. T., Brito, E. P. Z., & Belk, R. W. (2017b). The Taste Transformation Ritual in the Specialty Coffee Market. Revista de Administração de Empresas, 57(5), 483–494. https://doi.org/10.1590/s0034-759020170506

Rook, D. W. (2006). Let´s Pretend: projective methods reconsidered. In BELK, R. W. Handbook of Qualitative Research Methods in Marketing. Edward Elgar PubliSamarang.

Rook, D. W. (2007). Dimensão ritual do comportamento de consumo. Revista de Administração de Empresas, 47(1), 81–98. https://doi.org/10.1590/S0034-75902007000100013

Sá, F. B. de. (2013). O comportamento do consumidor de café: um estudo no município de Belo Horizonte. Centro Universitário UMA.

Scussel, F. B. C. (2019). Is Consumer Experience the Next Best Thing? Reflections from a systematic review and research agenda proposition. CBR-Consumer Behavior Review, 3(2), 57-69.

Skeie, T. R. (2003). Norway and coffee. The Flamekeeper, Spring, 2–5.

Standage, T. (2005). História do Mundo em 6 copos. Zahar, 1, 10. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004

Suarez, M. C. (2010). Criação, movimento e negociação de significados a partir do não consumo: um estudo do abandono das categorias de automóvel e cigarro. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Suarez, M. C., & Chauvel, M. A. (2012). Different ways of saying goodbye: Outlining three types of abandonment of a product category. Research in Consumer Behavior, 14, 277–295. https://doi.org/10.1108/S0885-2111(2012)0000014018

Teixeira, A. P. P. (2014). Do coador de pano à cápsula: mudanças nas práticas de consumo de café no Brasil. Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. Atlas.

Ucoffee. (2019). CAFÉ ARÁBICA: O QUE É, VARIEDADES E CARACTERÍSTICAS. https://blog.ucoffee.com.br/cafe-arabica/

Vieira, M. M. F. (2004). Por uma boa pesquisa (qualitativa ) em administração. In Pesquisa Qualitativa em administração: teoria e prática (p. 9–97). FGV.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

 RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License