Moda Livre! O comportamento de consumo diante de condições de trabalho alusivo ao escravo

Bruna Lourena de Lima Dantas, Lívia Nogueira Pellizzoni, Thaisa Hasse Bogoni Bachmann, Nelsio Rodrigues de Abreu

Resumo


O presente artigo tem como objetivo compreender o comportamento de consumo diante de condições de trabalho alusivo ao escravo. Para tanto, foram realizados três grupos focais com mulheres, partindo de um roteiro semiestruturado, considerando as categorias: significados de consumo de moda, percepção do consumidor a respeito das condições de trabalho nas indústrias têxteis e percepção do consumidor a respeito dos movimentos de moda consciente. A partir das análises, observou-se que as condições de trabalho nas indústrias têxteis não são consideradas critérios na decisão de compra por parte das consumidoras, uma vez que as participantes consideram que consumo consciente está relacionado à sustentabilidade dos materiais, diminuição do excedente de produção ou causas ambientais. Adicionalmente, observou-se que os consumidores não costumam buscar informações relativas às condições de trabalho do processo produtivo. Sugere-se, portanto, ações de comunicação para promover maior sensibilização.


Palavras-chave


Moda Livre; Consumo consciente; Inclinação à compra.

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, N. R. D., Baldanza, R. F., & Gondim, S. M. G. (2009). Os grupos focais on-line: das reflexões conceituais à aplicação em ambiente virtual. JISTEM-Journal of Information Systems and Technology Management, 6(1), 5-24.

Balduíno, D. T. (1999) (Org.). Trabalho escravo no Brasil contemporâneo. Edições Loyola. São Paulo, Brasil.

Barnes, L., Lea‐Greenwood, G., Watson, M. Z., & Yan, R. N. (2013). An exploratory study of the decision processes of fast versus slow fashion consumers. Journal of Fashion Marketing and Management: An International Journal. 17(2), 141-159

Baudrillard, J. (1998). The consumer society – Myths and Structures. London, Editora Sage.

Baumam, Z. (2008). Vida para o consumo. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Z. (2008.) A ética é possível num mundo de consumidores? Rio de Janeiro: Zahar.

Belk, R. W. (2013). Extended self in a digital world. Journal of consumer research, 40(3), 477-500.

Brasil, Repórter. (2015) Trabalho escravo contemporâneo – 20 anos de combate [1995–2015]. São Paulo.

Cairns, G., & Roberts, J. (2007). A discussion of Fashion Victims. Critical perspectives on international business, 3(2), 170-185.

Choi, T. M., Lo, C. K., Wong, C. W., Yee, R. W., & Chan, T. Y. (2012). The consumption side of sustainable fashion supply chain. Journal of Fashion Marketing and Management: An International Journal, 16(2), 193-215.

Churchill Jr, G. A. (1979). A paradigm for developing better measures of marketing constructs. Journal of marketing research, 16(1), 64-73.

Cline, E. L. O. (2012). The Shockingly high cost of cheap fashion. New York: Portfolio.

Close, P. (2014) Child labour in global society. Emerald Group Publishing.

Clube, R. K., & Tennant, M. (2020). Exploring garment rental as a sustainable business model in the fashion industry: Does contamination impact the consumption experience?. Journal of Consumer Behaviour, 19(4), 359-370.

Cietta, E. (2010). A revolução do fast-fashion: estratégias e modelos organizativos para competir nas indústrias híbridas. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 1.

Cordeiro, A. T., Batista, M. D. M., Silva, M. A. P. D., & Pereira, G. D. F. (2013). Consumidora consciente?! Paradoxos do discurso do consumo sustentável de moda. Revista Brasileira de Marketing, 12(3), 01-22.

Dantas, B. L. L. (2018). " Look do dia": consumo conspícuo de fast fashion e construções identitárias no Instagram. (Dissertação de mestrado). Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/12947/1/Arquivototal.pdf

Menezes, U. G. (2018). Consumo colaborativo: um caminho para o desenvolvimento sustentável? Consumer Behavior Review, 2(Special Edition), 56-68.

Evans, S., & Peirson-Smith, A. (2018). The sustainability word challenge: Exploring consumer interpretations of frequently used words to promote sustainable fashion brand behaviors and imagery. Journal of Fashion Marketing and Management, 22(2), 252-269.

Farias, M. L., de Sousa Júnior, J. H., Silva, B. G. F., & Alcoforado, D. G. (2019). Compreendendo o domínio “projetos de identidade do consumidor”: Revisão de literatura considerando a produção científica brasileira. Consumer Behavior Review, 3(2), 85-98.

Fashion Revolution Brazil. (n.d.). Disponível em: https://www.fashionrevolution.org/south-america/brazil/. Acesso em 03 de agosto de 2020.

Fletcher, K. (2010). Slow fashion: An invitation for systems change. Fashion Practice, 2(2), 259-265.

Fletcher, K. (2007). THE GREEN PAGES-Slow fashion-It's quality not quantity that counts, says eco textile designer Kate Fletcher. Ecologist, 37(5), 71-71.

Fletcher, K. (2008). Sustainable fashion and textiles: design journeys, Earthscan. London, Sterling.

Global Slavery Index. (2014). Disponível em: https://reporterbrasil.org.br/wp-content/uploads/2014/11/GlobalSlavery_2014_LR-FINAL.pdf. Acesso em 26 abril 2020.

Jørgensen, M. S., & Jensen, C. L. (2012). The shaping of environmental impacts from Danish production and consumption of clothing. Ecological Economics, 83, 164-173.

