DESCARTE DE REFUGO EM UMA INSTITUIÇÃO DE CONTROLE AMAZÔNICA: O caso da Vila Santo Antônio do Prata, Pará

Rhuan Carlos dos Santos Lopes

Resumo


Entre o fim do século XIX e a década de 1970, três instituições de controle se sucederam na Vila Santo Antônio do Prata, situada no município de Igarapé-Açu, estado do Pará. Crianças indígenas, detentos e portadores de hanseníase, formaram os grupos sociais que, respectivamente, estiveram submetidos às diferentes ações de isolamento e sujeição desenvolvidas pelo Estado brasileiro. Considerando isto, este artigo caracteriza as práticas de descarte de refugo, verificadas a partir de escavações arqueológicas realizadas neste local. Os resultados indicaram que o trato com os resíduos diferia das pretensões higienistas observadas nos registros históricos, demonstrando características particulares do cotidiano local.


WASTE DISPOSAL AT AN AMAZONIC CONTROL INSTITUTION: The case of Vila Santo Antônio do Prata, Pará State

ABSTRACT

Between the end of the nineteenth century and the 1970s, three institutions of control were succeeded in Vila Santo Antônio do Prata, located in the city of Igarapé-Açu, in Pará state. Indigenous children, prisoners and leprosy patients formed the social groups that, respectively, were submitted to the different actions of isolation and subjection developed by the Brazilian State. Considering this, this article characterizes the practices of waste disposal, verified from archaeological excavations performed in this place. The results indicated that the treatment with the residues differed from the hygienic pretensions observed in the historical records, showing particular characteristics of the local daily life.

Keywords: Historical Archeology; Leprosy; Brazilian Amazon.


Palavras-chave


Arqueologia Histórica; Lepra; Amazônia brasileira

Texto completo:

PDF

Referências


BELTRÃO, J. F.; LOPES, R. C. S. 2014. Diásporas, homogeneidades e pertenças entre os Tembé Tenetehara de Santa Maria. ACENO, 1(1):123-143.

BUSCH, J. 1987. Second Time Around: A Look at Bottle Reuse. Historical Archaeology, 21:68-80.

CABRAL, D. 2013. Lepra, medicina e políticas de saúde no Brasil (18941934). Coleção História e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

CASELLA, E. C. 2016. Horizons beyond the Perimeter Wall: Relational Materiality, Institutional Confinement, and the Archaeology of Being Global. Historical Archaeology, 50 (3):127-143.

CRUZ, E. 1955. A Estrada de Ferro de Bragança: visão social, econômica e política. Belém: SPVEA.

FERNANDES, R. F. 2015. Tembé Tenetehara de Santa Maria do Pará: Retomando os fios da história. Estudos Amazônicos, XIII (1):214-249.

FLEXNER, J. L. 2012. An Institution that was a Village: Archaeology and Social Life in the Hansen’s Disease Settlement at Kalawao, Moloka‘i, Hawaii. Int. J. Histor. Archaeol., 16:135-163.

FLEXNER, J. L. 2011. Foreign Animals, Hawaiian Practices: Zooarchaeology in the Leprosarium at Kalawao, Moloka‘i, Hawaii. Journal of Pacific Archaeology, 2 (1):82-91.

FOUCAULT, M. 1979. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal.

FOUCAULT, M. 1978. História da Loucura. São Paulo: Perspectiva

FOUCAULT, M. 1977. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes.

FRENCH, D. E. 1995. Ideology, politics and power: the socio-historical of the Archaeology of the D'Arcy Island Leper Colony, 1891-1924. Tese de doutorado. Vancouver, The University of British Columbia.

GOFFMAN, E. 1974. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Editora Perspectiva.

HOCHMAN, G. 1993. Regulando os Efeitos da Interdependência: sobre as relações entre saúde pública e construção do Estado (Brasil 1910-1930). Estudos históricos, 6 (11):40-61.

LIMA, T. A. 1996. Humores e odores: ordem corporal e ordem social no Rio de Janeiro, século XIX. História, Ciências, Saúde. Manguinhos, 2 (3):46-98.

LOPES, R. C. S. 2017. Tempos, espaços e cultura material na Vila Santo Antônio do Prata, Pará - Arqueologia em uma instituição total amazônica. Tese de Doutorado. Belém, Universidade Federal do Pará.