Jung, S., & Jin, B. (2016). From quantity to quality: Understanding slow fashion consumers for sustainability and consumer education. International journal of consumer studies, 40(4), 410-421.

Kim, H., Choo, H. J., & Yoon, N. (2013). The motivational drivers of fast fashion avoidance. Journal of Fashion Marketing and Management, 17(2), 243-260.

Lai, S. M., & Prendergast, G. (2019). How men interpret women’s luxury brand signals. Journal of Fashion Marketing and Management: An International Journal, 23(2), 209-223.

Lipovetsky, G. (2007). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras.

Lipovetsky, G. (2009). O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. Editora Companhia das Letras.

Lüdke, M., & André, M. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas.

Mahoney, M. (2018). The latest fashion trend: water sustainability and social ethics (Tese de doutorado). Disponível em: https://dspace.sunyconnect.suny.edu/handle/1951/70314.

Mano, R. F. (2014). Consumidor com deficiência: implicações de fatores pessoais e contextuais no consumo em redes varejistas de João Pessoa-PB. (Dissertação de mestrado). Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/3866

Merriam, S. B., & Tisdell, E. J. (2015). Qualitative research: A guide to design and implementation. John Wiley & Sons.

McCracken, G. (2003). Cultura & Consumo. Mauad Editora Ltda.

McCracken, G. (2007). Cultura e consumo: uma explicação teórica da estrutura e do movimento do significado cultural dos bens de consumo. Revista de Administração de Empresas, 47(1), 99-115.

McNeill, L., & Moore, R. (2015). Sustainable fashion consumption and the fast fashion conundrum: fashionable consumers and attitudes to sustainability in clothing choice. International Journal of Consumer Studies, 39(3), 212-222.

McNeill, L. S., & Snowdon, J. (2019). Slow fashion–Balancing the conscious retail model within the fashion marketplace. Australasian Marketing Journal (AMJ), 27(4), 215-223.

Morgan, D. L. (1996) Focus groups. Annual Review of Sociology, 22, (1), 129-152.

Nascimento, T. M. (2019). Examinando o Domínio do Comportamento Pró-ambiental na Promoção do Bem-estar Individual e Coletivo. CBR-Consumer Behavior Review, 3(1), 27-41.

Neto, V. P. (2008) Conceito jurídico e combate ao trabalho escravo contemporâneo. Ltr. São Paulo.

Nunes, M. P., & da Silveira, G. A. (2016). Análise das motivações do consumidor de fast-fashion. Revista de Administração IMED, 6(1), 56-71.

Organização Internacional do Trabalho. Convenção (29) sobre o trabalho forçado ou obrigatório. (1930). Disponível em: http://www.oit.org.br/sites/all /forced_labour/oit/convencoes/conv_29.pdf. Acesso em: 27 de abril de 2020.

ONU Brasil. Assembléia Ambiental da ONU mira soluções inovadoras para o futuro global.https://nacoesunidas.org/assembleia-ambiental-da-onu-mira-solucoes-inovadoras-para-futuro-global/. Acesso em: 08 de agosto de 2020

Orlandi, E. P. (2009). Análise de discurso: princípios e procedimentos/Eni P. Orlandi–8ª Edição, Campinas, SP: Pontes.

Ozdamar Ertekin, Z., & Atik, D. (2015). Sustainable markets: Motivating factors, barriers, and remedies for mobilization of slow fashion. Journal of Macromarketing, 35(1), 53-69.

Pereira, G. R., Veiga, A. R., Oliveira Júnior, J. C. & Oliveira, H. C. (2017). Marketing verde: Fatores da geração Z sobre questões ambientais. Consumer Behavior Review, 1(2), 58-72.

Papaoikonomou, E., & Alarcón, A. (2017). Revisiting consumer empowerment: An exploration of ethical consumption communities. Journal of Macromarketing, 37(1), 40-56.

Pookulangara, S., & Shephard, A. (2013). Slow fashion movement: Understanding consumer perceptions—An exploratory study. Journal of Retailing and Consumer Services, 20(2), 200-206.

Revolution, F. (2016). Fashion Transparency Index.

Roussenq, D. (2017). Internacionalização da produção vestuarista e a questão do trabalho: estudo de caso sobre a rede fast fashion Zara pela ótica das cadeias de valor globais. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/184982/Monografia%20da%20Dayana.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Schiavini, J. M., & Garrido, I. (2018). Análise de Conteúdo, Discurso ou Conversa? Similaridades e Diferenças entre os Métodos de Análise Qualitativa. Revista ADM. MADE, 22(2), 01-12.

Solér, C., Baeza, J., & Svärd, C. (2015). Construction of silence on issues of sustainability through branding in the fashion market. Journal of Marketing Management, 31(1-2), 219-246.

Stake, R. E. (2011). Pesquisa Qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Artmed.

Watson, M. Z., & Yan, R. N. (2013). An exploratory study of the decision processes of fast versus slow fashion consumers. Journal of Fashion Marketing and Management: An International Journal United Kingdom, 7(2), 141-159.

Zanette, M. C., Lourenço, C. E., & Brito, E. P. Z. (2013). O peso do varejo, o peso no varejo e a identidade: uma análise de consumidoras plus size. Revista de Administração de Empresas, 53(6), 539-550.

Zarley Watson, Maegan; Yan, Ruoh-Nan. (2013). An exploratory study of the decision processes of fast versus slow fashion consumers. Journal of Fashion Marketing and Management,17, (2), 141-159.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 CBR - Consumer Behavior Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

  RePEc Ideas

Flag Counter

Consumer Behavior Review - eISSN: 2526-7884

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License