LOPES, R. C. S.; SCHAAN, D. P. 2016. Projeto arqueológico Vila Santo Antônio do Prata, Igarapé-Açu (PA). Relatório final. Belém, Universidade Federal do Pará.

MUNIZ, P. 1913. O Instituto do Prata (Município de Igarapé-Assú). Belém: Typ. da Livraria Escolar.

NORTE, F. 1930. Nos arraiais do Prata, Lazaropolis, a ridente cidade da consolação II. Folha do Norte, 12.606:1.

REDMAN, C. L. 1973. Multistage fieldwork and analytical techniques. American Antiquity, (38):61-79.

SCHIFFER, M. B. 1987. Formation processes of the archaeological record, 1st edition. Albuquerque, NM: University of New Mexico Press.

SCHIFFER, M. B. 1985. Is There a "Pompeii Premise" in Archaeology? Journal of Anthropological Research, 41 (1):18-41.

SCHNEIDER, S. D. 2011. Lepra: fotografia e discurso na obra de Souza-Araújo (1916-1959). Dissertação de Mestrado. Marechal Cândido Rondon, Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

SOUTH, S. 2007. Reconhecimento de padrões na arqueologia histórica. Vestígios - Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, 1 (1):135-149.

SOUTH, S. 1977. Method and Theory in Historical Archaeology. New York: Academic Press.

SOUZA ARAUJO, H. C. 1948. História da lepra no Brasil - Período republicano (1889-1946). Vol. II. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

SOUZA ARAUJO, H. C. 1924. Lazaropolis do Prata: a primeira colonia agrícola de leprosos fundada no Brasil. Belém: Empreza Graphica Amazonia.

SOUZA, R. A. 2014. Arqueologia na metrópole paulistana. Habitus, 12 (1):23-44.

SUGUIMATSU, I. C.; SYMANSKI, L. C. P. 2015. Atividades cotidianas, deposição de refugo e ação do arado: processos de formação do registro arqueológico no espaço de uma senzala de Campos dos Goytacazes (RJ). Clio Arqueológica, 30 (1):38-76.

SYMANSKI, L. C. P. 1996. Bebidas, panacéias, garrafas e copos: a amostra de vidros do Solar Lopo Gonçalves. Revista de Arqueologia, 11:71-86.

SYMANSKI, L. C. P.; GOMES, D. M. C. 2012. Mundos mesclados, espaços segregados: cultura material, mestiçagem e segmentação no sítio Aldeia em Santarém (PA). Anais do Museu Paulista, 20(2):53-90.

SYMANSKI, L. C. P.; GOMES, F. D. S.; SUGUIMATSU, I. C. 2015. Práticas de descarte de refugo em uma plantation escravista: o caso da fazenda do colégio dos jesuítas de Campos dos Goytacazes. Revista de Arqueologia, 28 (1):93-122.

SYMANSKI, L. C. P.; OSÓRIO, S. R. 1996. Artefatos recliclados em sítios arqueológicos de Porto Alegre. Revista de Arqueologia, 9:43-54.

TOCCHETTO, F. B. 2010. Fica dentro ou joga fora? Sobre práticas cotidianas na Porto Alegre moderna oitocentista. São Leopoldo: Oikos.

VALDEVINO, G. D. C. M.; AMARAL, R. D. S. 2017. Projeto arqueológico Vila Santo Antônio do Prata, Igarapé-Açu (PA). Relatório de anásile osteológica. Manaus, Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia/Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas.

VARELA, A. M.; OLIVEIRA, E. A. D.; SUGUIMATSU, I. C.; ROSA, L. A. S. D.; RODET, M. J.; SUENNY, T.; LEITE, W. A. 2015. Corpo são, cidade limpa: uma arqueologia do sanitarismo e higienização em Belo Horizonte, 1930-1960. Teoria; Sociedade, 23 (1):198-236.




DOI: https://doi.org/10.20891/clio.V34N3p105-138

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2448-2331

© 1984-2020 CLIO Arqueológica 
Universidade Federal de Pernambuco - UFPE
Programa de Pós-Graduação em Arqueologia
Centro de Filosofia e Ciências Humanas, 10º andar
Avenida da Arquitetura, S/N - Cidade Universitária
CEP 50.740-550 Recife (PE), Brasil

 

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License

 

UFPE LOCKSS Open Access

 

Instituições de referência para a CLIO Arqueológica:

Capes ABEC Fumdham INAPAS LatinRev